Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Cinema

Santo Forte

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 25.04.2016
1999
Quinto longa-metragem do cineasta Eduardo Coutinho (1933-2014), Santo Forte é inspirado em pesquisa para série não realizada na TVE e conversas com o crítico José Carlos Avellar (1936-2016), então presidente da RioFilme. Em 1997, Coutinho realiza o documentário sobre manifestações da religiosidade nos discursos dos moradores da favela Vila Parqu...

Texto

Abrir módulo

Quinto longa-metragem do cineasta Eduardo Coutinho (1933-2014), Santo Forte é inspirado em pesquisa para série não realizada na TVE e conversas com o crítico José Carlos Avellar (1936-2016), então presidente da RioFilme. Em 1997, Coutinho realiza o documentário sobre manifestações da religiosidade nos discursos dos moradores da favela Vila Parque da Cidade, localizada na Gávea, Zona Sul do Rio de Janeiro. As filmagens começam durante a visita do Papa João Paulo II (1920-2005) à capital fluminense e são retomadas no Natal desse mesmo ano. As 40 horas de captação resultam, um ano depois, em uma edição de 80 minutos, com 11 entrevistados. A fala deles dá ênfase ao imaginário religioso, tônica das perguntas de Coutinho que, na montagem do filme, respeita o ponto de vista dos depoentes. Com recursos da Riofilme e do programa Rumos Itaú Cultural Cinema e Vídeo 1998, Santo Forte é realizado em vídeo. Isso lhe permite mais tempo de gravação de entrevistas, sem a necessidade de as interromper por questões técnicas. O produto final é transferido para película de 35mm para exibição e distribuição nos cinemas – processo conhecido como kinescopagem.1

Em Santo Forte, Coutinho consolida diversos procedimentos como, por exemplo, o uso do som direto e de diferentes câmeras, dedicadas ao personagem e à atividade e interação da equipe. Na montagem, não utiliza músicas de fundo ou imagens de cobertura, o que fortalece os discursos apresentados. Além disso, incorpora estratégias (ou dispositivos) que compõem uma narrativa ética e respeitosa ao seu objeto.

Na etapa de pré-produção, define-se a necessidade de uma única locação, escolhida com base nos trabalhos2 das antropólogas Patrícia Birman e Patrícia Guimarães. Além disso, uma equipe faz a pesquisa de personagens. O método, iniciado timidamente em O Fio da Memória (1991), é consolidado a partir desse momento. As pessoas selecionadas só encontram Coutinho no momento da gravação, para manter a espontaneidade das conversas. A disponibilidade de suas agendas é acertada mediante o pagamento de cachê, utilizado pela primeira vez em seus filmes. Esse processo, assim como a presença da equipe e dos equipamentos em quadro são absorvidos na montagem com cortes descontínuos que abreviam o depoimento.

Outros dispositivos são observados em uma das quatro cenas em que a personagem Thereza é apresentada. Ela está no quintal e conta à equipe, pela primeira vez, a história do falecimento da irmã, causado pela Pombagira. Nesse depoimento, Coutinho utiliza a câmera na mão, em oposição ao restante do filme, em que fica estática. O fato demonstra a adaptação ao espontâneo, mesmo que, em outros momentos, perceba-se que o cineasta possui conhecimento prévio sobre seus protagonistas. A força do depoimento aumenta quando, ao se referir a Pombagira, Thereza gesticula e diz que estão rodeados de espíritos. A performance do corpo e a narração da história contrastam com os planos gerais do quintal vazio, inseridos na edição no início e ao final do depoimento. O mesmo efeito é conseguido, durante o relato, com o uso de um plano vazio e estático de uma pequena escultura com a representação da entidade. O uso dos ícones religiosos é uma das poucas formas de ilustração das religiões no documentário, servindo também como plano de corte.

O filme estreia no 27º Festival de Gramado, em 1999, quando conquista o prêmio especial do júri. Comercialmente, o longa é lançado em 19 de novembro do mesmo ano em quatro cópias, poucos dias antes de ser exibido e premiado como Melhor Filme, Montagem e Roteiro, além do prêmio da crítica no 32º Festival de Brasília. Santo Forte é considerado pela crítica, pelos pesquisadores e pelo próprio diretor um divisor de águas de sua carreira. A pesquisadora Consuelo Lins, por exemplo, entende que Coutinho assume os elementos estéticos presentes em documentários anteriores e estabelece uma ética no uso das imagens, com base nos dispositivos que ele desenvolve a partir desse filme.3 O crítico José Carlos Avellar, por sua vez, destaca a viagem em busca do inesperado que guia o diretor e a convergência entre filme e personagens que contam a mesma história.4 Nesse sentido, a observação do crítico Carlos Alberto Mattos (1954) é complementar, quando diz que o diretor prefere dar voz às pessoas a tornar espetáculo suas crenças com imagens de rituais religiosos.5 Na Folha de S.Paulo, o crítico Inácio Araújo (1948) é enfático quanto à longevidade da obra: “É bastante possível que hoje pouca gente vá ao cinema para ver ‘Santo Forte’. Não importa. Daqui a cem anos, quando alguém quiser saber como pensavam e viviam as pessoas – ou certas pessoas – no fim do século 20, esse filme ainda estará vivo. Este é seu tempo. Esta é sua razão de existir”.6

Notas
1 O vídeo possibilita ao cinema mudanças financeiras e estéticas. Os rolos de 16mm e 35mm são curtos, permitindo apenas 11 minutos de filmagem contínua. Isso gera altos custos de rolo de filme, equipamentos, revelação e montagem em laboratório. Já o vídeo é mais econômico, garante mais tempo de gravação, com câmeras leves e de maior mobilidade.
2 Consuelo Lins explica que, em 1997, Coutinho teve acesso “ao trabalho da antropóloga Patrícia Birman sobre trajetórias religiosas, construído a partir de uma pesquisa de campo por ela realizada nessa comunidade. Coutinho também teve acesso às entrevistas que a assistente de Patrícia na época, a antropóloga Patrícia Guimarães, fazia para sua tese de doutorado”. Cf. LINS, Consuelo. O documentário de Eduardo Coutinho: televisão, cinema e vídeo. Rio de Janeiro: Zahar, 2007. p. 100.
3 LINS, Consuelo. O documentário de Eduardo Coutinho: televisão, cinema e vídeo. Rio de Janeiro: Zahar, 2007. p. 99 a 118.
4 AVELLAR, José Carlos. A palavra que provoca a imagem e o vazio no quintal – entrevista com Eduardo Coutinho. Revista Cinemais. Rio de Janeiro, n. 22, p. 31-71, mar./abr. 2000. p. 31.
5 MATTOS, Carlos Alberto. Eduardo Coutinho: o homem que caiu na real. Portugal: Festival de Cinema Luso-brasileiro de Santa Maria da Feira, 2003. p.70.
6 ARAÚJO, Inácio. Deuses e homens encontram-se em 'Santo Forte'. Folha de S. Paulo. São Paulo, 19 nov. 1999. Ilustrada, p. 22.

Fontes de pesquisa 22

Abrir módulo
  • ALMEIDA, Carlos Heli de. Gramado confirma vigor de documentários. O Globo. Rio de Janeiro, 13 ago. 1999. Segundo Caderno, p.6.
  • ARAÚJO, Inácio. Deuses e homens encontram-se em 'Santo Forte'. Folha de S. Paulo. São Paulo, 19 nov. 1999. Ilustrada, p. 22.
  • AVELLAR, José Carlos. A palavra que provoca a imagem e o vazio no quintal – entrevista com Eduardo Coutinho. Revista Cinemais. Rio de Janeiro, n. 22, p. 31-71, mar./abr. 2000.
  • BAZIN, André. O cinema: ensaios. São Paulo: Brasiliense, 1991.
  • COMOLLI, Jean-Louis. Sob o risco do real. In: _____. Ver e poder: a inocência perdida – cinema, televisão, ficção, documentário. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2008.
  • COUTINHO, Eduardo; FURTADO, Jorge; XAVIER, Ismail. O sujeito (extra)ordinário. In: MOURÃO, Maria Dora, LABAKI, Amir (org.). O cinema do real. Textos de Brian Winston et al. São Paulo: Cosac Naify, 2005. 285 p.
  • DIAS, Verônica Ferreira. A construção da realidade - o estudo do processo criativo de Eduardo Coutinho na elaboração do documentário Santo forte. 210f. Tese (Doutorado em Ciências da Comunicação) - Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010.
  • LABAKI, Amir. Introdução ao Documentário Brasileiro. Apresentação Ismail Xavier. São Paulo: Francis, 2006. 123 p.
  • LINS, Consuelo. O Documentário de Eduardo Coutinho. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2004.
  • LINS, Consuelo; MESQUITA, Cláudia. Filmar o real: sobre o documentário brasileiro contemporâneo. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2008.
  • MACHADO, Tiago Mata. “Santo Forte” documenta as crenças do povo. Folha de S. Paulo, São Paulo, 09 fev. 2001. Ilustrada, p. E-13.
  • MATTOS, Carlos Alberto. Cineasta mostra o cotidiano místico do Brasil. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 18 jun. 1998. Caderno 2, p. D-1.
  • MATTOS, Carlos Alberto. Eduardo Coutinho: o homem que caiu na real. Santa Maria da Feira, Portugal: Festival de Cinema Luso-Brasileiro de Santa Maria da Feira, 2003.
  • NICHOLS, Bill. Introdução ao documentário. Campinas: Papirus, 2005.
  • OHATA, Milton (Org.). Eduardo Coutinho. São Paulo: Cosac & Naify: Sesc, 2013.
  • OLIVEIRA, Bernardo. Novos parâmetros para o filme documental. Contracampo. Rio de Janeiro. Disponível em: < http://www.contracampo.com.br/criticas/santoforte.htm >. Acesso em: 07 out. 2015.
  • ORICCHIO, Luiz Zanin. Acaso e necessidade. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 18 jun. 2013. Caderno 2, p. C-5.
  • ORICCHIO, Luiz Zanin. ‘Santo Forte’ articula a fé com o plano social. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 27 out. 1999. Caderno 2, p. D-6.
  • ORICCHIO, Luiz Zanin. ‘Santo Forte’ expõe a real religiosidade brasileira. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 19 nov. 1999. Caderno 2, p. D-16.
  • SILVA NETO, Antonio Leão da. Dicionário de filmes brasileiros: longa metragem. São Bernardo do Campo: Edição do Autor, 2009.
  • SUKMAN, Hugo. Tudo o que existe me interessa. O Globo, Rio de Janeiro, 11 ago. 1999, Segundo Caderno, p.4.
  • VALENTE, Eduardo. Fé e Santo Forte - e as caras do documentário brasileiro. Contracampo, Rio de Janeiro, n.13-14. , jan./fev. de 2000. Disponível em: < http://www.contracampo.com.br/13-14/santoforteefe.htm >. Acesso em: 07 out. 2015.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: