Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Académie de La Grande Chaumière

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 13.01.2015
1909 França / Ile de France / Paris
A Académie de la Grande Chaumière é fundada em 1909 no bairro de Montparnasse, em Paris, pela pintora de origem belga Martha Stettler (1870-1964). Trata-se de uma escola de arte privada, estruturada com cursos livres de desenho, pintura e escultura - com aulas práticas e teóricas - e aberta a qualquer interessado. A criação da escola se inscreve...

Texto

Abrir módulo

Histórico
A Académie de la Grande Chaumière é fundada em 1909 no bairro de Montparnasse, em Paris, pela pintora de origem belga Martha Stettler (1870-1964). Trata-se de uma escola de arte privada, estruturada com cursos livres de desenho, pintura e escultura - com aulas práticas e teóricas - e aberta a qualquer interessado. A criação da escola se inscreve numa paisagem específica, a cidade de Paris do início do século XX, que conta com diferentes tipos de instituições voltadas ao ensino artístico: da prestigiada Ecole Nationale Supérieure des Beaux-Arts [Escola Nacional Superior de Belas Artes] às diferentes academias particulares fundadas entre o fim do século XIX e princípio do século XX. O fato de a Escola de Belas Artes permanecer em sua longa história como uma instituição de difícil acesso, fechada às novas orientações estéticas e aos "de fora" - estrangeiros e mulheres, por exemplo -, incentiva o desenvolvimento dos cursos livres da Académie Julian e da Académie de la Grande Chaumière, entre outras, que recrutam parte dos candidatos que não conseguem entrar na escola por causa dos rigorosos concursos de admissão. A abertura das academias ao mundo exterior é traço saliente dessas instituições privadas, embora parte da bibliografia acentue maior proximidade da Académie Julian ao modelo da Escola de Belas Artes, da qual a Académie de la Grande Chaumière se mantém mais afastada.

Passam pela escola de Montparnasse como professores, entre 1909 e 1945, Lucien Simon (1861-1945), Jacques-Emile Blanche (1861-1942), Claudi Castelucho Diana (1870-1921) e Olga Boznánska (1865-1945) entre outros, e, depois de 1950, a escola conta com os pintores Fernand Léger (1881-1955) e André Lhote (1885-1962). Emile Antoine Bourdelle (1861-1929) permanece como professor de escultura na academia, do ano de sua criação até 1922. As atividades em seu ateliê dividem-se em aulas práticas - quando corrige os trabalhos dos alunos - e teóricas, em que apresenta suas reflexões pessoais sobre diferentes aspectos da criação artística. Os registros existentes dessas atividades permitem aferir o caráter anticonvencional do ensino de Bourdelle, e da academia de modo geral, em que impera o caráter coletivo do trabalho e a troca de experiências. O clima do aprendizado, na intimidade do ateliê do escultor, leva parte dos alunos a trabalhar como seus assistentes. Entre os que freqüentam os cursos de Bourdelle na academia encontram-se: Germaine Richier (1904-1959), Aristide Maillol (1861-1944) e Alberto Giacometti (1901-1966).

A Académie de la Grande Chaumière atrai alunos do mundo inteiro, de diversas gerações e filiações. Passam pela escola os norte-americanos Alexander Calder (1898-1976) e Ald Held (1928-2005); o pintor Amedeo Modigliani (1884-1920); a escultora Louise Bourgeois (1911-2010); os pintores e escultores Alberto Giacometti e Joán Miró (1893-1983). Artistas brasileiros, ou radicados no Brasil como Lasar Segall (1891-1957), Quirino Campofiorito (1902-1993), Antonio Bandeira (1922-1967) e Eduardo Sued (1925), atraídos pela formação em Paris, freqüentam muitas vezes a Académie Julien e a De la Grande Chaumière. A escola de Montparnasse recebe ainda Arpad Szenes (1897-1985) e Vieira da Silva (1908-1992) - que se conhecem nessa escola -, Milton Dacosta (1915-1988), Jorge Guinle (1947-1987) e Wesley Duke Lee (1931-2010). A Académie de la Grande Chaumière continua em funcionamento, na rua De la Grande Chaumière, 14.

Fontes de pesquisa 3

Abrir módulo
  • DALON, Laure. Émile-Antoine Bourdelle et l'enseignement de la sculpture. Disponível em: [http://theses.enc.sorbonne.fr/document1026.htlm]. Acesso em: out. 2006.
  • LE VOYAGE DE PARIS. Les américains dans les Écoles d'art, 1868 - 1918. Paris, Les Dossiers du Musée de Blerancourt, Paris, Éditions de la Réunion des Musées Nationaux, 1990, 85pp. Il. p&b. color.
  • MONNIER, Gérard. L'art et ses institutions en France. De la revolution à nos jours. Paris: Gallimard, 1995, 462 pp [Folio Histoire].

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: