Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Manifesto Antropófago

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 14.06.2021
1928
Reprodução Fotográfica Romulo Fialdini

Manifesto Antropófago, 1928
Oswald de Andrade

O Manifesto Antropófago, escrito por Oswald de Andrade (1890-1954), é publicado em maio de 1928, no primeiro número da recém-fundada Revista de Antropofagia, veículo de difusão do movimento antropofágico brasileiro. Em linguagem metafórica cheia de aforismos poéticos repletos de humor, o Manifesto torna-se o cerne teórico desse movimento que pre...

Texto

Abrir módulo

O Manifesto Antropófago, escrito por Oswald de Andrade (1890-1954), é publicado em maio de 1928, no primeiro número da recém-fundada Revista de Antropofagia, veículo de difusão do movimento antropofágico brasileiro. Em linguagem metafórica cheia de aforismos poéticos repletos de humor, o Manifesto torna-se o cerne teórico desse movimento que pretende repensar a questão da dependência cultural no Brasil.

São inúmeras as influências teóricas identificadas no Manifesto: o pensamento revolucionário de Karl Marx (1818-1883); a descoberta do inconsciente pela psicanálise e o estudo Totem e Tabu, de Sigmund Freud (1856-1939); a liberação do elemento primitivo no homem proposta por alguns escritores da corrente surrealista como André Breton (1896-1966); o Manifeste Cannibale escrito por Francis Picabia (1879-1953) em 1920; as questões em torno do selvagem discutidas pelos filósofos Jean-Jacques Rousseau (1712-1778) e Michel de Montaigne (1533-1592); a idéia de barbárie técnica de Hermann Keyserling (1880-1946). Cruzadas, essas influências ganham da pena de Oswald de Andrade vida nova ao se amalgar sob a rubrica de um conceito também inédito e com raízes na história da civilização brasileira: antropofagia ou canibalismo. Ápice do primeiro tempo modernista, inaugurado oficialmente com a Semana de Arte Moderna de 1922, a etapa antropofágica realça a contradição violenta entre duas culturas: a primitiva (ameríndia e africana) e a latina (de herança cultural européia), que formam a base da cultura brasileira, mediante a transformação do elemento selvagem em instrumento agressivo.

Não se trata mais de um processo de assimilação harmoniosa e espontânea entre os dois pólos, como de certa forma o autor pregava no Manifesto da Poesia Pau-Brasil de 1924. Agora o primitivismo aparece como signo de deglutição crítica do outro, o moderno e civilizado: "Tupy, or not tupy that is the question. (...) Só me interessa o que não é meu. Lei do homem. Lei do antropófago".1  Nesse sentido, o mito, que é irracional, serve tanto para criticar a história do Brasil e as conseqüências de seu passado colonial, quanto para estabelecer um horizonte utópico, em que o matriarcado da comunidade primitiva substitui o sistema burguês patriarcal: "Contra a realidade social, vestida e opressora, cadastrada por Freud - a realidade sem complexos, sem loucura, sem prostituições e sem penitenciárias do matriarcado de Pindorama".2

Nota-se, no entanto, que não se trata de se opor pura e simplesmente à civilização moderna industrial; antes, Oswald acredita que são alguns dos benefícios proporcionados por ela que tornam possíveis formas primitivas de existência. Por outro lado, somente o pensamento antropofágico é capaz de distinguir os elementos positivos dessa civilização, eliminando o que não interessa e promovendo, por fim, a "Revolução Caraíba" e seu novo homem "bárbaro tecnizado": "A idade de ouro anunciada pela América. A idade de ouro. E todas as girls". Mediante a oposição de emblemas culturais e símbolos míticos, o autor reconta de forma metafórica a história do Brasil: Padre Vieira (1608-1697), Anchieta (1534-1567), a Mãe dos Gracos, a corte de D. João VI, a Moral da Cegonha surgem ao lado da potência mítica de Jabuti, Guaraci, Jaci e da Cobra Grande. Na nova imagem forjada o passado pré-cabralino é emparelhado com as utopias vanguardistas, pois "já tínhamos o comunismo. Já tínhamos a língua surrealista" em nossa idade de ouro.

Como o autor observa em depoimento posterior, a antropofagia foi um "lancinante divisor de águas" no modernismo brasileiro. Não apenas por causa do ato de conscientização que significa a "descida antropofágica" - o deslocamento do objeto estético, ainda predominante na fase pau-brasil, para discussões relacionadas com o sujeito social e coletivo - como também pelas opiniões divergentes que gera e que é causa de futuros desentendimentos entre os modernistas. Sem dúvida, o caráter assistemático e o estilo telegráfico utilizados pelo escritor para dar forma a seu ideário antropofágico de certo modo contribuem para a ocorrência de uma série de mal-entendidos. No entanto, a multiplicidade de interpretações proporcionada pela justaposição de imagens e conceitos é coerente com a aversão de Oswald de Andrade ao discurso lógico-linear herdado da colonização européia. Sua trajetória artística indica que há coerência na loucura antropofágica - e sentido em seu não-senso.

Notas

1. As citações sem indicação são retiradas do Manifesto Antropófago.

2. Pindorama: nome do Brasil na língua indígena, o nheengatu

Fontes de pesquisa 10

Abrir módulo
  • ANDRADE, Oswald de. A Utopia antropofágica. 2.ed. São Paulo: Globo, 1995. 243p.
  • BATISTA, Marta Rosseti; Lopez, Telê P. Ancona; Lima, Yone Soares de (orgs.). Brasil: primeiro tempo modernista - 1917/29. São Paulo: Instituto de Estudos Brasileiros, 1972.
  • BIENAL INTERNACIONAL DE SÃO PAULO, 24. , 1998, São Paulo. Núcleo histórico: antropofagia e histórias de canibalismos. Curadoria Paulo Herkenhoff, Adriano Pedrosa. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo, 1998.
  • DA antropofagia a Brasília: Brasil 1920- 1950. São Paulo: FAAP : Cosac & Naif, 2002. 637 p., il. color.
  • NUNES, Benedito. A antropofagia ao alcance de todos. In: ANDRADE, Oswald. A Utopia Antropofágica. Obras Completas de Oswald de Andrade. São Paulo: Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo, Editora Globo, 1990.
  • NUNES, Benedito. Oswald Canibal. São Paulo: Editora Perspectiva, 1979.
  • O Salão e a selva: uma biografia ilustrada de Oswald de Andrade. Campinas: Ed. Unicamp, Ex Libris, 1995.
  • PEDROSA, Mário. Acadêmicos e modernos: textos escolhidos III. Organização Otília Beatriz Fiori Arantes. São Paulo : Edusp, 1998. 429 p.
  • Revista de Antropofagia. Edição fac-similar. Introdução de Augusto de Campos. São Paulo: Editora Abril, 1975.
  • SCHWARTZ, Jorge. Vanguardas latino-americanas: polêmicas, manifestos e textos críticos. Apresentação Alfredo Bosi, Silviano Santiago. São Paulo: Edusp. 639 p. il. p.b.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: