Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Literatura

Fogo Morto

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 14.08.2015
1943
Fogo Morto (1943), livro considerado um dos representantes mais importantes do romance regionalista brasileiro, marca o encerramento de uma etapa na produção de José Lins do Rego (1901-1957) Trata-se do ciclo da cana-de-açúcar, em que o romancista apresenta o apogeu e o declínio dos engenhos nordestinos produtores de açúcar, desde a segunda meta...

Texto

Abrir módulo

Fogo Morto (1943), livro considerado um dos representantes mais importantes do romance regionalista brasileiro, marca o encerramento de uma etapa na produção de José Lins do Rego (1901-1957) Trata-se do ciclo da cana-de-açúcar, em que o romancista apresenta o apogeu e o declínio dos engenhos nordestinos produtores de açúcar, desde a segunda metade do século XIX até o início do XX.

Ao retratar a decadência da propriedade Santa Fé, em torno da qual se ambienta a trama, a narrativa retoma o universo e o tema de obras anteriores. Assim como Menino de Engenho (1932), Doidinho (1933), Banguê (1934), O Moleque Ricardo (1935) e Usina (1936), Fogo Morto extrai seus conflitos de uma sociedade patriarcal, organizada segundo o modelo da produção açucareira em latifúndios. Diferentemente do que ocorre nos outros títulos, porém, os recursos narrativos são aproveitados de forma a obter o máximo da psicologia das personagens – e não da exterioridade dos fatos ou das confissões feitas por uma primeira pessoa.

Organizado em três planos que se complementam e esclarecem, Fogo Morto dedica cada parte a uma personagem. A primeira delas é protagonizada por José Amaro, seleiro que se ressente de sua condição, incapaz de fazer frente ao poder e à arrogância dos senhores de engenho. Desde menino, ele vive na propriedade de Lula de Holanda, cuja trajetória é apresentada na segunda parte: pelo casamento com Amélia, esse homem da cidade tornou-se senhor da Santa Fé. A última parte concentra-se em Vitorino Carneiro da Cunha, figura quixotesca que transita entre as diferentes esferas sociais presentes no livro.

Centrada nas personagens, a estrutura permite retratar o Nordeste “de dentro para fora”, segundo palavras que o próprio romancista emprega para se referir ao poeta Jorge de Lima, e que o crítico José Aderaldo Castello reaproveita para caracterizar o trabalho de José Lins. Assim, Fogo Morto realiza de forma ao mesmo tempo épica e lírica – isto é, narrando de modo “profundamente humano” o destino trágico de personagens – a proposta do Romance de 1930: fazer da ficção um instrumento de interpretação social, na esteira do que propunha o antropólogo, e amigo próximo de José Lins, Gilberto Freyre (1900-1987).

Um aspecto decisivo para a configuração do ponto de vista do romance é o uso intensivo do discurso indireto livre. Ao permitir que os pensamentos das personagens se insinuem por meio da voz do narrador, o recurso cria um efeito polifônico, contrapondo fatos e versões, ideologias e contraideologias. Num episódio em que Vitorino termina agredido em uma briga, lê-se: “[Adriana] Correu para perto do marido. Corria um fio de sangue de seu rosto. Era um homem branco, um homem bom, uma criança sem juízo, e um desgraçado fazia aquilo com ele”. É dela o pensamento de que , por ser branco, Vitorino não deveria ter sido agredido.

A composição de perspectivas será especialmente relevante para delinear o estatuto das personagens femininas na narrativa. Vítimas do machismo e do desrespeito em todos os níveis sociais, mulheres como Sinhá, Adriana e Amélia refletem sobre a sua condição - como são incapazes de fazer os maridos -, e chegam mesmo a agir à revelia dos companheiros como modo de assegurar a sobrevivência da família: “Deus a livrasse que Lula soubesse de uma coisa daquela […]. Um senhor de engenho sustentado pelo trabalho de sua mulher!”, diz Amélia.

A proximidade constante entre a voz do narrador e o pensamento das personagens depende essencialmente da simplicidade verbal que assegura, de modo verossímil, a manutenção do registro entre um e outro discurso. A sintaxe é direta e limpa; o uso de pronomes e a regência verbal são informais; o ritmo das frases simula oralidade; expressões como “Para onde Vitorino Carneiro da Cunha pende, a coisa vira” procuram ser fiéis ao universo retratado.

Ainda que as frases sejam cuidadosamente trabalhadas – como exemplifica a sonoridade fluida em “Ia ver a lua banhando de leite as várzeas do coronel Lula” –, o efeito geral é o da ausência de artifício. Por isso, Otto Maria Carpeaux (1900-1978), em apresentação ao livro, aproxima o autor a um contador de histórias populares e afirma: “O grande valor literário de José Lins do Rego reside nisto: o seu assunto e seu estilo correspondem-se plenamente”.

A aparente ausência de artifício é responsável também pela impressão de que as personagens são apresentadas diretamente, sem mediação, estimulando o leitor a identificar-se. A esse respeito, Mário de Andrade (1893-1945) afirma: “o drama deles não é propriamente deles, mas nosso. Nós é que lhes damos, pelas nossas reações intelectuais, cultivadas e lógicas, um sentido dramático que eles nem de longe supõem ter”.

Se, conforme formulou Antonio Candido (1918), “Fogo Morto é, por excelência, o romance dos grandes personagens”, uma dessas grandes figuras é o capitão Vitorino – cujo idealismo, em meio a uma realidade política brutal e brutalizante, revela a complexidade com que José Lins concebeu suas criaturas. É capaz de afirmar tanto que “Um voto é uma opinião. É uma ordem que o senhor dá aos que estão de cima”, como “Isto de eleição para matar boi e fazer festa não é comigo. Gosto de eleição com faca, com tiro, com cheiro de pólvora”.

Trata-se de um exemplo evidente de que as personagens de Fogo Morto não se reduzem a produtos do ambiente que o romance procura problematizar. José Lins do Rego aproxima-se, assim, de Graciliano Ramos (1892-1953), que em Vidas Secas (1938) também se concentra na dimensão subjetiva para retratar as dificuldades enfrentadas por retirantes do sertão brasileiro – ao passo que ambos se distanciam de autores como Jorge Amado (1912-2001), de posicionamento político mais claro. Com uma visão profunda e complexa, Fogo Morto efetua, portanto, um retrato, desde a subjetividade, da problemática realidade que procura questionar.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: