Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.

Enciclopédia Itaú Cultural
Cinema

Todas as Mulheres do Mundo

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 12.01.2022
1966
Todas as Mulheres do Mundo é escrito e dirigido por Domingos Oliveira (1936-2019). É o primeiro longa-metragem do diretor único com romance com uma comédia de comportamentos que leva para o cinema discussões como a revolução sexual feminina nos anos 1960.

Texto

Abrir módulo

Todas as Mulheres do Mundo é escrito e dirigido por Domingos Oliveira (1936-2019). É o primeiro longa-metragem do diretor único com romance com uma comédia de comportamentos que leva para o cinema discussões como a revolução sexual feminina nos anos 1960.

A história se passa no Rio de Janeiro contemporâneo às filmagens, entre jovens de classe média. Edu [Flávio Miggliaccio (1934)], solteiro convicto, encontra Paulo [Paulo José(1937)], seu antigo colega de farras, que lhe conta sua história com Maria Alice [Leila Diniz (1945-1972)]. Essa história se divide em seis partes: "A conquista", "Primeiras consequências", "O bolo", "A reconciliação", "Outro bolo" e "Uma revelação". O filme abre com uma montagem em torno de uma narração em voz over do personagem Edu, que fala: "E a liberdade? O amor consome a liberdade. Castra a auto-iniciativa. Conduz à acomodação. Destrói a individualidade. Leva à fraqueza... Seja só. O homem mais forte é o mais só." Após ponderar sobre a impossibilidade de qualquer configuração amorosa, ele se pergunta: "E mesmo que fosse possível o amor, como escolher a mulher? As mulheres são muitas! Todas de diferentes formas, tamanho, cor, personalidade. Impossível escolher. Impossível escolher. Impossível escolher. Impossível escolher".

Paulo e Maria Alice se conhecem numa festa de Natal. Paulo se sente imediatamente atraído por ela, mas ela tem um noivo, Leopoldo [Ivan de Albuquerque (1932-2001)]. Após alguma insistência de Paulo, ela resolve sair com ele e, pouco após seu primeiro encontro, Paulo começa a inventar desculpas para não mais ver suas antigas parceiras sexuais. Eles ficam juntos até o dia em que Maria Alice tem de ir a São

Paulo visitar seu sobrinho e Paulo é convidado para uma festa só com mulheres. Ele termina por traí-la, e é flagrado por Maria Alice, que havia retornado mais cedo da viagem. Após um período separados, eles voltam a ficar juntos, mas repentinamente Leopoldo, ex-noivo de Maria Alice, morre. Ela fica muito abatida, mas decide reagir indo à praia, lugar que considera sua casa. No encontro de Paulo e Maria Alice na praia, eles resolvem ter filhos.

A personagem Maria Alice e sua intérprete Leila Diniz possuem muitas semelhanças: a inspiração de Domingos de Oliveira na ex-mulher foi de tal grau que as duas, muitas vezes, se confundem. Luis Carlos Merten (1945), em crítica no Diário de Notícias, afirma que o filme é uma declaração de amor à Leila. 

Leila Diniz e Maria Alice são livres, sexuais, fiéis às suas paixões, intensas e solares. Ao fim do filme, Paulo fala que fazer amor com Maria Alice era "como dar uma volta ao mundo" e que "a alma dela era seu corpo".  O escritor e crítico literário Paulo Hecker Filho (1926-2005), em artigo no Suplemento Literário de O Estado de S. Paulo, escreve que Maria Alice reafirma a liberdade sexual conquistada pelas mulheres atuais e futuras.

A emancipação feminina é um tema subjacente ao filme, e questão relevante para a época. Na narração do início, Edu já expõe a questão: "Agora as mulheres resolveram ser independentes, o que complica as coisas de modo definitivo". Em certo momento, após receber uma crítica negativa de Maria Alice sobre seus escritos, Paulo fala: "mulher tem que ser burra". O que está implícito nessa fala é que a mulher dependente deve se comportar como burra, não expressar livremente suas opiniões; hipótese  impensável no caso de Leila Diniz/Maria Alice.  Ao posicionar de maneira reacionária a liberdade de Maria Alice e das outras mulheres com as quais se relaciona, Paula também é um representante de sua época, ao chocar-se e criticar os posicionamentos fortes e de igualdade exigidos por elas.

A habilidade de Mário Carneiro (1930-2007) como diretor de fotografia é uma das grandes qualidades do longa-metragem, que se impõe, em vários momentos, como um registro do cotidiano de uma geração. A montagem, feita por Raimundo Higino (1936), João Ramiro Mello (1934) e Paulo Gracel, é ágil, cheia de cortes rápidos, e se utiliza por vezes do faux-raccord1. O filme se utiliza ainda de recursos como o congelamento de imagens, a aceleração e desaceleração de movimentos (fast motion e slow motion), e o uso repetido de imagens em sequências como, por exemplo, a da festa em que Paulo conhece Maria

Alice e, também, a da festa final, com a casa repleta de crianças. Há ainda, logo no início, uma quebra das regras ilusionistas, com o ator Paulo José olhando diretamente a câmera. Esse modo moderno de construção da obra, que rompe com certas regras do cinema clássico, expressa na forma o conteúdo  da narrativa cinematográfica: sua história sobre jovens que vivem um novo modo de se relacionar.

A recepção crítica varia entre o favorável e o entusiástico. Algo unânime é a comparação aos filmes da Nouvelle Vague francesa; elas apontavam os diretores Jean-Luc Godard (1930), François Truffaut (1932-1984), Phillippe de Broca (1933-2004) e Richard Lester (1932) como influências diretas. Ely Azeredo, um dos críticos a elogiar o filme, entre outros aspectos, pela sua capacidade de dialogar com o cinema europeu moderno.

A posição do longa-metragem em meio aos seus contemporâneos do Cinema Novo era a de adesão apenas parcial aos preceitos, já que o seu tema passava ao largo das questões políticas. Sobre isso, Ismail Xavier afirma em 1967 aponta que por isso, sofreu críticas por parte de diretores e críticos do movimento

Todas as mulheres do mundo traz na figura de Leila Diniz a imagem das mulheres de sua época para além da ficção, responsáveis debates acerca de mudanças sobre suas formas de se relacionar e sobre sua sexualidade.

Notas

1. faux-raccord é uma técnica de passagem de cenas utilizada no cinema que garante a descontinuidade, criando rupturas na linearidade da narrativa já que monta, em sequência, imagens que não tem necessariamente relação na ordem cronológica do filme

Fontes de pesquisa 11

Abrir módulo
  • 55 ANOS de Todas as Mulheres do Mundo e o vazio de remakes desatualizados. Valkirias. 21 mar. 2021. Disponível em: https://valkirias.com.br/55-anos-de-todas-as-mulheres-do-mundo-e-o-vazio-de-remakes-desatualizados/. Acesso em: 19 nov. 2021.
  • AZEREDO, ELY .Todas as mulheres do mundo. In: Jornal do Brasil. 1967.
  • AZEREDO, ELY. Olhar Crítico: 50 anos de cinema brasileiro. São Paulo, Instituto Moreira Salles, 2009.
  • CASTRO, RUY. Uma fábula amoral da Belle Époque: Todas as mulheres do mundo (18-05-2002). In Heloisa Seixas (org.) Ruy Castro, um filme é para sempre: 60 artigos sobre cinema. São Paulo, Companhia das Letras, 2006.
  • GOLDENBERG, Mirian. Toda Mulher é Meio Leila Diniz. São Paulo: BestBolso, 2008.
  • HECKER FILHO, P. Um filme, um tema, uma atriz. Suplemento Literário do jornal O Estado de S.Paulo. São Paulo, 16 mar. 1968.
  • LACERDA, Luiz Carlos. Leila Diniz. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2010.
  • MERTEN, L. C. Um Sonho de Cinema. Porto Alegre: Secretaria Municipal de Cultura: EDUNISC, 2004. Pp 34 - 37.
  • OLIVEIRA, Mayara Fior. O faux raccord e a montagem discursiva: O que é faux raccord? AVANCA Cinema. Capítulo II. 2019.
  • SANTOS, J. F. Leila Diniz: Uma Revolução na Praia. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.
  • XAVIER, I. Todas as mulheres do mundo. In: Artes, v. 2, n. 10, ago.-set. 1967.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: