Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Literatura

Crônica da Casa Assassinada

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 23.10.2021
1959
Coleção Brasiliana Itaú / Reprodução Fotográfica Horst Merkel

Crônica da Casa Assassinada, 1959
Lúcio Cardoso

Crônica da Casa Assassinada (1959) é a obra máxima do romancista, poeta e dramaturgo Lúcio Cardoso (1913-1968). De acordo com o pesquisador Mario Carelli (1951-1994), pode-se dizer que o “percurso humano e artístico” de Cardoso “desemboca” nesse romance.Trata-se do ápice da trajetória iniciada em 1934, com Maleita, afinado com a tendência region...

Texto

Abrir módulo

Crônica da Casa Assassinada (1959) é a obra máxima do romancista, poeta e dramaturgo Lúcio Cardoso (1913-1968). De acordo com o pesquisador Mario Carelli (1951-1994), pode-se dizer que o “percurso humano e artístico” de Cardoso “desemboca” nesse romance.Trata-se do ápice da trajetória iniciada em 1934, com Maleita, afinado com a tendência regionalista dominante na época. Crônica leva às últimas consequências o caminho psicológico-existencial de Luz no Subsolo (1936), caracterizado por Carelli como um “rascunho apaixonante”. É o que se nota, também, em textos como a novela Mãos Vazias (1938) e na trilogia composta por Inácio (1944), O Enfeitiçado (1954) e o não publicado Baltazar, que servem de laboratório para a criação da Crônica.

Sua produção poética, coligida em 1941, 1944 e, postumamente, em 1982, antecipa aspectos do estilo maduro, com a temática visionária e a elaborada dicção musical. Além disso, as intensas pesquisas de Cardoso em teatro e cinema representam o percurso das inquietações latentes na maturidade. Por fim, experiência pessoal e criação, registradas em correspondências, entrevistas e nos Diários iniciados em 1949, colaboram para distinguir sua obra da de outros escritores estreantes na década de 1930.

De fato, como aponta o crítico Alfredo Bosi (1936), uma temática ligada a questões religiosas e espiritualistas, imersa na liberdade formal conquistada pelas vanguardas em uma “descida aos infernos da angústia e da culpa”, aproxima o livro de romancistas e poetas como Cornélio Pena (1896-1958), Otávio de Faria (1908-1980), Adonias Filho (1915-1990), e Vinicius de Moraes (1913-1980), interlocutores e amigos de Cardoso. Persiste, contudo, a dificuldade de enquadrá-lo numa das correntes do romance nacional. O complexo cruzamento de características literárias não permite reduzir sua singularidade à ideia de “romance introspectivo” nem às tendências desenvolvidas pelos interlocutores mencionados.

No centro desse cruzamento, o leitor depara-se com a narrativa desdobrada entre a turbulências psicológicas e o retrato da ordem social em degradação. Ou, entre a produção de “retratos espectrais do ser”, como sugere o poeta Carlos Drummond de Andrade (1902-1987) em poema-homenagem a Cardoso, e a exposição da “metástase moral da chácara dos Meneses”, nas palavras do crítico Eduardo Portella (1932). No núcleo da ação, encontra-se a chácara decadente, localizada em uma cidade provinciana de Minas Gerais, e cenário de uma trama pontuada por pecado, morte e doença, fruto da convivência entre três irmãos (Demétrio, Valdo e Timóteo) e as esposas (Ana e Nina). Nina, mulher de rara beleza, vem do Rio de Janeiro e é incapaz de se adaptar à pasmaceira interiorana. Casa-se com Valdo acreditando em sua riqueza, mas logo descobre a decadência dos Meneses. Protagonista da obra, é elemento desestruturador da ordem familiar, provocando inveja e desafetos. Entre os serviçais que testemunham os acontecimentos, o jardineiro Alberto tem uma relação adúltera com Nina. Da relação, ao que tudo indica, nasce André, personagem que abre o livro em chave cíclia e ralata a morte de Nina, fim da trama cronológica. Incesto entre mãe e filho é o tabu em torno do qual enredo e forma se organizam. Cabe ao leitor destrançar a verdade ficcional.

Nas palavras de Bosi, Crônica da Casa Assassinada representa o caminho para “uma forma complexa de romance em que o introspectivo, o atmosférico e o sensorial não mais se justapusessem mas se combinassem no nível de uma escritura cerrada, capaz de converter o descritivo em onírico e adensar o psicológico no existencial”. É o que se nota no tom metafórico com que arrasta os personagens entre opostos: o pecado e a esperança de salvação, a procura de estabilidade e a condenação à mudança, o desejo de conhecer e a imposição do mistério. Também na diluição das fronteiras entre a realidade aparente e a verdade obscura dos fatos. Como sugere a caracterização de André sobre o movimento de suas lembranças, a estrutura narrativa apresenta-se como uma “gigantesca espiral colorida”. Todo o enredo é contado com base em cartas, diários e depoimentos, recolhidos pela figura de um editor desconhecido. Assim, as memórias e os relatos dos moradores são cruzados com os depoimentos de um farmacêutico, um médico, do padre Justino e com o que se depreende da correspondência de Nina com um coronel. Desse modo, constrói-se um amplo concerto de vozes, atravessado por múltiplas temporalidades e ecos do fluxos narrativo do escritor norte-americano William Faulkner (1897-1962).

Com a publicação da Crônica da Casa Assassinada inaugura-se uma duradoura polêmica. Conforme Carelli, a polarização inicial é ocasionada, pelo efeito perturbador do conteúdo do livro. Além disso, é resultado das entrevistas a que o autor submete os meios literários cariocas desde o ano anterior à publicação da Crônica.

Como consequência, em artigo no Diário Carioca de maio de 1959, o crítico pernambucano Olívio Montenegro (1896-1962) abre um debate, atacando o caráter imoral do romance.  Reações favoráveis e desfavoráveis chegam a ser inventariadas pelo crítico Walmir Ayala (1933-1991). Escritores e intelectuais como Manuel Bandeira (1886-1968), Lêdo Ivo (1924-2012) e Aníbal Machado (1894-1964) saem em defesa da obra, elogiando a profundidade temática, a riqueza formal e a inovação.

A polêmica continua no meio jornalístico, que tende à segunda visão. Esta torna-se hegemônica à medida que a obra passa a ser analisada pela crítica universitária, sob diversos pontos de vista. Com efeito, o romance é tido como um dos mais importantes da história da literatura brasileira, ainda que consideradas certas irregularidades. Entre elas, a predominância da voz do autor em relação às das personagens ou a sua dinâmica verbal prolífica.

Crônica da Casa Assassinada ocupa uma posição singular no romance brasileiro do século XX. Como afirma Bosi, a obra “desmente com brio” um estereótipo que se teria construído internacionalmente “em torno de um romance brasileiro ainda naturalista e centrado nos aspectos considerados pitorescos na vida dos trópicos”. Ao mesmo tempo, seria equivocado classificá-lo como “intimista”. Seu trânsito entre o local e o universal, o existencial e o moral faz-se sentir em projetos literários que superam demarcações. Prova maior é a obra da romancista, contista e cronista Clarice Lispector (1920-1977), cuja linguagem é devedora do livro.

Fontes de pesquisa 10

Abrir módulo
  • ALMEIDA, Teresa de. Marcas do texto: Julien Green e outro. In: CARDOSO, Lúcio; CARELLI, Mario (Coord.). Crônica da casa assassinada. Edição crítica. Madri: Archivos, 1991.
  • BOSI, Alfredo. História concisa da literatura brasileira. 32. ed. rev. e aum. São Paulo: Cultrix, 1994.
  • BRAYNER, Sonia. A construção narrativa: uma gigantesca espiral colorida. In: CARDOSO, Lúcio; CARELLI, Mario (Coord.). Crônica da casa assassinada. Edição crítica. Madri: Archivos, 1991.
  • BRAYNER, Sonia. Um grande folhetim tumultuosamente filosófico. In: CARDOSO, Lúcio; CARELLI, Mario (Coord.). Crônica da casa assassinada. Edição crítica. Madri: Archivos, 1991.
  • CARELLI, Mario. A música do sangue. In: CARDOSO, Lúcio; CARELLI, Mario (Coord.). Crônica da casa assassinada. Edição crítica. Madri: Archivos, 1991.
  • CARELLI, Mario. A recepção crítica. In: CARDOSO, Lúcio; CARELLI, Mario (Coord.). Crônica da casa assassinada. Edição crítica. Madri: Archivos, 1991.
  • CARELLI, Mario. Crônica da casa assassinada: a consumação romancesca. In: CARDOSO, Lúcio; CARELLI, Mario (Coord.). Crônica da casa assassinada. Edição crítica. Madri: Archivos, 1991.
  • CARELLI, Mario. O resgate de um escritor maldito. In: CARDOSO, Lúcio; CARELLI, Mario (Coord.). Crônica da casa assassinada. Edição crítica. Madri: Archivos, 1991.
  • PORTELLA, Eduardo. A linguagem prometida. In: CARDOSO, Lúcio; CARELLI, Mario (Coord.). Crônica da casa assassinada. Edição crítica. Madri: Archivos, 1991.
  • SEFFRIN, André. Uma gigantesca espiral colorida. In: CARDOSO, Lúcio. Crônica da casa assassinada. Edição comemorativa dos 40 anos da primeira publicação, 5. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2004.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: