Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.



Enciclopédia Itaú Cultural
Cinema

Argila

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 24.02.2016
1942
Argila é dirigido por Humberto Mauro (1897-1983), estrelado por Carmen Santos e produzido pela Brasil Vita Film, pertencente à atriz. Feito no período em que Mauro já atuava como diretor técnico do Instituto Nacional de Cinema Educativo (Ince), o filme está permeado por estes ideais, o que explica, por exemplo, a participação de Edgard Roquette ...

Texto

Abrir módulo

Histórico
Argila é dirigido por Humberto Mauro (1897-1983), estrelado por Carmen Santos e produzido pela Brasil Vita Film, pertencente à atriz. Feito no período em que Mauro já atuava como diretor técnico do Instituto Nacional de Cinema Educativo (Ince), o filme está permeado por estes ideais, o que explica, por exemplo, a participação de Edgard Roquette Pinto na obra.

A produção conta a história de Luciana (Carmen Santos), moça rica e ilustrada que, depois do retiro em razão do luto por seu marido, retoma as atividades como patrona das artes e reabre seu salão no Castelo de Correias, na cidade de Petrópolis. Sua sensibilidade  para a arte local não impede que ela receba os amigos que admiram incondicionalmente a cultura europeia. Barrocas (Floriano Faissal 1907-1986) é o mais fervoroso dentre eles, só vê arte na Grécia clássica e tudo o que é brasileiro lhe parece "arte bugre".

Do lado oposto, temos Gilberto (Celso Guimarães), artesão humilde que trabalha em uma fábrica de cerâmica. O patrão não entende o pendor artístico do rapaz e lhe impõe a produção comercial de vasos. Gilberto, além do expediente na fábrica, também se ocupa da decoração de um dos salões de Luciana. Em casa, ele desenvolve estudos sobre a cerâmica marajoara, tornando-se exímio artesão. Certo dia, enquanto trabalha na pintura do teto do salão de Luciana, Gilberto, ao observar a moça rica flertar com o pintor Cláudio (Saint-Clair Lopes), desaba de um andaime. Depois de medicado, passa o período de convalescência sob os cuidados da patroa, que não permite a visita de ninguém, nem mesmo de sua namorada, a singela Marina (Lydia Mattos). O amor nasce de forma velada entre Gilberto e Luciana e, em retribuição, ele lhe oferece um artefato marajoara que encontrara no sítio do Pacoval, no Amapá. O gesto desperta o ciúme de Marina, que alerta o rapaz para os costumes diferentes da patroa.

Tempos depois, Luciana convida Gilberto para uma conferência sobre a cerâmica marajoara. A conferência é proferida por Roquette Pinto, que identificamos por meio de uma uma fotografia no jornal e o registro de sua voz. Convencida sobre a originalidade dessa arte indígena, Luciana compra a fábrica de cerâmica onde Gilberto trabalha e encarrega-o da produção de objetos artísticos. O rapaz trabalha com afinco para produzir arte baseada em motivos marajoara. Luciana segue cada vez mais apaixonada e Gilberto declara seus sentimentos.

Em uma noite de festa, enquanto os ricos conversam sobre literatura e assistem a um bailado exótico, e os trabalhadores dançam, bebem e cantam na festa junina. Pedrinho (Mauro de Oliveira), o irmão de Marina, aproveita para entrar nos aposentos de Luciana e furtar o artefato dado por Gilberto. Antes que a moça se desespere com o roubo, João Antonio (Bandeira Duarte), pai de Pedrinho e de Marina, confessa a Luciana ter sido seu filho o responsável pelo desaparecimento da peça rara. O velho operário, companheiro de Gilberto na fábrica, conta que o filho agira daquela maneira com o intuito de proteger o amor de Marina e Gilberto. Luciana se dá conta de como seu amor pelo artesão poderia trazer a infelicidade da moça e decide se afastar. Quando Gilberto entra em seu castelo para devolver-lhe o artefato roubado, ela simula indiferença e o trata com desdém. Desiludido, ele se demite e parte solitário, para tristeza de ambos. Luciana termina rememorando o idílio e contemplando o objeto marajoara.

No filme, os diálogos são privilegiados e praticamente não há ação. Os planos são quase sempre estáticos, com os personagens falando e se movimentando com lentidão. Não há na obra os procedimentos narrativos que encontramos nos trabalhos anteriores de Mauro. Essa mudança ocorre devido a uma concepção de cinema educativo que o cineasta defendia na época. Ela enfatiza a informação oral, em tom de aula, dada pelo locutor. As imagens apenas ilustram o que está sendo dito, sem muito rebuscamento. Os momentos de mais movimentação fazem parte da sequência da compra da fábrica de cerâmica, cujo tom é documental.

O foco do filme concentra-se nas diferenças entre ricos e pobres, sendo Barrocas e Pedrinho os exemplos mais marcados. O primeiro é chamado de "doutor" e seu pedantismo o torna risível até mesmo para seus amigos. Já Pedrinho é o tipo "puro" que Humberto Mauro trata em seus primeiros filmes, especialmente em Tesouro Perdido. Criança do campo, ele sobe em árvores, caça passarinhos, e seus gestos são sempre impulsionados por uma grande ingenuidade.

Para além dos limites da concepção dramática, a história de um amor impossível entre uma jovem rica e um artesão é pano de fundo para descrever duas visões de mundo antagônicas. A burguesia brasileira desenraizada e citadina, que cultua modelos europeus (a França de Musset, a Grécia de Fideas) e tem costumes modernos  é o contraponto para os trabalhadores ligados a valores tradicionais da terra. As paisagens da cidade e do campo reforçam esse contraste. Essa noção dualista da sociedade brasileira parece seguir de perto as orientações de Roquette Pinto e sua concepção cinematográfica1. Neste sentido, a sequência em que Luciana adquire a fábrica de cerâmica, que passa a produzir obras artísticas, aproxima Argila dos pontos de vista defendidos pelo Ince. Na sequência, a música orquestral de Heckel Tavares evolui em consonância com o jogo de imagens que se sucedem: há planos de pedras trituradas por máquinas, a argila é batida, mãos moldam o material em torno mecanizado, mulheres pintam jarros, homem enverniza vaso, várias peças são cozidas em um grande forno e outras são expostas na oficina. Essa sequência rompe com o registro ficcional para destacar o organicidade do trabalho coletivo e a integração entre homem e técnica. Não por acaso, todos esses planos foram extraídos do curta-metragem Cerâmica Artística no Brasil, filme realizado pelo Ince em 1941.

Porém, o apelo à valorização da arte nacional não foi suficiente para convencer o público. Além disso, segundo Almeida, o filme foi boicotado por exibidores que, descontentes com a lei protecionista que favorecia o filme nacional (decreto-lei 4064), descaracterizaram Argila em algumas projeções.

A crítica também não foi favorável, e Nestor de Hollanda afirma que apenas a música e o bailado de Anita Otero se destacam. "Tirando isso, eu não sei o que seria de Argila, porque o argumento é banalíssimo e a direção é troço que se esqueceram de usar"2 O "esqueceram" sugere que o filme foi dirigido por alguém mais que Humberto Mauro. O crítico certamente se refere a Roquette Pinto. Já o crítico Renato Alencar, liquida o filme. Para o articulista, "(...) o argumento está eivado de incoerências". E o filme é "(...) pesadão do princípio ao fim, indigesto, quase sempre pretensioso e ridículo",  concluindo que se trata de "(...) mau teatro e péssimo cinema". Não é diferente a reação de Eneas Viany, que lamenta a direção e as interpretações. A voz dissonante vem de Cinearte, que também critica a direção, mas louva a iniciativa.

Notas
1 ALMEIDA, Claudio Aguiar. O cinema como 'agitador de almas': Argila, uma cena do Estado Novo. São Paulo: Fapesp: Annablume, 1999. Segundo o autor, Roquette Pinto participou do argumento, mas não teve seu nome incluído nos créditos. O trabalho de Almeida foi a principal fonte para os comentários que seguem.
2 HOLLANDA, Nestor de. Mais filme brasileiro. A Cena Muda. 21 abr. 1942.
3  ALENCAR, Renato. Argila. A Cena Muda. 19 mai. 1942.
4 VIANY, Eneas. Argila é meio argiloso. A Cena Muda. 9 jun. 1942.

Fontes de pesquisa 11

Abrir módulo
  • ALENCAR, Renato. Argila. A Cena Muda, 19 mai. 1942.
  • ALMEIDA, Claudio Aguiar. O cinema como 'agitador de almas': Argila, uma cena do Estado Novo. São Paulo: Fapesp: Annablume, 1999.
  • ANÔNIMO. Argila. Cinearte, n. 560, 1942.
  • GONZAGA, Alice, SABOYA, Ernesto. Carmen Santos. Filme Cultura, n. 33, p. 14-29, maio de 1979.
  • GONÇALVES, Maurício R. A corporificação da nacionalidade em Argila de Humberto Mauro. Estudos Socine de Cinema, ano VI. São Paulo: Panorama, 2003. p. 37-42.
  • HOLLANDA, Nestor de. Mais filme brasileiro. A Cena Muda, 21 de abril de 1942.
  • OROZ, Silvia. El discurso de la transgresión femenina en el cine latinoamericano de los años treinta y cuarenta. Objeto Visual, n. 2, p. 6-19, 1995.
  • PESSOA, Ana. Carmen Santos: o cinema dos anos 20. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2002.
  • PESSOA, Ana. Carmen Santos: sob a luz das estrelas. Cinemais, n. 27, p. 35-107, jan.- fev. 2001.
  • SCHVARZMAN, Sheila. Humberto Mauro e as imagens do Brasil. São Paulo: Unesp, 2004.
  • VIANY, Eneas. Argila é mesmo argiloso. A Cena Muda, 9 de junho de 1942.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: