Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.

Enciclopédia Itaú Cultural
Cinema

Embrafilme

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 13.01.2021
12.09.1969
16.03.1990
A Empresa Brasileira de Filmes Sociedade Anônima (Embrafilme), é uma empresa estatal, ativa entre 1969 e 1990, que desempenha papel fundamental para a produção e difusão do cinema no Brasil nas décadas de 1970 e 1980.

Texto

Abrir módulo

A Empresa Brasileira de Filmes Sociedade Anônima (Embrafilme), é uma empresa estatal, ativa entre 1969 e 1990, que desempenha papel fundamental para a produção e difusão do cinema no Brasil nas décadas de 1970 e 1980.

A política do Estado brasileiro para o cinema tem raízes no Estado Novo (1937-1945), quando é criado o Instituto Nacional de Cinema Educativo. Durante o governo democrático de Getúlio Vargas (1882-1954), no início da década de 1950, tramita no Congresso o projeto do Instituto Nacional de Cinema (INC), elaborado por uma comissão liderada pelo diretor de cinema Alberto Cavalcanti (1897-1982). Há iniciativas de debater o cinema nacional e diagnosticar a realidade brasileira, como os congressos realizados no início da década e as diversas comissões municipais e federais dedicadas à área1, mas nenhuma delas consegue efetivamente estruturar o setor cinematográfico.

O INC é fundado em 1966. Apesar de subordinado ao Ministério da Educação e Cultura, conta com autonomia técnica e administrativa. Seu objetivo é promover e estimular o cinema nacional e formular a política governamental para a produção, importação, distribuição e exibição no país, sem impor limites à presença do cinema estrangeiro, mas procurando fortalecer a indústria local2. A atuação do INC é caracterizada por seus dirigentes como meramente operacional, sem alinhamentos políticos. Não obstante, sua criação é vista de modo crítico por cineastas, como os identificados com o cinema novo, e também por exibidores, que temem a ingerência do Estado na iniciativa privada.

Com a criação da Embrafilme, os recursos do INC são a ela transferidos e suas funções são gradualmente absorvidas por ela, até a extinção do INC, em 1975.

Segundo o Decreto-Lei nº 862, de 12 de setembro de 1969, o objetivo da Embrafilme é:

 

[...] a distribuição de filmes no exterior, sua promoção, realização de mostras e apresentações em festivais, visando à difusão do filme brasileiro em seus aspectos culturais artísticos e científicos, como órgão de cooperação com o INC, podendo exercer atividades comerciais ou industriais relacionadas com o objeto principal de sua atividade.3

 

Assim, a atuação inicial da Embrafilme se concentra na difusão e no apoio ao INC. Essa primeira fase, de 1969 a 1973, é marcada pela convivência do fomento à difusão cinematográfica com a censura dos anos de chumbo. No total, 83 longas-metragens recebem apoio da Embrafilme de 1970 a 1973. Em 1973, a Embrafilme passa a operar também como distribuidora comercial. São Bernardo (1972), do diretor de cinema Leon Hirszman (1937-1987), primeiro filme comercializado pela Embrafilme, materializa o paradoxo da relação entre cinema e Estado no período: o filme fica retido na censura por mais de sete meses, e leva sua produtora, a Saga Filmes, à falência.

Em 1974, o diretor de cinema Roberto Farias (1932-2018) assume a direção-geral da Embrafilme, o que contribui para aproximá-la da classe cinematográfica, incluindo o grupo do cinema novo. Farias implanta um novo modelo de coprodução, em que a Embrafilme assume o risco dos investimentos, com novas modalidades de financiamento das produções (além dos juros subsidiados, passa a financiar até 30% da obra e participar da renda com ela obtida). Outro fator que estimula a circulação dos filmes nacionais no período é o aumento, de 84 para 140, do número de dias de exibição de filmes nacionais no circuito comercial determinado pela Lei da Cota de Tela.

Com a criação do Conselho Nacional de Cinema (Concine), em 1976, e a consequente regulamentação e fiscalização do circuito exibidor, têm início desgastes com exibidores nacionais e distribuidoras estrangeiras. No mesmo ano, Dona Flor e seus Dois Maridos, de Bruno Barreto (1955), supera a marca de 10 milhões de espectadores, permanecendo como a maior bilheteria do cinema brasileiro até 2010. Em 1978, o número anual de espectadores do cinema nacional chega a 61 milhões, e a ocupação da produção nacional no mercado cinematográfico chega a 35% em 1980.

O cinema promovido pela Embrafilme é visto como o promotor da cultura, de valores, personagens e fatos históricos nacionais, provocando, como reação, a adesão à estética marginal, alinhada à produção da Boca do Lixo paulistana, com seus filmes eróticos e de baixo orçamento.

A diminuição do poder de investimento do Estado com a crise do petróleo, o avanço do domínio norte-americano nos mercados latino-americanos e a dolarização das atividades cinematográficas no país são alguns dos fatores econômicos que contribuem para o declínio da Embrafilme. Em termos políticos, o esvaziamento da empresa é marcado pela produção de Prá Frente, Brasil (1982), de Roberto Farias, filme que traça paralelos entre a violência do Estado contra os opositores do regime militar e a propaganda nacionalista em torno da campanha vitoriosa do Brasil na Copa do Mundo de 1970. 

Com os desgastes ocorridos no período dos militares, e a perda de espaço que marca a década de 19804, a Embrafilme é extinta em março de 1990 pelo governo Collor (1990-1992).

A Embrafilme concretiza o projeto nacional-desenvolvimentista de estruturação da indústria cinematográfica, com a intervenção estatal equacionando os interesses de produtores, distribuidores e exibidores nacionais e estrangeiros. Sua atuação, marcada pelas contradições vividas na ditadura militar, possibilita uma forte presença do cinema nacional no circuito exibidor do país, sobretudo entre 1975 e o início da década de 1980.

 

Notas:

1. Pode-se citar a Comissão Municipal de Cinema (CMC) em São Paulo, em 1955; a Comissão Federal de Cinema, de 1956, que se torna Grupo de Estudos da Indústria Cinematográfica (GEIC) em 1958; o Grupo Executivo da Indústria Cinematográfica (Geicine), em 1961; e a Comissão de Auxílio à Indústria Cinematográfica (CAIC), em 1963.

2. O INC teve importante atuação na regulamentação do mercado cinematográfico brasileiro, estabelecendo procedimentos de estatística e cadastramento de empresas e sua fiscalização, além de dar mais consistência à política de fomento ao filme educativo e ao longa-metragem. Uma alteração na Lei da Remessa de Lucro determinou que empresas estrangeiras de distribuição pagassem 40% do imposto devido ao Instituto.

3. Cf.: BRASIL. CASA CIVIL. Decreto-lei nº 862, de 12 de setembro de 1969. Autoriza a criação da Emprêsa Brasileira de Filmes Sociedade Anônima (EMBRAFILME), e dá outras providências. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 12 set. 1969. 

4. Segundo Roberto Farias, “Quando voltamos ao regime democrático, a influência do cinema estrangeiro passou a ser muito mais forte. A indústria de liminares favoreceu o cinema estrangeiro contra o cinema brasileiro. Questionaram na Justiça os recursos da Embrafilme, a cota de tela, o ingresso padronizado, enfim..., fecharam o cerco em torno da empresa. E asfixiando a Embrafilme, impedindo-a de dispor dos recursos para o desenvolvimento do cinema brasileiro, o nosso concorrente ficou muito mais livre, mais forte, à vontade para esmagar o filme brasileiro”. (SIMIS, Anita. Celso Furtado. Cultura e política cinematográfica. In: Chasqui. Revista Latinoamericana de Comunicación, Quito, n. 132, ago./nov. 2016, p. 106.)

Fontes de pesquisa 10

Abrir módulo

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: