Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Foto Clube Brasileiro

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 28.12.2018
1923 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
O Foto Clube Brasileiro é uma associação de fotógrafos criada no Rio de Janeiro, em 1923, por um grupo de amadores que se reúnem para debater as relações entre arte e fotografia, juntamente com sócios do Photo Club do Rio de Janeiro, inaugurado em 1910. Segundo a pesquisadora Maria Teresa Bandeira de Mello, trata-se do primeiro clube de fotógraf...

Texto

Abrir módulo

Histórico

O Foto Clube Brasileiro é uma associação de fotógrafos criada no Rio de Janeiro, em 1923, por um grupo de amadores que se reúnem para debater as relações entre arte e fotografia, juntamente com sócios do Photo Club do Rio de Janeiro, inaugurado em 1910. Segundo a pesquisadora Maria Teresa Bandeira de Mello, trata-se do primeiro clube de fotógrafos efetivamente organizado no Brasil: promove exposições, cursos teóricos e práticos, debates, concursos, excursões, salões e a publicação das revistas Photo Revista do Brasil e Photogramma. Além disso, mantém correspondência com sociedades internacionais, funcionando como uma instituição divulgadora de novidades técnicas e estéticas. Até o fim dos anos 1940, exerce papel fundamental na difusão da idéia de fotografia como arte.1

Nas duas primeiras décadas do século XX, a produção fotográfica no país é praticamente restrita a estúdios especializados em retratos oficiais, festas de família e álbuns de paisagem. Inicia-se a comercialização de equipamentos e procedimentos químicos que facilitam a prática fotográfica de amadores. Nesse contexto, o Foto Clube Brasileiro passa a funcionar conforme os moldes do fotoclubismo europeu, em que predomina a prática do pictorialismo. Como havia ocorrido em centros urbanos como Paris e Londres, no fim do século XIX, a intenção dos associados é defender o estatuto artístico da fotografia. Reagem contra a industrialização dos processos, pois consideram que a popularização da fotografia provoca sua banalização. Para os pictorialistas, é preciso afastá-la de suas características de imagem mecânica e objetiva. Empregam técnicas manuais na cópia ou no negativo com a intenção de eliminar a nitidez da imagem fotográfica, conferindo-lhe uma aparência de desenho ou gravura. O bromóleo, a goma bicromatada e o flou2 são os métodos mais conhecidos. Sua noção de fotografia artística se baseia na idéia de obra única e expressão subjetiva.

O Foto Clube Brasileiro reúne profissionais e amadores, entre os quais se destacam Fernando Guerra Duval, Alberto Friedmann, João Nogueira Borges e Hermínia Borges (1894 - ca.1989). De modo geral, a produção é pautada por temas e regras de composição características da pintura ensinada na Escola Nacional de Belas Artes - Enba, seus associados registram cenas de gênero, retratos, paisagens, naturezas-mortas e nus e, na organização do quadro, buscam o equilíbrio entre as formas e as áreas de luz e sombra.

De acordo com Bandeira de Mello, mesmo com a preponderância do pictorialismo, surgem, entre os sócios, divergências sobre a natureza das intervenções do fotógrafo na cópia, bem como a respeito do recurso de desfocalização. Dividem-se entre os que defendem técnicas de intervenção manual e os que propõem o uso de recursos exclusivamente fotográficos. O debate é polarizado pelos sócios Duval e Friedmann. O primeiro manifesta-se contra o automatismo técnico e em prol da aproximação entre fotografia e pintura. O segundo argumenta a favor da preservação da expressão artística por meio da exploração criativa de qualidades fotográficas específicas, com atenção especial para os efeitos da luz sobre o negativo.

Publicada entre 1926 e 1931, Photogramma é a única revista em português dedicada exclusivamente à divulgação de assuntos fotográficos. Conforme o editorial da primeira edição, seu objetivo é difundir a fotografia como uma das belas-artes.3 Com a maior parte dos textos redigida pelos membros do Foto Clube Brasileiro, publica artigos técnicos sobre o uso de materiais, equipamentos e processos químicos, bem como sobre regras de composição, enquadramento, iluminação etc. Os textos teóricos discutem, sobretudo, o caráter artístico da fotografia, refletem sobre a subjetividade e a objetividade dos processos e a respeito da relação entre fotografia e outras artes, principalmente a pintura. Há uma seção voltada para o exercício crítico, na qual os redatores julgam e comentam a qualidade técnica e estética de imagens expostas em mostras e concursos organizados pela associação. Divulga ainda notícias sobre as atividades internas do clube, resoluções da diretoria e a entrada de novos sócios.

Quando a publicação da Photogramma é interrompida, em 1931, as imagens dos sócios e os informes do Foto Clube Brasileiro passam a ser divulgados em periódicos cariocas como O Globo, Beira-Mar, Revista da Semana, Careta, O Cruzeiro e Revista de Copacabana. E os clubistas fornecem imagens para ilustrar as páginas e capas desses veículos. Entre as colaborações, destaca-se o trabalho na revista O Cruzeiro, que entre 1928 e 1932, não emprega fotógrafos, publicando amplamente a produção dos fotógrafos clubistas. Além disso, os sócios organizam concursos fotográficos promovidos pela revista e julgam os trabalhos dos concorrentes. Por isso, nesses anos iniciais, as imagens de O Cruzeiro apresentam uma estética pictorialista.

Entre as atividades do Foto Clube Brasileiro, destaca-se ainda a organização e patrocínio de um programa semanal na Rádio Sociedade Guanabara, entre 1948 e 1949. Chamado Luz e Sombra, é um curso básico de fotografia apresentado por Nogueira Borges, presidente da associação. Os eventos do Foto Clube Brasileiro começam a perder prestígio no fim dos anos 1940, quando o Foto Cine Clube Bandeirantes - FCCB, sediado em São Paulo, expande suas atividades e passa a divulgar uma estética modernista identificada com movimentos internacionais como a straight photography e a nova visão.

Notas

1 MELLO, Maria Teresa Bandeira de. Arte e fotografia: o movimento pictorialista no Brasil. Rio de Janeiro: Funarte, 1998. (Luz & reflexão, 7)., p. 68.

2 Efeito de perda de nitidez provocado pela difusão da luz.

3 MELLO, Maria Teresa Bandeira de. op. cit, p. 71.

Exposições 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 1

Abrir módulo
  • MELLO, Maria Teresa Bandeira de. Arte e fotografia: o movimento pictorialista no Brasil. Rio de Janeiro: Funarte, 1998. (Luz & reflexão, 7).

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: