Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.



Enciclopédia Itaú Cultural
Cinema

Fragmentos da Vida

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 14.06.2016
1929
Análise

Texto

Abrir módulo

Análise
Fragmentos da Vida (1929), de José Medina (1894-1980) é uma adaptação livre de um conto do escritor norte-americano O. Henry (1862-1910)1. Traz a história de dois vagabundos que vivem de pequenos golpes nas ruas da cidade de São Paulo. Na infância, um deles presencia a morte do pai, um operário da construção civil, que cai de um andaime. Antes de morrer, o pai aconselha a honestidade e o trabalho como únicos valores do homem. Entretanto, passado o tempo, o garoto, agora um vagabundo, procura ser detido pela polícia para não ter que passar o inverno nas ruas. O filme sugere que a prisão funciona quase como um abrigo. Isso se deve certamente aos vínculos de Gilberto Rossi (1882-1971), o fotógrafo, com o governo estadual.

Com esse intento, o vagabundo, junto com o amigo, promove uma série de golpes, mas o acaso sempre oferece uma solução conciliadora. Num restaurante, procura comer sem pagar, mas um cidadão solidário evita que a polícia seja acionada e paga a refeição. Na aventura seguinte, o personagem quebra uma vitrine e confessa o ato ao dono da loja, mas este, duvidando de sua franqueza, procura outro culpado. Novo golpe é ensaiado. Na calçada de uma rua vigiada por um policial, o protagonista enlaça subitamente uma moça que, para sua surpresa, corresponde ao gesto e agradece a abordagem, pois dois homens suspeitos a seguiam ostensivamente. Desconsolado, o vagabundo e seu companheiro continuam a vagar até estarem diante de uma igreja. O vagabundo entra, e o discurso do padre evoca-lhe o último conselho paterno. Sai da igreja emocionado, disposto a se redimir, mas é finalmente detido pela polícia, e por um crime que não cometera. O intertítulo final anuncia seu suicídio.

Esta história de fundo moral, sem um tratamento aprofundado das condições sociais, apresenta uma narrativa avançada. O uso consciente de procedimentos como primeiro plano, movimentos de câmera, paralelismo de ações criado pela montagem e elipse temporal, permite uma consequente continuidade (match-cut)2. O filme se inicia com a imagem de um operário da construção civil trabalhando. Em seguida, um garoto que caminha. A alternância dessas imagens cria um paralelo espacial, que se conclui quando eles se encontram. De cima do andaime, o pai conversa com o garoto que, no solo e de cabeça erguida, observa atentamente. O pai despenca do andaime, os operários acorrem, o garoto chora. O primeiro plano ilustra o sofrimento do pai, que profere suas últimas palavras, ilustradas pelo intertítulo: "Sê sempre honesto, sempre trabalhador... O trabalho abrirá o caminho da honradez..." O primeiro plano do garoto chorando dá lugar ao do pai desfalecendo. Num plano mais recuado, médio, vemos o pai que morreu, o garoto que chora e os operários consternados tirando o chapéu. A tela escurece e surge o intertítulo: "Como se despertasse de um grande sono, a cidade de São Paulo, de um momento para o outro, transformava-se radicalmente, [...]".

Essa sequência ilustra o domínio da continuidade narrativa. A ordem dos planos, que se articulam, criam um espaço ficcional coerente. Além disso, há a sutil elipse temporal, o salto no tempo que não é explicitado por uma menção cronológica. Apenas o intertítulo sobre o desenvolvimento da cidade nos informa que se passaram vários anos.

A incorporação por Fragmentos da Vida de elementos correntes no cinema norte-americano foi comemorada por Guilherme de Almeida (1890-1969), crítico reconhecido por sua severidade com a filmografia nacional. Diz ele, "José Medina é indiscutivelmente por enquanto, o nosso único diretor de verdade". Outro crítico paulista, Octavio Gabus Mendes (1906-1946), também saudou o filme, mas com menos entusiasmo: "(...) muito embora focalize aspectos pouco bonitos de nossa moderna São Paulo, assim mesmo é um filme cheio de peripécias agradáveis". (Cinearte, 11 dez. 1929). O crítico certamente se refere ao tratamento dado aos mendigos, que trafegam por pontos centrais da cidade, como o Parque Dom Pedro, o Edifício Martinelli e o Vale do Anhagabaú. Já o crítico Pedro Lima (1902-1987) projeta no futuro a importância do longa: "Este ano, com A Escrava Isaura exibida no Capitólio e Fragmentos da Vida na sala vermelha do Odeon de S. Paulo, encerra-se o nosso ano cinematográfico. Tão auspicioso para o nosso cinema, como nenhum outro" (Cinearte, 18.dez. 1929).

Suas qualidades narrativas se somam à aspiração progressista da cidade de São Paulo. Segundo Machado, é possível flagrar a vontade de modernização que o filme louva. O tom moral que envolve o discurso sobre os malefícios da vagabundagem é característico da ideologia do trabalho desenvolvida na cidade. Isso aparece nos letreiros que exaltam a vida urbana, a organização social da cidade e a crença em instituições, como a penitenciária do estado, que surge na história como um lugar melhor do que as ruas no inverno. Os planos dos edifícios centrais da cidade, logo após a sequência inicial no Parque D. Pedro II, evocam as imagens de São Paulo, Sinfonia de uma Metrópole, de Adalberto Kemeny (1901-1969) e Rodolfo Rex Lustig (1901-1970).

Medina consegue essa fluência narrativa devido ao rigor com que elabora seus roteiros e à atenção com que vê e analisa os filmes de outros diretores. Ele os estuda, assiste-os diversas vezes, memorizando sequências inteiras. Além de seu talento, Medina conta com a experiência técnica de Gilberto Rossi,  hábil cinegrafista e dono da Rossi Filme. O elenco é composto de atores amadores. Os protagonistas, Carlos Ferreira e Alfredo Roussy (pseudônimo de Farid Riskallah), trazem experiência do teatro amador, enquanto que Áurea Auremar, a moça cortejada, realiza sua primeira interpretação. A atuação sóbria dos protagonista se destaca no panorama do cinema brasileiro da época, muito marcado pela grandiloquência dos gestos e pelas maquiagens carregadas. A atuação de Alfredo Roussy imprime realismo ao filme, na medida em que seu sarcasmo diante da vida contrasta com o discurso solene dos letreiros.

O longa é realizado com pequeno orçamento e em pouco tempo. Apenas duas sequências foram filmadas no estúdio Garnier, a do restaurante e a da igreja, ambas com móveis alugados da Casa Teatral. Consta nos anúncios do filme uma "caprichosa sincronização", o que significa uma sonorização no sistema Vitaphone (sistema de gravação sonora em discos)3. Ele é exibido durante três semanas consecutivas no cine Odeon, nas salas Vermelha e Verde. A exibição em um cinema central é um êxito para o cinema brasileiro da época. Finda sua carreira comercial, desaparece até 1954, quando uma cópia é reencontrada em Minas Gerais. É então exibido na 2ª Retrospectiva do Cinema Brasileiro e, no início da década de 1990, restaurado pela Cinemateca Brasileira.

Notas
1 Consta nos letreiros o título do conto Soap. Porém, trata-se certamente de um engano, já que o conto de O. Henry que tem Soapy como personagem é The cop and the Anthem (traduzido no Brasil por O guarda e o hino). Cf. PAES, José Paulo. (org.) Os melhores contos de O. Henry. KAWALL, Alzira Machado (trad.). São Paulo: Círculo do livro, s/d.
2 Match-cut: corte em continuidade. O match-cut indica a correspondência de planos com a unidade de tempo, dos gestos do atores, da posição dos olhares, da luz, dos figurinos e da cenografia. Para uma definição de match-cut e seu significado na evolução da linguagem cinematográfica Cf. XAVIER, Ismail. A continuidade (match-cut) e a montagem paralela no cinema de Griffith. In: BENTES, Ivana. (org.). Ecos do cinema. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2007.
3 Há no acervo da Cinemateca Brasileira uma partitura feita para o filme, de autoria de Lamartine Silva.

Fontes de pesquisa 10

Abrir módulo
  • CINEMATECA BRASILEIRA. Fragmentos da vida - descrição plano a plano. São Paulo, s/d.
  • DUARTE, Benedito Junqueira. Fragmentos da vida e o diretor José Medina. Boletim do Festival Internacional de Cinema, fev. 1954.
  • DUARTE, Benedito Junqueira. Fragmentos da vida e o diretor José Medina. Boletim do Festival Internacional de Cinema, fev. 1954.
  • GALVÃO, Maria Rita. Crônica do cinema paulistano. São Paulo: Ática, 1975.
  • LIMA, Pedro. Fragmentos da vida. Cinearte, 18 dez. 1929.
  • MACHADO, Rubens. São Paulo em movimento: a representação cinematográfica da metrópole nos anos 20. Dissertação de mestrado. ECA/USP: São Paulo, 1989.
  • MIRANDA, Luiz Felipe. Dicionário de cineastas brasileiros. Apresentação Fernão Ramos. São Paulo: Art Editora, 1990, 408 p.
  • PAES, José Paulo (org.). Os melhores contos de O. Henry. KAWALL, Alzira Machado (trad.). São Paulo: Círculo do livro, s/d.
  • RAMOS, Fernão Pessoa; MIRANDA, Luiz Felipe (Orgs). Enciclopédia do cinema brasileiro. São Paulo: Senac, 2000.
  • XAVIER, Ismail. A continuidade (match-cut) e a montagem paralela no cinema de Griffith. In: BENTES, Ivana (org.). Ecos do cinema. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2007.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: