Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.

Enciclopédia Itaú Cultural

Parque Ibirapuera

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 07.11.2017
1951 Brasil / São Paulo / São Paulo
A convite do industrial Ciccillo Matarazzo (1898-1977), o arquiteto Oscar Niemeyer (1907-2012) elabora, em 1951, o anteprojeto para o complexo do Parque do Ibirapuera em São Paulo, em associação com os arquitetos Hélio Uchôa, Zenon Lutofo e Eduardo Kneese de Mello (1906-1994). A ideia do parque surge como uma forma de recuperação de imensos e va...

Texto

Abrir módulo

Histórico

A convite do industrial Ciccillo Matarazzo (1898-1977), o arquiteto Oscar Niemeyer (1907-2012) elabora, em 1951, o anteprojeto para o complexo do Parque do Ibirapuera em São Paulo, em associação com os arquitetos Hélio Uchôa, Zenon Lutofo e Eduardo Kneese de Mello (1906-1994). A ideia do parque surge como uma forma de recuperação de imensos e vagos terrenos de mangue, nos quais seriam construídos pavilhões para exposições permanentes e temporárias, além de outros edifícios administrativos, a fim de marcar as comemorações do IV Centenário da cidade de São Paulo em 1954. Após um certo número de modificações, é aprovado o projeto definitivo que não chega a ser completamente realizado, faltando construir o auditório que foi iniciado apenas em 2004.

O complexo arquitetônico do Parque do Ibirapuera é formado por cinco prédios, interligados por uma ampla marquise. Na produção de Niemeyer, o projeto configura-se como a primeira tentativa, em matéria de criação, de um vasto conjunto monumental. Além disso, ele sintetiza os três componentes de seu estilo arquitetônico antes de sua fase de amadurecimento, a partir de 1955: pesquisas estruturais dinâmicas, exploração de formas livres e o jogo de volumes puros, muitas vezes em contraste, mas equilibrando-se mutuamente.

Neste sentido, a forma livre da marquise de concreto armado, de traços sinuosos e curvas caprichosas, é apontada como o elemento de base da composição. Além de servir de elo entre os edifícios, a plástica e a disposição desses foram pensadas a partir desse elemento central. Sua forma de linhas fluidas oferece uma perspectiva dinâmica em contraste com a estabilidade dos pavilhões; esses, por sua vez, estão em grande equilíbrio arquitetônico, sendo que a originalidade plástica de uns é compensada pela massa maior, porém mais clássica, de outros. No projeto nenhum pavilhão sobressai aos demais e todos existem em função do todo.

Os Palácios das Nações e dos Estados (1951) - que abrigaram por longo tempo as instalações da Prefeitura do Município de São Paulo - foram destinados originalmente a exposições de artes plásticas, sendo que as Bienais Internacionais de São Paulo de 1953 e 1955 foram realizadas ali. São caracterizados pela simplicidade e leveza, para as quais os suportes desempenham papel essencial. As colunas e consolos criados por Niemeyer como sustentação da massa de concreto remetem conscientemente a um ramo nascendo do tronco.

No Palácio das Indústrias (1953; atual sede da Fundação Bienal de São Paulo e do Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo - MAC/USP), o esquema geral praticamente se repete: um bloco retangular de vidro e concreto sustentado por colunas. Contudo, por ter sido originalmente destinado a exposições de máquinas e produtos industriais, é bem maior do que os dois primeiros. Esse pavilhão cobre uma área de 250 x 50m, construído sobre um terreno inclinado que permite um pé-direito, em uma das extremidades do andar térreo, de 8,6m. A comunicação entre os andares é feita por escadas rolantes e rampas externas e internas. Essas rampas constituem elementos arquitetônicos de indiscutível valor estético. Elas formam um jogo contrastante com a sobriedade e simplicidade do exterior e atribuem ao interior do edifício um caráter imaginativo e espetacular, ao mesmo tempo em que dão movimento à massa estática geométrica de concreto e vidro.

O Palácio das Artes, atual OCA (1954), com sua forma que esférica emerge diretamente do chão, contribui para o jogo de volumes no conjunto monumental. Em sua origem, o local é projetado para abrigar exposições de escultura. O aspecto monolítico do exterior é contrabalançado pelas rampas internas em forma de ferradura que conectam os quatro andares do edifício e proporcionam perspectivas cambiantes do espaço. Nota-se, no entanto, que o traçado extravagante desse edifício deveria ser equilibrado pela construção anexa do auditório em prisma triangular de aspecto aerodinâmico.

O último edifício a ser realizado, e que hoje se encontra fora do parque do Ibirapuera, é o Palácio da Agricultura (1955, atual sede do Detran-SP). Bem mais alto do que os outros, o edifício de sete andares segue o desenho dos três primeiros pavilhões. O destaque arquitetônico fica por conta dos pilotis em forma de "V", cujo valor estético deve-se às suas proporções exatas em oposição dinâmica ao retângulo puro que os encima.

Espetáculos 4

Abrir módulo

Exposições 1

Abrir módulo

Instalações 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 4

Abrir módulo
  • BRUAND, Yves. Arquitetura Contemporânea no Brasil. Tradução Ana M. Goldberger. 3. ed. São Paulo: Perspectiva, 1999.
  • CAVALCANTI, Lauro. Quando o Brasil era moderno: Guia de Arquitetura 1928-1960. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2001.
  • MINDLIN, Henrique. Arquitetura moderna no Brasil. Rio de Janeiro: Aeroplano, 1999.
  • PETIT, Jean. Niemeyer: poeta na arquitetura. S.l.: Fidia Edizione d'Arte, c.1995.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: