Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.

Enciclopédia Itaú Cultural
Literatura

Triste Fim de Policarpo Quaresma

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 29.06.2022
1915
Coleção Brasiliana Itaú Reprodução Fotográfica Horst Merkel

Triste Fim de Policarpo Quaresma, 1915
Lima Barreto

Triste Fim de Policarpo Quaresma (1915) é a obra mais célebre do escritor Lima Barreto (1881-1922), um precursores da literatura brasileira moderna. O romance é publicado como folhetim em 1911, no periódico carioca Jornal do Commercio, e editado como livro em 1915. Apesar de Barreto escrever na imprensa carioca e participar de diferentes grupos ...

Texto

Abrir módulo

Triste Fim de Policarpo Quaresma (1915) é a obra mais célebre do escritor Lima Barreto (1881-1922), um precursores da literatura brasileira moderna. O romance é publicado como folhetim em 1911, no periódico carioca Jornal do Commercio, e editado como livro em 1915. Apesar de Barreto escrever na imprensa carioca e participar de diferentes grupos literários e políticos, a publicação e a distribuição do livro são custeadas com recursos próprios.

As dificuldades de publicação remetem a diversas causas prováveis. Em parte, à postura crítica de seu primeiro romance, Recordações do Escrivão Isaías Caminha (1909), em relação ao Correio da Manhã, jornal para o qual Barreto contribui. Ou, ainda, às lutas ideológicas entre os periódicos mais influentes, que resvalam em seus colaboradores, como sugere seu biógrafo, Francisco de Assis Barbosa (1914-1991). E, sobretudo, à atitude combativa do autor contra o poder em geral e a marginalidade em relação à consagração literária, amparada na grande imprensa. Contra esse sistema, Lima Barreto busca alternativas de expressão ao editar a revista Floreal, com apenas dois números publicados em 1907.

Como observa a antropóloga Lilia Moritz Schwarcz (1957), se a literatura brasileira é marcada por poucas novidades nas duas primeiras décadas do século XX, o momento é de forte tensão social e insatisfação política durante a Primeira República (1889-1930). Nos anos anteriores à publicação de Triste Fim..., Barreto organiza um grupo literário de objeção à Academia Brasileira de Letras (ABL). Pouco depois, declara apoio ao candidato de oposição à Presidência, o literato Rui Barbosa (1849-1923). O marechal Hermes da Fonseca (1855-1923), entretanto, vence o pleito de 1910 e efetua o retorno dos militares ao poder.

Nesse contexto, Barreto produz uma literatura militante, dedicada a atacar o academismo da tradição literária e o caráter elitista e autoritário da ordem social. Mais que isso, Triste Fim... reflete, com visão pessimista, um clima de utopia e desilusão, que se confunde com os destinos do protagonista e do próprio autor. No romance, transparece a ojeriza às oligarquias que tomam o poder em 1889. Além disso, percebe-se o ressentimento causado pelo estigma social imposto pela cor mulata e origem suburbana do autor. Para o historiador Nicolau Sevcenko (1952-2014), o testemunho individual das condições históricas inspira Barreto a cultivar uma “doutrina humanitária de construção de uma solidariedade autêntica entre os homens, que pusesse fim a toda discriminação, competição e conflito, e a todos reconhecesse a dignidade mínima ‘do sofrimento e da intensa dor de serem humanos’”1.

O romance narra a história do major Policarpo Quaresma, cuja existência é norteada por um ufanismo incompatível com a realidade do país. A trama, ambientada no Rio de Janeiro após a Proclamação da República, relata, em três partes, o fracasso dos projetos patrióticos de Quaresma.

No episódio principal da primeira parte, o major apresenta à Assembleia Legislativa um requerimento para instituição do tupi-guarani como língua oficial da nação. Acaba destituído do cargo de copista na Secretaria de Guerra e internado em um sanatório. Na parte seguinte, já aposentado, elege a agricultura como principal atividade nacional e funda um sítio que acaba dominado por saúvas. Na última parte, Quaresma resolve juntar-se ao exército do presidente Floriano Peixoto (1839-1895), a quem envia empenhadas propostas de reforma. Decepcionado com o menosprezo do "Marechal de Ferro" por suas ideias, decide expor-lhe suas críticas, ato que o leva à condenação capital por traição à pátria.

Na estrutura, o livro é marcado pelo acabamento formal e pelo trabalho com uma linguagem próxima da cotidiana. De acordo com o escritor Osman Lins (1924-1978), seu tema é o “desajuste entre o imaginário e o real”, “entre a ideia que o personagem-título faz de seu país e o que seu país é realmente”2. Com isso, o alcance da obra não se restringe ao retrato crítico da elite burguesa carioca, do culto aos títulos intelectuais ou da ideologia positivista e liberal do Estado. Como nota o crítico Antonio Arnoni Prado (1943), por meio da perspectiva do narrador, o fracasso do protagonista revela-se como o “alarme que denuncia a crise das velhas estruturas”. E, portanto, figura a “urgência de um ‘renascimento’”3 que exija do pensamento crítico a superação do descompasso entre a velha imagem do país e sua realidade.  

São conhecidas as queixas de Barreto pela fraca recepção de Triste Fim... O sucesso do folhetim não se repete com o livro. Em 1916, o intelectual Manuel de Oliveira Lima (1867-1928) também lamenta a pouca atenção dada pela imprensa ao livro. É igualmente conhecido o contraste entre o desejo de consagração oficial do autor (ilustrado pelas três candidaturas fracassadas à ABL) e sua marginalização nos meios literários. Esse menosprezo perdura depois de sua morte, no “silêncio” imposto ao conjunto da obra. Em 1935, essa preterição é apontada pelo escritor Jorge Amado (1912-2001) e passa a ser criticada pela história literária.

A exceção fica por conta do escritor Monteiro Lobato (1882-1948), que, três anos antes da morte do autor, considera Triste Fim... “um magnífico estudo de caracteres e costumes”4.

Atualmente, o romance encontra-se consolidado entre os grandes clássicos nacionais. Na historiografia literária, representa uma das obras decisivas do período pré-modernista. Segundo Alfredo Bosi (1936), ao se opor abertamente à supremacia do valor estilístico da linguagem literária, o romance antecipa a investigação da realidade social e das fontes folclóricas brasileiras, cerne do projeto modernista. Como afirma o crítico Silviano Santiago (1936), a obra desmascara a raiz “metafórica” do discurso nacionalista-ufanista, que, desde a Carta (1500) de Pero Vaz de Caminha (1451-1500), retrata o país como um paraíso terreno, distante de sua realidade e próximo da visão do colonizador.

Notas

1 SEVCENKO, Nicolau. Literatura como Missão: tensões sociais e criação cultural na Primeira República. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

2 LINS, Osman. Lima Barreto e o Espaço Romanesco. São Paulo: Ática, 1976.

3 PRADO, Antonio Arnoni. Lima Barreto: o crítico e a crise. Rio de Janeiro; Brasília: Livraria Editora Cátedra; Instituto Nacional do Livro, 1976.

4 LOBATO, Monteiro. Lima Barreto. In: BARRETO, Lima; HOUAISS, Antonio; NEGREIROS, Lucia (Orgs.). Triste Fim de Policarpo Quaresma. Edição crítica. Madri; San José: Allca XX; Universidad de San José, 1997. Publicado originalmente em LOBATO, M. Livros Novos. Rio de Janeiro: [s.e.], 1919.

Fontes de pesquisa 11

Abrir módulo
  • BARRETO, Lima; HOUAISS, Antonio; NEGREIROS, Lucia (Orgs.). Triste Fim de Policarpo Quaresma. Edição crítica. Madri; San José: Allca XX; Universidad de San José, 1997.
  • BIBLIOTECA Digital de Literatura de Países Lusófonos - BLPL. Disponível em: https://www.literaturabrasileira.ufsc.br/. Acesso em: 29 jun. 2022.
  • BOSI, Alfredo. O Pré-modernismo. São Paulo: Cultrix, 1973.
  • LIMA Barreto. Literafro - O portal da literatura afro-brasileira. Faculdade de Letras da Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 24 mai. 2022. Disponível em: http://www.letras.ufmg.br/literafro/autores/450-lima-barreto. Acesso em: 29 jun. 2022.
  • LINS, Osman. Lima Barreto e o Espaço Romanesco. São Paulo: Ática, 1976.
  • OLIVEIRA LIMA, Manuel de. Prefácio. In: BARRETO, Lima. Triste Fim de Policarpo Quaresma. São Paulo: Penguin & Companhia das Letras, 2011. Publicado pela primeira vez em O Estado de S.Paulo, São Paulo, 13 nov. 1916.
  • PRADO, Antonio Arnoni. Lima Barreto: o crítico e a crise. Rio de Janeiro; Brasília: Livraria Editora Cátedra: Instituto Nacional do Livro, 1976.
  • SANTIAGO, Silviano. Um ferroada no peito do pé (dupla leitura de Triste fim de Policarpo Quaresma). In: SANTIAGO, Silviano. Vale quanto pesa. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1980.
  • SCHWARCZ, Lilia Moritz. Numa encruzilhada de talvezes. Um grande romance aos pedaços. In: BARRETO, Lima. Triste fim de Policarpo Quaresma. São Paulo: Penguin & Companhia das Letras, 2011.
  • SEVCENKO, Nicolau. Literatura como missão: tensões sociais e criação cultural na Primeira República. Edição revista e ampliada. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.
  • WORLDCAT: O maio catálogo de bibliotecas do mundo: base de dados. Disponível em: https://www.worldcat.org/. Acesso em: 29 jun. 2022.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: