Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Edifício Esther

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 12.11.2021
1936
Localizado na praça da República, centro de São Paulo, o Edifício Esther, projetado por Vital Brazil (1909-1997) e Adhemar Marinho (1909), em 1936, é um dos marcos da arquitetura moderna no Brasil. Ao lado do prédio da Associação Brasileira de Imprensa (ABI), no Rio de Janeiro, também de 1936, de autoria dos irmãos Marcelo (1908-1964) e Milton R...

Texto

Abrir módulo

Histórico

Localizado na praça da República, centro de São Paulo, o Edifício Esther, projetado por Vital Brazil (1909-1997) e Adhemar Marinho (1909), em 1936, é um dos marcos da arquitetura moderna no Brasil. Ao lado do prédio da Associação Brasileira de Imprensa (ABI), no Rio de Janeiro, também de 1936, de autoria dos irmãos Marcelo (1908-1964) e Milton Roberto (1914-1953), e do edifício-sede do Ministério da Educação e Saúde (MES) (1936-1943), de responsabilidade de um grupo de jovens arquitetos liderado por Lucio Costa (1902-1998), o Edifício Esther é um dos exemplos do racionalismo arquitetônico que começa a se fazer presente na paisagem urbana brasileira na década de 1930. Não por acaso Mário de Andrade (1893-1945), em artigo para O Estado de S. Paulo, de 1943, apresenta-o como um dos grandes exemplos da nova arquitetura em desenvolvimento no país em contraposição ao neocolonial.

Conhecedor das propostas arquitetônicas modernas por meio das obras de Frank Lloyd Wright (1867-1959) e de Le Corbusier (1887-1966), além de aluno de Affonso Eduardo Reidy (1909-1964) na Escola Nacional de Belas Artes (Enba), Vital Brazil, em seu período de formação, já anuncia clara preferência pelo racionalismo arquitetônico, que começa a ter lugar na instituição. Ao lado do colega Adhemar Marinho, participa da greve em solidariedade a Lucio Costa, em 1931, quando surgem reações ao seu projeto de renovação da Enba, o que é revelador da posição de ambos num momento de postura radicalizadas. As afinidades entre os colegas se traduzem em parceria profissional constante ao longo dos anos de 1934 e 1936. O Edifício Esther é, sem dúvida, o projeto mais conhecido do período de colaboração entre eles. Sua origem remete à vitória do anteprojeto que apresentam no concurso realizado pela Usina Esther Ltda., grande produtora de açúcar, visando à construção de um edifício de uso misto, comercial e residencial, no centro da capital paulista. Os promotores da edificação são a família Nogueira, vinculada à elite tradicional do Estado, em fase de expansão de seus negócios. Os financiadores aspiram a uma construção que, além de abrigar os escritórios da Usina Esther, deveria contar com lojas comerciais, escritórios, consultórios e residências variadas, cujos aluguéis garantiriam a renda necessária à sustentabilidade do investimento.

As demandas do grupo promotor são contempladas pelos arquitetos em consonância com os princípios centrais da arquitetura racionalista e funcionalista, tal como os apresentados pela Bauhaus e Le Corbusier: o uso racional dos materiais, os métodos econômicos de construção, a linguagem formal sem ornamentos e o diálogo sistemático com a tecnologia industrial. Os pontos centrais do programa corbusiano, por sua vez, são aplicados ao edifício: pilotis, planta livre, janela corrida, fachada livre e terraço-jardim. Um dos grandes desafios do projeto do Edifício Esther diz respeito à possibilidade que os arquitetos têm de enfrentar um aspecto caro ao ideário moderno: conceber uma construção multifuncional, espécie de microcosmo da vida urbana. Vê-se colocada em prática a idéia da "construção-máquina" defendida por Le Corbusier, em que se observa a integração dos vários elementos em um conjunto dotado de funcionamento próprio. Além disso, o projeto ambiciona interferir em todo o ambiente do entorno, redefinindo a rua e, no limite, a cidade. A preocupação com a organização dos fluxos, a ênfase nas áreas de circulação e, sobretudo, a preocupação em acentuar a comunicação entre os espaços interno e externo do edifício são reveladores da aspiração urbanística do projeto, que busca incorporar o léxico moderno da construção ao cotidiano das cidades.

Concebido como um volume formado por quatro faces independentes, o edifício apresenta uma estrutura aberta com superfícies envidraçadas. As diferenças entre os pavimentos podem ser percebidas nas faces frontal e posterior do prédio. A dinâmica da fachada é dada pelas janelas de diferentes tipos e formatos, varandas e terraços. O contraponto entre o vitrolite negro brilhante e o marmorite creme-palha fosco, por sua vez, dota a superfície de um contraste cromático sóbrio. As escadas emolduradas por um cilindro envidraçado cortam a fachada lateral, enfatizando um movimento em sentido longitudinal. O crítico Roberto Conduru sugere algumas semelhanças da construção com os volumes planos do Edifício Clarté, (1930-1932), de Le Corbusier, em Genebra, e da Casa Rustici (1933-1935), de Giuseppe Terragni e Pietro Lingeri, em Milão; assim como com o volume envidraçado da escada testado por Walter Gropius e Adolf Meyer no Pavilhão da Werkbund (1914), de Colônia, e por Johannes Diuker no Pavilhão do Sanatório de Zonestraal (1928-1931), em Hilversum.

O Edifício Esther participa do processo de transformação em curso na cidade, tornando-se um marco arquitetônico. Uma referência como pólo cultural da época, sedia, a partir de 1943, a seção paulista do Instituto dos Arquitetos do Brasil (IAB) e depois o Clubinho - Clube dos Artistas e Amigos da Arte. Abriga também o escritório do arquiteto Rino Levi (1901-1965), a residência de Di Cavalcanti (1897-1976)Noemia Mourão (1912-1992) e do próprio Vital Brazil. Apesar de sua importância na história da arquitetura moderna e contemporânea no país, o edifício sofre, ao longo dos anos, um crítico processo de descaracterização e deterioração e encontra-se, curiosamente, ausente de alguns conhecidos manuais de arquitetura nacionais.

Fontes de pesquisa 5

Abrir módulo
  • ANDRADE, Mário de. Brazil builds. In: XAVIER, Alberto (org.). Depoimento de uma geração: arquitetura moderna brasileira. rev. ampl. São Paulo: Cosac & Naify, 2003. 408 p. [Texto publicado originalmente na Folha da Manhã, São Paulo, 23 mar. 1943].
  • ATIQUE, Fernando. Memória moderna. A trajetória do Edifício Esther. São Carlos: Editora Rima, 2004, 364 pp, il. p&b.
  • BRUAND, Yves. Arquitetura Contemporânea no Brasil. Tradução Ana M. Goldberger. 3. ed. São Paulo: Perspectiva, 1999.
  • CONDURU, Roberto. Vital Brazil. Coordenação editorial Rodrigo Naves; apresentação Pedro Henrique Mariani. São Paulo: Cosac & Naify, 2000. 126 p., il. p&b. (Espaços da Arte Brasileira).
  • SEGAWA, Hugo. Arquiteturas no Brasil, 1900-1990. 2.ed. São Paulo: Edusp, 1999.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: