Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.



Enciclopédia Itaú Cultural

Cinédia

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 15.01.2021
1930 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
1950 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
Cinédia é um estúdio de cinema ativo nos anos 1930 e 1940, com uma produção de quase mil curtas-metragens e 93 longas, sendo 56 produções próprias, na maioria dramas populares e comédias musicais. É considerada a primeira tentativa de industrializar a produção cinematográfica no Brasil. 

Texto

Abrir módulo

Cinédia é um estúdio de cinema ativo nos anos 1930 e 1940, com uma produção de quase mil curtas-metragens e 93 longas, sendo 56 produções próprias, na maioria dramas populares e comédias musicais. É considerada a primeira tentativa de industrializar a produção cinematográfica no Brasil. 

Nos anos 1920, a produção nacional é artesanal e focada principalmente em cinejornais e documentários, mas começa a surgir o interesse pelos “posados”, como eram conhecidos os filmes de ficção. Aparecem pelo país focos de criação cinematográfica, e a crítica se intensifica.

Parte desse debate se dá por meio da revista Cinearte, criada em 1926 pelo intelectual Mário Behring (1876-1933) e pelo cineasta e jornalista Adhemar Gonzaga (1901-1978). Ao lado de cineastas como Humberto Mauro (1897-1983) e Carmem Santos (1904-1952), Gonzaga almeja criar uma indústria de cinema. Em 1930, empenha sua herança para fundar no Rio de Janeiro a Cinédia, primeiro estúdio do Brasil com equipamentos importados de alta qualidade, inspirado no modelo de produção hollywoodiano.

Gonzaga deseja edificar o “verdadeiro cinema brasileiro”, criando uma arte nova e legítima, apresentando ao mundo as “grandiosidades” do Brasil. Quer combater o colonialismo cultural num país onde o público prefere filmes estrangeiros, especialmente norte-americanos. Acredita que fazendo bons filmes, as pessoas vão encher os cinemas para ver películas brasileiras.

O começo é animador. Gonzaga reúne talentos como Humberto Mauro e Otávio Gabus Mendes (1906-1946). Mauro dirige o primeiro filme da companhia, Lábios sem Beijos (1930), um drama cheio de paixões, ciúmes e mal-entendidos envolvendo uma jovem rica, o rapaz que a conquista e a irmã dela.

Em 1931, a Cinédia lança Limite, único filme do diretor de cinema Mário Peixoto (1908-1992), que faz um retrato existencial de três personagens num barco à deriva, que sentem que suas vidas chegaram ao limite. Título mudo de quase duas horas, sem apelo comercial, não rende dividendos imediatos à produtora. Mas depois vira cult, a ponto de se tornar líder do ranking dos cem melhores filmes brasileiros de todos os tempos da Associação Brasileira de Críticos de Cinema (Abraccine).

Anos depois, a companhia lança outro drama popular de Humberto Mauro, Ganga Bruta (1933), uma história trágica e cheia de intrigas, em que o protagonista mata a mulher na noite de núpcias ao descobrir que ela não é virgem. O filme fracassa na época, em termos de público e crítica, mas posteriormente se torna clássico e também entra na lista da Abraccine. Ganga Bruta é idealizado para ser mudo, mas os planos mudam durante a produção e são inseridas vozes gravadas. O cinema falado ganha popularidade na época, o que obriga a Cinédia a repensar sua estratégia. 

Outra concessão ocorre no gênero das produções, pois para poder financiar títulos “sérios”, a empresa percebe que o jeito é lançar também filmes carnavalescos, que geram mais lucros às produtoras. Gonzaga se rende ao filme sonoro e à cultura popular carioca, produzindo e dirigindo películas como Alô, Alô Carnaval (1936), um grande encontro de astros musicais como Carmen Miranda (1909-1955), Aurora Miranda (1915-2005) e Almirante (1908-1980), num documento completo sobre a música popular brasileira (MPB) dos anos 1930. 

Com as comédias musicais, as pessoas começam a prestigiar filmes brasileiros no cinema, para ver o rosto dos artistas que costumam escutar no rádio e na vitrola. Nesse tipo de filme, o atrativo não é a narração de uma trama, mas a apresentação de cantores, com seus sucessos musicais mais recentes, e de comediantes. O gênero é considerado o antecessor da chanchada.

Nessa toada, a Cinédia lidera a produção cinematográfica no Rio de Janeiro e no Brasil na década de 1930. Mas a situação se complica. Pureza (1941), do diretor de cinema português Chianca de Garcia (1898-1983), é uma produção ambiciosa, estrelada pelo ator Procópio Ferreira (1898-1979) e com inúmeros cenários recriados em estúdio, como uma estação de trem. Esse título esgota os recursos da companhia, que interrompe as produções momentaneamente.

A Cinédia enfrenta diversas crises pontuais e uma dificuldade crônica com a distribuição dos filmes. Apesar do sucesso das comédias musicais, o que garante a sustentabilidade da empresa por duas décadas são os documentários encomendados pelo governo e as produções rápidas e baratas.

Mas o que fica para a posteridade são os longas de ficção, como o melodrama O Ébrio (1946), em que Gilda de Abreu (1904-1979) dirige seu marido, o ator Vicente Celestino (1894-1968), na saga de um homem do interior desamparado que chega à cidade e vira cantor de sucesso. Embora a crítica aponte excesso de sentimentalismo e falta de profundidade dramática, é o maior sucesso do cinema brasileiro nos anos 1940, superando qualquer película dos Estados Unidos, e é até hoje uma das maiores bilheterias do país.

O Ébrio estimula a Cinédia a investir em títulos para consumo popular. Mas o filme seguinte de Gilda de Abreu, Pinguinho de Gente (1949), sobre uma menina pobre que sonha com uma boneca que a mãe não pode lhe dar, tem péssima recepção do público, o que agrava a crise da produtora, obrigando Gonzaga a fechar as portas definitivamente em 1951. 

Com ampla produção em duas décadas de atividade, a Cinédia representa um sonho industrial de qualidade, um ideal de modernidade e nacionalismo, um projeto pioneiro que deixa um legado importante para o cinema brasileiro.

Fontes de pesquisa 5

Abrir módulo

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: