Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Clube dos Artistas Modernos (CAM)

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 19.05.2017
24.11.1932 Brasil / São Paulo / São Paulo
O Clube dos Artistas Modernos - CAM é criado em 24 de novembro de 1932, um dia depois da fundação da Sociedade Pró - Arte Moderna - SPAM. As duas agremiações artísticas formadas na cidade de São Paulo expressam, antes de mais nada, o êxito do associativismo como estratégia de atuação dos artistas na vida cultural do país ao longo da década de 19...

Texto

Abrir módulo

Histórico

O Clube dos Artistas Modernos - CAM é criado em 24 de novembro de 1932, um dia depois da fundação da Sociedade Pró - Arte Moderna - SPAM. As duas agremiações artísticas formadas na cidade de São Paulo expressam, antes de mais nada, o êxito do associativismo como estratégia de atuação dos artistas na vida cultural do país ao longo da década de 1930. E sinalizam uma atitude de independência em relação às instituições existentes no período, por exemplo, a Escola Nacional de Belas Artes - Enba. Tributários das conquistas estéticas do modernismo, os grupos dialogam de formas distintas com esse legado recente. A Spam, capitaneada por Lasar Segall (1891 - 1957), tem como principais integrantes as figuras do primeiro modernismo, parecendo filiar-se mais diretamente aos organizadores da Semana de Arte Moderna de 1922. O CAM, por sua vez, liderado por Flávio de Carvalho (1899 - 1973), se afirma pela marcação de distâncias em relação à Spam, tentando fazer valer um tom mais autônomo, mais irreverente e "menos elitista" em suas atividades e realizações. Como afirma provocativamente Flávio de Carvalho: "Detestamos elites; não temos sócios doadores".

O primeiro andar do edifício da rua Pedro Lessa, 2 - na parte baixa do viaduto Santa Ifigênia -, é escolhido como a sede social do clube, local onde se realizam festas, concertos, exposições e palestras, e se encontram uma biblioteca e um bar. Não por acaso no mesmo prédio funcionam também os ateliês de Antonio Gomide (1895 - 1967), Carlos Prado (1908 - 1992) e Di Cavalcanti (1897 - 1976), parceiros na aventura de criação do CAM. A idéia de constituição do grupo surge no salão de chá do antigo Mappin, na praça do Patriarca, centro da cidade, lembra o historiador Paulo Mendes de Almeida, onde estavam, além dele e de Flávio de Carvalho, Arnaldo Barbosa (1902 - 1981) e Vittorio Gobbis (1894 - 1968). O espírito da associação é promover intercâmbios entre diversas artes, estimular debates, divulgar novas criações e defender os interesses da classe artística. Do conjunto de suas realizações depreendem-se um forte engajamento político e social, simpatias em relação à experiência soviética e a crítica cerrada ao Estado e à Igreja brasileiros. Mas tudo isso regado a festas e diversão. O dia da inauguração do CAM evidencia o caráter festivo e teatral que marca os eventos da entidade. Antonio Gomide, Carlos Prado, Di Cavalcanti e Flávio de Carvalho pintam grandes painéis que decoram o salão. A cantora Nair Duarte Nuque traz um imenso bolo que é degustado entre gritos e cânticos. Enquanto isso, o compositor Frank Smith serve vodca com pimenta aos convidados, provenientes dos mais diferentes setores da vida artística e intelectual do país. Essa diversificação de público e propósitos marca as atividades do CAM: exposições de arte - entre elas, uma mostra gráfica da expressionista alemã Käthe Kollwitz (1867-1945), e outra de cartazes russos -; recitais de música erudita e popular - concertos de Camargo Guarnieri (1907 - 1993), Lavínia Viotti, Elsie Houston e Marcelo Tupinambá -; conferências - de Caio Prado Jr. (1907 - 1990) recém-chegado da então União Soviética, de Jorge Amado (1912 - 2001) sobre a vida nas fazendas de cacau, de Tarsila do Amaral (1886 - 1973), sobre arte proletária, do mexicano David A. Siqueiros (1896 - 1974) etc.

O CAM, essa "invulgar instituição" como quer P. M. de Almeida, funciona como um espaço de encontro e de manifestações culturais, com grande vocação crítica e anárquica. Vocação, aliás, característica das atuações de Flávio de Carvalho. O tom anticlerical e de crítica aos valores burgueses orienta a encenação do Bailado do Deus Morto, em novembro de 1933, no CAM, primeiro espetáculo ligado ao Teatro da Experiência, concebido por Flávio de Carvalho como amplo e variado laboratório de pesquisas. O espetáculo, espécie de teatro-dança, combina tendência expressionista, elementos da tragédia clássica e efeitos plásticos na montagem, colocando ênfase mais na ação cênica que no texto dramático. Os atores - Hugo Adami (1899 - 1999), Carmem Melo, os sambistas Risoleta e Henricão, Guilhermina Gainor e Dirce de Lima - encenam uma narrativa alegórica que tematiza as relações dos homens com seus deuses. Após três exibições da peça, o teatro é fechado pela polícia. A censura e as dificuldades financeiras levam ao encerramento das atividades do CAM, no fim de 1933, a despeito das manifestações de apoio que recebem de artistas e intelectuais expressivos no momento.

Exposições 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 3

Abrir módulo
  • ALMEIDA, Paulo Mendes de. De Anita ao museu. São Paulo: Perspectiva : Diâmetros Empreendimentos, 1976. (Debates, 133).
  • OSORIO, Luiz Camillo. Flávio de Carvalho. São Paulo: Cosac & Naify, 2000. (Espaços da Arte Brasileira).
  • ZANINI, Walter (org.). História geral da arte no Brasil. São Paulo: Fundação Djalma Guimarães: Instituto Walther Moreira Salles, 1983. v. 1.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: