Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Associação de Artes Visuais Novas Tendências

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 28.04.2020
09.12.1963 Brasil / São Paulo / São Paulo
1965
A Associação de Artes Visuais Novas Tendências nasce em 1963. É uma entidade sem fins lucrativos  formada por artistas de diversas vertentes construtivas, com o objetivo de debater e fazer circular a arte de vanguarda.

Texto

Abrir módulo

Histórico
A Associação de Artes Visuais Novas Tendências nasce em 1963. É uma entidade sem fins lucrativos  formada por artistas de diversas vertentes construtivas, com o objetivo de debater e fazer circular a arte de vanguarda.

O início das atividades é marcado pela abertura da Galeria Novas Tendências, com a Coletiva Inaugural I. A Galeria NT, sede da associação, torna-se ponto de encontro dos artistas e impulsiona a organização de exposições.

Gerida como espécie de cooperativa, a Associação é mantida pelos fundadores com a venda das obras expostas. A Coletiva Inaugural I é composta por apenas uma obra de cada um dos fundadores: Alberto Aliberti (1935-1994), Alfredo Volpi (1896-1988), Caetano Fraccaroli (1911-1987), Hermelindo Fiaminghi (1920-2004), Judith Lauand (1922), Féjer (1923-1989), Lothar Charoux (1912-1987), Luiz Sacilotto (1924-2003), Maurício Nogueira Lima (1930-1999), Mona Gorovitz (1937) e Waldemar Cordeiro (1925-1973). O projeto gráfico do catálogo e o logotipo são desenvolvidos por Willys de Castro (1926-1988) e Hércules Barsotti (1914-2010).

A NT afirma o compromisso de abranger uma pluralidade de pesquisas, opondo-se ao enquadramento arbitrário de seus artistas em um movimento. O descompromisso com uma diretriz específica pode ser notado pela presença de artistas que, na década de 1950, pertencem a grupos distintos. São eles o Ruptura (Cordeiro, Sacilotto, Fiaminghi, Charoux, Lauand e Nogueira Lima) e o Neoconcreto (Willys e Barsotti). Há, também, artistas independentes como Volpi, Aliberti e Gorovitz.

Tomada como manifesto, a apresentação do catálogo da Coletiva Inaugural I anuncia os principais objetivos da entidade:

NT não pertence a um grupo, nem visa uniformizar opiniões. NT é uma condição aberta aos artistas que, no âmbito de uma natureza comunicativa direta, autônoma e substantiva, contribuem para a delineação de novas poéticas. NT, portanto, não subscreverá eventuais tentativas de englobar anonimamente seus expositores em mais um 'ismo'. Diversamente, é partindo da simultaneidade de pesquisas, sensibilidade individual e opiniões de cada artista, que se poderá ter uma visão real das contradições – dialeticamente falando – que caracterizam a situação presente da arte de vanguarda. NT pretende, outrossim, oferecer ao público a informação adequada e qualificada nacional e internacional de ideias que tenham relação com as novas tendências da arte de vanguarda[1].

Apesar da rejeição a uma poética específica, muitas formas de organização ocupam no cerne das discussões sobre arte na sociedade no período. Os artistas da NT ficam atentos aos grupos cinéticos internacionais, como o N, de Pádua (1960); o T, de Milão (1959-1964); o Groupe de Recherche d’Art Visuel (Grav), de Paris (1961); o Grupo Zero, de Düsseldorf  (1958); e o grupo Nouvelle Tendance, de Zagreb (1961). Diferentemente desses grupos, a trajetória da NT mostra-se, a princípio, preocupada em atenuar necessidades práticas. Entre elas, garantir meios para a circular suas produções e criar estratégias para contornar a precariedade do meio artístico e seu mercado. No contexto dos anos de 1960, a expressão “novas tendências” alude a movimentos sem liderança, geralmente à margem dos circuitos mercadológicos. Com liberdade maior do que a das grandes galerias, a NT possibilita a exposição de obras ou estudos que, por questões comerciais, enfrentam dificuldades para serem exibidos.

Grande parte de seus sócios preocupa-se com a revisão do concretismo no circuito artístico, que se volta para as pesquisas figurativas e informais. A arte concreta aparece nas obras e em textos do catálogo da Coletiva Inaugural como o centro irradiador do debate. Fraccaroli afirma sua posição: “expressão concreta: forma, cor e movimento: denominador entre passado e presente”. Já Waldemar Cordeiro decreta a obsolescência do concretismo histórico, criador de esquemas: “ou passamos a considerar a arte concreta do ponto de vista do desenvolvimento histórico da sua natureza comunicativa autônoma e direta, [...] ou diversamente, a arte concreta na acepção histórica pertence ao passado e terminou a sua existência”. Em meio às investigações que o levam à produção dos popcretos, o artista chega a afirmar que “a forma como processo construtivo e o papel ativo do espectador na arte atual de vanguarda dão o tiro de misericórdia na poética do objeto único”. Poucos dias após a inauguração da galeria, Cordeiro desentende-se com outros expositores e retira da mostra o trabalho Aleatório.

Entre 1963 e 1965, a Galeria NT realiza diversas exposições. Entre elas, a coletiva, inaugurada a 27 de abril de 1964, que apresenta artistas ligados à abstração informal: Arnaldo Ferrari (1906-1974), Décio Vieira (1922-1988), Geraldo Jürgensen (1923-1993), Heinz Kühn (1908-1987), João José da SilvaJoão Luiz Chaves (1924-2014), Maria Bonomi (1935), Maria Helena Motta Paes (1937-2005), Rubem Ludolf (1932-2010), Silvano Vescovi (1929), Tomie Ohtake (1913-2015) e Valdeir Maciel (1937).

A crise que se segue ao golpe de 1964 é um dos agravantes para o fechamento da Associação em 1965. Segundo depoimento de Hermelindo Fiaminghi, em 1966, a sede da NT é vendida para a empresa Xerox do Brasil. Com a venda, são quitadas as dívidas[2].

Em 1966, Willys de Castro, em depoimento ao crítico Mário Pedrosa (1900-1981), responde questões sobre a Associação. Willys refere-se à NT, em âmbito internacional, como um movimento composto de nuances construtivas variadas, que emergem em diversas obras ao mesmo tempo[3].

Naquele período, muitos artistas da Associação investigam as relações entre a obra de arte e o “observador-fruidor”, como Willys chama o público. A posição ativa do observador e a autossuficiência dos elementos formais da obra são dimensões importantes das produções ligadas à Associação de Artes Visuais Novas Tendências. Ao caracterizar as obras da Associação, a crítica especializada  considera ambas.

Notas
[1] Cf. catálogo: ASSOCIAÇÃO de Artes Visuais Novas Tendências: coletiva inaugural. São Paulo: Galeria NT, 1963.
[2] CABRAL, Isabella e AMARAL REZENDE, M. A. Hermelindo Fiaminghi. São Paulo: Edusp, 1998, p. 86.
[3] Segundo o artista, em geral: “a obra NT tende a ser completa em si mesma, possuindo uma plenitude inequívoca no seu isolamento autorreferencial, embora o seu relacionamento físico com o mundo circundante quase sempre se torne parte do jogo de sua fruição”. In: CONDURU, Roberto. Willys de Castro. São Paulo: Cosac & Naify, 2005. p. 158.

Exposições 4

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 9

Abrir módulo
  • ALVARADO, Daisy Valle Machado Peccinini de. Figurações Brasil anos 60: neofigurações fantásticas e neo-surrealismo, novo realismo e nova objetividade brasileira. São Paulo: Edusp / Itaú Cultural, 1999.
  • ARGAN, Giulio Carlo. Arte moderna: do iluminismo aos movimentos contemporâneos. Tradução Denise Bottmann, Frederico Carotti. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.
  • ASSOCIAÇÃO de Artes Visuais Novas Tendências: coletiva inaugural. São Paulo: Galeria NT, Garfitéc, 1963.
  • Associação de Arte Visuais Novas Tendências: coletiva inaugural. São Paulo. Galeria NT. 1963.
  • BOTTALLO, Marilúcia. A mediação cultural e a construção de uma vanguarda institucional: o caso da arte construtiva brasileira. Tese (Doutorado em Cultura e Informação) – Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011.
  • PONTUAL, Roberto. Arte brasileira contemporânea: Coleção Gilberto Chateaubriand. Tradução Florence Eleanor Irvin, John Knox. Rio de Janeiro: Edições Jornal do Brasil, 1976.
  • WILDER, Gabriela Suzana. Waldemar Cordeiro: pintor vanguardista, difusor, critico de arte, teórico e líder do movimento concretista nas artes plásticas em São Paulo, na década de 50. 1982. 294f. - Dissertação (Mestrado) - Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo - ECA/USP, 1982.
  • ZANINI, Walter (org.). História geral da arte no Brasil. São Paulo: Fundação Djalma Guimarães: Instituto Walther Moreira Salles, 1983. v. 1.
  • ZANINI, Walter (org.). História geral da arte no Brasil. São Paulo: Fundação Djalma Guimarães: Instituto Walther Moreira Salles, 1983. v. 1.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: