Artigo da seção instituições Casa de Cultura Digital

Casa de Cultura Digital

Artigo da seção instituições
 

Histórico

A Casa da Cultura Digital é um projeto que propõe reunir pessoas, grupos e empresas com interesses afins e complementares. Trata-se de uma plataforma para troca de ideias e um espaço de convergência, físico e virtual, para atividades relacionadas à comunicação e à cultura. Tem como objetivo desenvolver estratégias de comunicação, digital e em rede, que colaborem com o exercício da cidadania.

Pela proposta descentralizada, a Casa da Cultura Digital é pioneira em sediar um espaço coletivo para livre circulação de pensamento, projetos e pessoas interessadas na transformação da sociedade por meio da tecnologia digital. Esse modelo de operação é difundido nacionalmente e obtém êxito, influenciando a criação de empreitadas similares em Santos (São Paulo), Porto Alegre (Rio Grande do Sul), Vila Velha (Espírito Santo), Campinas (São Paulo) e Belém (Pará).

O tipo de trabalho proposto é de coworking, isto é, compartilhamento de espaço e recursos. Esse modelo oferece a grupos ou profissionais autônomos a possibilidade de gerarem ideias e negócios, incrementando o convívio e o relacionamento interpessoal. Os custos operacionais são divididos entre as pessoas ou empresas que sublocam as salas.

O projeto conta com o incentivo do Ministério da Cultura, sob a gestão de Gilberto Gil (1942), condizente com as políticas de inclusão articuladas pelo governo federal da época. Segundo o ministro:

[...] o uso pleno da internet e do software livre cria fantásticas possibilidades de democratizar os acessos à informação e ao conhecimento, maximizar os potenciais dos bens e serviços culturais, amplificar os valores que formam o nosso repertório comum e, portanto, a nossa cultura, e potencializar também a produção cultural, criando inclusive novas formas de arte1.

Criada em 2009, a Casa da Cultura Digital funciona em São Paulo até 2013. Ocupa uma casa de vila dos anos 1930, no bairro paulistano da Barra Funda2. A atuação, física e digital, abrange projetos culturais e tecnológicos, como organizações não governamentais, coletivos, empresas ligadas a tecnologia, transmídia, audiovisual e jornalismo multimídia. Entre outras iniciativas, contempla propostas sociais e com foco em empreendedorismo.

Apesar de fixar endereço físico em junho de 2009, a Casa da Cultura Digital é inaugurada oficialmente em janeiro de 2010. Utiliza como logotipo a imagem de uma gárgula (elemento arquitetônico presente na vila onde a casa está instalada), com uma saída USB no lugar do rabo, símbolo que representa a associação criativa entre tradição cultural e inovação digital.

O nascimento do projeto está ligado à articulação política do produtor cultural Cláudio Prado (1942), coordenador da Ação de Cultura Digital da Secretaria de Programas e Projetos do Ministério da Cultura, entre 2004 e 2008. Ele percebe a necessidade de interface entre a sociedade civil e o poder público. Seu histórico de ativista cultural garante a aproximação com o advogado americano Lawrence Lessig (1961), criador do projeto Creative Commons3. Lessig e a Casa partilham as mesmas ideias sobre internet e distribuição de bens culturais de maneira livre.

A primeira geração fundante da Casa tem como membros Andre Deak (1979), jornalista, mestre em Comunicação com pesquisa orientada para jornalismo na internet; Rodrigo Savazoni (1981), jornalista, com mestrado em Ciências Sociais; e Gabriela Augustini (1985), também jornalista, com experiência em cultura digital e inovação social. Entre as atividades realizadas nos cinco anos de existência da Casa, está a primeira maratona de desenvolvimento, chamada hackathon, na qual programadores e especialistas em Tecnologia da Informação unem-se para explorar códigos e sistemas lógicos e desenvolver projetos digitais. Outras iniciativas incluem os projetos Mapa da Cachaça, Arte Fora do Museu, Produção Cultural no Brasil, Cultura Digital.Br, Transparência Hacker, Ônibus Hacker.

O Fórum da Cultura Digital Brasileira é um dos mais importantes eventos organizados durante o período de existência da Casa. É realizado em 2009 e 2010, na Cinemateca Brasileira, em São Paulo, e também via internet, por uma plataforma digital que possibilita o debate. Em conjunto com o Ministério da Cultura, fomenta a discussão sobre políticas públicas, com participação de grupos envolvidos em experimentações e práticas digitais. Além disso, serve para agrupar condutas e parâmetros referenciais como propostas de medidas para o Governo Federal. Entre as questões em pauta, estão a dificuldade de renovação dos processos inerentes à produção cultural e as posições de governo e mercado frente aos desafios propostos pela transformação digital em curso.

A rede cultivada pela Casa da Cultura Digital abriga o debate em um período seminal, em que a tecnologia acomoda a comunicação abundante, e seus membros, atuantes como agenciadores e disseminadores culturais, com uma visão otimista, contribuem para a ampliação de experimentações.

Notas

1 Apud AGUSTINI, Gabriela; COSTA, Eliane (Orgs.). De Baixo para Cima. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2014. p. 209. Discurso feito por Gilberto Gil, em aula magna na Universidade de São Paulo, em 2004.

2 O endereço da Casa de Cultura Digital até 2013 é Rua Vitorino Carmilo, 453, Barra Funda, São Paulo.

3 Creative Commons são licenças idealizadas para flexibilizar os direitos patrimoniais (copyright) e facilitar a distribuição e a reprodução de conteúdos culturais.

Fontes de pesquisa (3)

  • AGUSTINI, Gabriela; COSTA, Eliane (Orgs.). De Baixo para Cima. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2014.
  • CASA da Cultura Digital; Rede//labs. Vídeo de divulgação. Produção Filmes para Bailar, São Paulo, 2012. Disponivel em: < https://vimeo.com/44887305  >. Acesso em: out. 2016.
  • SCHMIDT, Sarah C. Casa da Cultura Digital: reflexões e ideias que circulam entre Trabalho, Cultura e Ideologia. Campinas, 2015. Dissertação (Mestrado em Divulgação Científica e Cultural) - Instituto de Estudos da Linguagem da Universidade Estadual de Campinas, 2015.

Como citar?

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

  • CASA de Cultura Digital. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2020. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/instituicao636776/casa-de-cultura-digital>. Acesso em: 29 de Mar. 2020. Verbete da Enciclopédia.
    ISBN: 978-85-7979-060-7