Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Teatro

Galpão Cine Horto

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Data/Local1998 - Belo Horizonte MG

Texto

Abrir módulo

Data/Local
1998 - Belo Horizonte MG

Histórico
Criado pelo Grupo Galpão em 1998, o Galpão Cine Horto é um centro cultural especializado em teatro, cujas atividades fundamentam-se no modelo de atuação do teatro de grupo. Propõe-se a desenvolver, de forma continuada, ações de fomento, formação, pesquisa, criação, compartilhamento de conhecimento e difusão teatral.

Após sair da coordenação do Festival Internacional de Teatro Palco & Rua de Belo Horizonte -  FIT/BH, principal atividade extraespetáculo desenvolvida pelo Grupo Galpão entre 1990 e 1994, o elenco decide transformar em espaço cultural um cinema desativado, situado a um quarteirão da sede do grupo, na região leste de Belo Horizonte. Essa iniciativa resgata a relação do prédio com a cultura, promove a revitalização do seu entorno, reinsere o espaço na vida cultural da cidade, e estimula a descentralização da programação artístico-cultural, até então concentrada no eixo centro-sul.

Ao ocupar o prédio do Cine Horto, o Grupo Galpão tem alguns objetivos: contribuir para a qualificação dos artistas de teatro da cidade, investindo em ações de formação e criação artística; criar oportunidades de troca entre os profissionais de teatro; e gerar espaços de experimentação. O processo de implantação do Galpão Cine Horto inicia-se com um encontro de artistas convidados a pensar um projeto para o local, configurando, desde então, uma vocação para aglutinar pessoas em torno do teatro.

Definido o foco de atuação da casa - o teatro fundamentado na experiência de grupo -, delineiam-se as atividades, sob a coordenação geral de Chico Pelúcio. A primeira proposta vai ao encontro dos objetivos do grupo e tenta suprir uma carência latente na cidade: a de iniciativas voltadas para o aperfeiçoamento de atores profissionais. Daí nasce o principal projeto da casa, o Oficinão, que se estrutura em torno de um processo de pesquisa com duração de um ano e que culmina na montagem de um espetáculo. A cada ano, o Oficinão trabalha em torno de um tema. Já foram escolhidos, por exemplo, a tragédia grega, o melodrama e a cultura popular.

O primeiro Oficinão, de 1998, pesquisa as comédias de Shakespeare e produz, com direção de Chico Pelúcio, o espetáculo Noite de Reis, que faz referência à cultura popular do norte de Minas Gerais. Essa primeira montagem é indicada pelo jornal Estado de Minas como um dos melhores espetáculos do ano e traz a marca do trabalho coletivo e da pesquisa que, aos poucos, define para o público o perfil de atuação do Galpão Cine Horto, fundamentado na pesquisa sobre o trabalho do ator. 

Atores do Grupo Galpão, como Júlio Maciel, Eduardo Moreira e Lydia Del Picchia se revezam na direção dos espetáculos até 2005, quando o grupo passa a convidar outros profissionais para essa função. É o caso de  Marcelo Bones - do Grupo Teatro Andante -, que dirige Estado de Sítio em 2005; e de Fernando Mencarelli e Rodrigo Campos, que assinam a direção do espetáculo Quando o Peixe Salta, montado pela turma de 2006. No ano de 2007, a edição comemorativa dos dez anos do projeto é coordenada conjuntamente por Tiche Vianna, Francisco Medeiros e Luís Alberto de Abreu. O projeto ganha um novo formato em 2008, o Oficinão Residência, no qual são selecionados não somente os atores, mas também um diretor e uma proposta artística. A primeira diretora que assume o projeto nesse novo formato é a brasiliense Kênia Dias, que realiza o espetáculo ArriscaMundo.

No segundo ano de existência, paralelamente à ênfase no aperfeiçoamento de profissionais, o Galpão Cine Horto inicia ações destinadas a incrementar a atividade teatral na cidade e gerar novas oportunidades de trabalho. Assim, em 1999, como um prolongamento do Oficinão, abre-se a Oficina de Direção Teatral, coordenada por Aderbal Freire-Filho, e a Oficina de Dramaturgia, coordenada por Luís Alberto de Abreu, que introduz a metodologia do processo colaborativo de criação no contexto do Galpão Cine Horto, e marca o início de um fértil ciclo de produção dramatúrgica original na cidade de Belo Horizonte. O projeto forma dramaturgos que interagem com o Oficinão e com as demais iniciativas da casa. O primeiro resultado é o texto dramático do espetáculo Caixa Postal 1500, montado pela segunda turma do Oficinão, que faz uma leitura crítica dos 500 anos de descobrimento do Brasil.

Em 2000, destaca-se a primeira edição do Festival de Cenas Curtas, projeto de fomento à experimentação e à produção artística que, desde o início, exerce um grande impacto sobre os estudantes e profissionais de teatro da cidade. O festival gera um ambiente de efervescência criativa e projeta-se como o principal espaço de experimentação de linguagens em Belo Horizonte, sendo responsável pelo surgimento de grupos de destaque no contexto local e nacional como o Grupo Espanca! e a Cia. Clara.

A partir desse ano, quando o Galpão Cine Horto já ocupa um espaço diferenciado no cenário de Belo Horizonte, seu investimento se amplia para ações e projetos cujo principal foco é a formação do ator, do diretor e do dramaturgo sob a perspectiva do processo colaborativo, da pesquisa e da continuidade de trabalho. Assim é pensado o projeto Sabadão, que promove palestras e debates sobre teatro em geral, abordando temas como o teatro de Kathakali, a dramaturgia do ator e o pensamento de Stanislavski, Antonin Artaud e Brecht.

Com uma proposta de intercâmbio e de fomento à circulação de espetáculos, é criado em 2001 o projeto Galpão Convida, que desloca para Belo Horizonte grupos que têm trajetória relevante na cena nacional e um trabalho de caráter pouco comercial, que dificilmente seria apresentado na cidade sem apoio institucional. Figuram entre os convidados: Parlapatões, Patifes & Paspalhões, Companhia do Latão, Companhia Teatro Balagan, ACT-Ateliê de Criação Teatral de Curitiba, Armazém Companhia de Teatro e Barracão Teatro.

A preocupação com a formação de público tem lugar entre os projetos da casa, expressa tanto no sentido de ampliar plateias para o teatro quanto no de educar para a fruição estética. Assim, o projeto Conexão Galpão, com dois programas, o Conexão Cinema e o Conexão Teatro, destina-se a contar para crianças do ensino fundamental - por meio de intervenções cênicas, exibição de filmes e espetáculos - a história do cinema, de Belo Horizonte e da evolução da linguagem teatral. O projeto atende cerca de 5 mil crianças por ano.

Como um prolongamento das oficinas de direção teatral e dramaturgia, inicia-se em 2003 o projeto Cena 3x4, que propõe investigar mais profundamente, ao longo de três anos, a metodologia do processo colaborativo de criação. Luís Alberto de Abreu continua a supervisionar os dramaturgos. A coordenação do trabalho dos diretores inicia-se com Antônio Araújo, passando para Francisco Medeiros em 2004, quando então a diretora Tiche Vianna assume a orientação dos atores. O projeto possibilita a montagem de espetáculos como Tabu, do Grupo Trama; Parabéns pra Você, da Cia. Luna Lunera; Arena de Tolos, da Cia Acômica, entre outros.

Em 2004, a proposta de compartilhamento de conhecimento e experiências no campo do teatro, que pauta desde o início a atuação da casa, resulta no 1º Redemoinho - Encontro Brasileiro de Espaços de Criação, Compartilhamento e Pesquisa Teatral. Esse encontro, de abrangência nacional, dá origem à Rede Redemoinho, grupo de discussão e colaboração que articula agentes culturais que trabalham com teatro em várias partes do Brasil.

Posteriormente, o Redemoinho se transforma em movimento político, voltado para o debate sobre as políticas públicas do país no campo do teatro. Paralelamente ao Encontro Redemoinho, e inicialmente vinculada ao evento, nasce a revista Subtexto, com artigos e entrevistas de pesquisadores e profissionais de teatro atuantes na cena nacional contemporânea. A revista é distribuída gratuitamente a grupos, escolas e espaços com perfil de pesquisa teatral.

Como mais uma ação voltada para difusão de informações sobre teatro, e com forte preocupação em preservar o conhecimento gerado em sete anos de intensa atuação, o Galpão Cine Horto implanta, em 2005, o Centro de Pesquisa e Memória do Teatro - CPMT, que reúne biblioteca e videoteca especializadas, com acervo de mais de 4 mil títulos à disposição do público. Além disso, desenvolve ações de tratamento e disseminação de informações e preservação da memória do Grupo Galpão e do centro cultural.

O espetáculo Quando o Peixe Salta, do Oficinão 2006, recebe os prêmios Usiminas/Sinparc de melhor espetáculo de teatro adulto, melhor direção, melhor atriz coadjuvante e ator revelação, no ano de 2007. Em 2008, é criado o selo Edições CPMT, com o objetivo de gerar e fomentar publicações especializadas na área.

O Galpão Cine Horto abriga em suas dependências um teatro multimeios, três salas de aulas, uma sala de cinema, um ateliê de figurinos, uma pequena oficina de cenotécnica, o CPMT e a reserva técnica do acervo de figurinos do Grupo Galpão.

Espetáculos 8

Abrir módulo

Eventos multiculturais 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 3

Abrir módulo
  • BOOK institucional Galpão Cine Horto - 10 Anos de Ação.
  • GALPÃO Cine Horto. Site oficial da instituição. Belo Horizonte. Disponível em: [http://www.galpaocinehorto.com.br]. Acesso em: novembro 2008.
  • RAMOS, Luciene Borges. Centros de Cultura, Espaços de Informação: um estudo sobre a ação do Galpão Cine Horto. Belo Horizonte: Argmentvm, 2008. 184 p. il. (Patrimônio, 1).

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: