Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.

Enciclopédia Itaú Cultural

Museu Nacional

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 18.02.2019
06.06.1818 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
Reprodução fotográfica Romulo Fialdini

Retrato de Debret, 1836
Manuel de Araújo Porto-Alegre
Óleo sobre tela

Sediado no Paço de São Cristóvão, na cidade do Rio de Janeiro, o Museu Nacional é a mais antiga instituição museológica e científica do Brasil. Até setembro de 2018, seu acervo, ligado às ciências naturais e antropológicas, era considerado um dos mais extensos da América Latina, com mais de 20 milhões de itens, boa parte dos quais se perderam em...

Texto

Abrir módulo

Sediado no Paço de São Cristóvão, na cidade do Rio de Janeiro, o Museu Nacional é a mais antiga instituição museológica e científica do Brasil. Até setembro de 2018, seu acervo, ligado às ciências naturais e antropológicas, era considerado um dos mais extensos da América Latina, com mais de 20 milhões de itens, boa parte dos quais se perderam em um incêndio.

A fundação do museu ocorre em 1818, durante a vigência do Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves, instituído em 1815. Ao lado de entidades como a Escola Real de Ciências, Artes e Ofícios, a Biblioteca Real e o Jardim Botânico, representa uma das iniciativas do governo monárquico tomadas para impulsionar o desenvolvimento cultural e intelectual da nova metrópole.

Como “Museu Real”, surge com o objetivo declarado de promover o estudo e a divulgação das ciências naturais no Brasil, inspirado no funcionamento dos museus de história natural europeus. O decreto que o institucionaliza é promulgado em 6 de junho de 1818 por D. João VI, e o Campo de Santana, no Rio de Janeiro, é o local escolhido para sediá-lo inicialmente.

Embora o estudo dos recursos naturais seja, naquele momento, o principal objetivo do museu, objetos de valor histórico e artístico, grande parte deles doados pela família real, integram seu acervo inicial, que conta com uma coleção mineralógica comprada pela coroa portuguesa no século XVIII (a coleção Werner),  quadros a óleo, peças de mármore, marfim, coral e prata, itens da Idade Média e da Antiguidade, exemplares da fauna brasileira resgatados da extinta Casa de História Natural, conhecida como "Casa dos Pássaros", inúmeros artefatos indígenas, vindos das diferentes províncias do Brasil, e uma grande quantidade de produtos coletados da natureza.

A heterogeneidade desse acervo prenuncia a importância que o museu desenvolverá ao longo dos anos no estudo da cultura de diferentes povos, sobretudo os povos indígenas do Brasil: os itens etnográficos que se acumulam paralelamente ao colecionamento prioritário de “itens da natureza” constituirão um conjunto amplo de artefatos que será útil aos pesquisadores da antropologia. Tal fato justificará a divisão, anos mais tarde, entre os acervos de ciências naturais e antropológicas.

Durante o governo de D. João VI, as atividades do museu se concentram na organização de suas instalações e de seu acervo, que cresce de maneira gradativa. O acesso do público às coleções só é liberado em 1821, mas seu caráter consultivo só se consolida no período imperial, depois da independência do Brasil. Nos reinados de D. Pedro I e sobretudo de D. Pedro II, o acervo é ampliado e recebe alguns de seus itens mais populares, como as múmias egípcias, os sarcófagos e outros itens doados pelos imperadores. Nesse período da monarquia, além de funcionar como uma instituição consultiva e de visitação, o museu passa a oferecer cursos públicos, desenvolve publicações (como o periódico Arquivos do Museu Nacional), ganha sua biblioteca e realiza intercâmbio de objetos e informações científicas com outras instituições.

O crescimento do museu no período imperial contribui para a associação que se costuma fazer entre ele e a monarquia, mas a construção desse imaginário também é explicada pelo fato de, em 1892, sua sede ter sido transferida para o Paço de São Cristóvão, antiga residência da família real, na Quinta da Boa Vista. Em virtude da transferência, o prédio do palácio sofre diversas reformas, mas as obras artísticas que integram sua estrutura são preservadas. Segundo a historiadora Regina Dantas, as pinturas renascentistas feitas no edifício pelo artista italiano Mario Bragaldi (1809-1873) durante a monarquia  – e preservadas até 2018 – mantêm nas salas históricas do palácio um simbolismo mitológico que referencia as tradições da nobreza, o poder do imperador e seu conhecimento. Algumas dessas pinturas revelam o uso da técnica trompe l’oeil e, segundo administradores do museu, são as que mais chamam a atenção dos visitantes, devido à impressão ilusionista de alto-relevo que produzem.

Apesar do simbolismo que liga a memória do museu à monarquia, a transferência para o Paço de São Cristóvão o vincula à história política mais ampla do país, ao entrecruzar as memórias da colônia, do reino, do império e da república – note-se que, além de ter servido durante anos como residência da família dos monarcas, o palácio sediou, em 1889, a primeira Assembleia Constituinte da República.

Durante o século XX, o museu se consolida como instituição de ensino e pesquisa; é incorporado em 1946 à Universidade do Brasil (atual Universidade Federal do Rio de Janeiro) e passa por novas reformas e reestruturações. Em 2018, seu acervo consolidado reúne coleções de antropologia biológica, arqueologia, etnologia, geologia, paleontologia e zoologia, com itens de diversas regiões do mundo. Conta com nove cursos de pós-graduação, entre os quais está o pioneiro mestrado em línguas indígenas.

A produção do museu é afetada na noite de 2 de setembro de 2018, quando um incêndio destrói parte de seu prédio e acervo; pesquisas são interrompidas por dependerem do acesso ao edifício e às coleções. Além de gerar perda de conhecimento consolidado e potencial nas áreas de ciências naturais e antropológicas, a tragédia elimina registros históricos, culturais e artísticos do país e do mundo.

Mesmo depois da tragédia, o Museu Nacional continua sendo um dos pontos de acesso à memória do país, pois perpassou em 200 anos importantes momentos e processos históricos, registrados no que restou de seu acervo, de sua edificação e dos documentos que narram seu desenvolvimento.

Obras 1

Abrir módulo

Exposições 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 6

Abrir módulo
  • BANCO SAFRA. O Museu Nacional. São Paulo: Safra, 2007.
  • DANTAS, Regina Maria Macedo Costa. A Casa do Imperador: do Paço de São Cristóvão ao Museu Nacional. 2007. 297 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Pós-graduação em Memória Social, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2007.
  • JORNAL O GLOBO (Ed.). As ilusões da Sala do Trono de Pedro II, no Museu Nacional. Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=rq7UDqjDLvw>. Acesso em: 11 jul. 2018.
  • LACERDA, João Baptista de. Fastos do Museu Nacional do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1905.
  • PAMPLONA, Nicola; MEIRELES, Maurício; FIORATII, Gustavo. Incêndio destrói Museu Nacional: com 200 anos, era o mais antigo do Brasil. Folha de S. Paulo. São Paulo, 03 set. 2018. Cotidiano, p. 1-2.
  • PIRES, Débora de Oliveira (Org.). 200 anos do Museu Nacional. Rio de Janeiro: Associação Amigos do Museu Nacional, 2017.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: