Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.

Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Museu Casa do Pontal

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 20.06.2022
1974 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
A Casa do Pontal - Museu de Arte Popular Brasileira é criada por Jacques Van de Beuque (1922-2000), francês radicado no Brasil desde 1946. Nascido em Bavay, no norte da França, Van de Beuque cursa belas-artes em Lyon até o início da Segunda Guerra Mundial (1939-1945), quando passa a integrar a resistência francesa. É preso e enviado para Kiev, n...

Texto

Abrir módulo

Histórico

A Casa do Pontal - Museu de Arte Popular Brasileira é criada por Jacques Van de Beuque (1922-2000), francês radicado no Brasil desde 1946. Nascido em Bavay, no norte da França, Van de Beuque cursa belas-artes em Lyon até o início da Segunda Guerra Mundial (1939-1945), quando passa a integrar a resistência francesa. É preso e enviado para Kiev, na Ucrânia, onde permanece por cerca de dois anos. Foge da prisão em 1944, poucos meses antes do fim da guerra. Decide sair da Europa e viaja para o Brasil, incentivado pelo pintor Candido Portinari (1903-1962).

Atua como designer e também em uma empresa responsável pela montagem de exposições. Passa a interessar-se por objetos criados por pessoas simples, pela vivacidade de suas cores e grande variedade de formas. Viaja por todo o país, visitando pequenos povoados, onde adquire peças de arte popular. Durante 40 anos constitui importante e numeroso acervo de obras produzidas na última metade do século XX. Em 1994 publica o livro Arte Popular Brasileira, pela Câmara Brasileira do Livro.

Para abrigar sua coleção Van de Beuque constrói no Rio de Janeiro o edifício-sede do Museu de Arte Popular Brasileira, aberto ao público em 1992. A instituição reúne cerca de 8 mil peças, obras de aproximadamente 200 artistas, provenientes de várias regiões do Brasil, cuja produção é representativa da arte popular. A maior parte das obras, entre esculturas, bonecos, mecanismos articulados e modelagens, está relacionada a cenas cotidianas do povo brasileiro, seus costumes e festas.

A antropóloga Angela Mascelani, pesquisadora do acervo da Casa do Pontal, destaca a história das coleções de arte popular e a discussão estética sobre o tema, iniciada em 1959 com a mostra Bahia, organizada pela arquiteta Lina Bo Bardi (1914 - 1992), no Parque do Ibirapuera, em São Paulo. Com a apresentação de objetos de uso cotidiano, a curadora da exposição procura defender a idéia de que "o design está nos objetos mais simples do dia-a-dia, constituindo uma busca essencial ao ser humano". Posteriormente, Pietro Maria Bardi (1900 - 1999) e Lina Bo Bardi realizam a exposição A Mão do Povo Brasileiro, no Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand - Masp, em 1969. Em 1972, o Ministério das Relações Exteriores promove a mostra O Espírito Criador do Povo Brasileiro, com base na Coleção de Abelardo Rodrigues, no Palácio do Itamaraty, em Brasília.

Van de Beuque organiza a mostra Arte Popular Brasileira, no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro - MAM/RJ em 1976. Para Mascelani, a proposta de Van de Beuque revela um amadurecimento das discussões acerca da arte popular. Embora tenha pontos em comum em relação à abordagem de Lina Bo Bardi, Van de Beuque procura reunir obras de artistas que representam ou evocam cenas cotidianas, sem preocupação maior com a questão do design ou da funcionalidade dos objetos. O crítico Roberto Pontual destaca a importância dessa exposição quanto à qualidade e diversidade das peças exibidas.

Para Mascelani, a Casa do Pontal pauta-se em sua criação por questões defendidas por Lélia Coelho Frota em relação à exposição realizada por Van de Beuque em 1976, quando ela publica o livro Mitopoética de 9 Artistas Populares Brasileiros. Entre os pontos mais importantes defendidos por Frota, está a premissa de que existem culturas diversas no Brasil, e que membros dessas culturas produzem objetos que podem ser apreciados em termos estéticos. A partir dessa época, tornam-se mais freqüentes as exposições com obras de caráter popular.

A coleção reunida por Van de Beuque na Casa do Pontal é constituída predominantemente por peças de barro, mas também exemplares de madeira, areia pintada e tecido, e outros materiais. O espaço expositivo é organizado em eixos temáticos, como Ciclo da Vida (com subdivisões como nascimento, brincadeiras infantis, casamento e morte); Festas Populares (folia de reis, maracatu e boi-bumbá, entre outras); Mamulengos (fantoches); Jogos e Diversões; Areias e Bichos (garrafas de areia e esculturas de animais); e Arte Erótica.

Nessa coleção encontra-se a produção de Noemisa (1947), Mestre Vitalino (1909 - 1963), Antonio Poteiro (1925), GTO (1913 - 1990), Itamar Julião (1959) e Mestre Didi (1917- 2013). Entre as esculturas de Mestre Vitalino destacam-se Violeiros e Noivos a Cavalo, déc.1950, e Boi Zebu e Retirantes, déc.1960, pela beleza e simplicidade do modelado e suavidade das cores. Sua produção relaciona-se a aspectos culturais e sociais do Nordeste brasileiro, como a seca e a migração. A Roda, de GTO, é um exemplo das mandalas que o artista denomina Rodas-Vivas. Nessas esculturas, ele utiliza a figura humana, de forma esquemática e repetida em estruturas geométricas, como o retângulo e o círculo. GTO explora assim os cheios e vazios e o ritmo conferido pela sucessão de figuras em suas obras. A escultura Macacos e Leões nos Galhos, déc.1980, de Itamar Julião, revela o estilo vigoroso e a atenção ao acabamento constantes em suas obras. Entre as esculturas de Mestre Didi pode ser mencionada Xaxará de Oxumaré, déc.1960, com a temática ligada à cultura afro-brasileira e a riqueza cromática freqüentes em sua produção. O acervo do museu mantém várias obras relacionadas ao ciclo do cangaço.

A instituição recebe, em 1996, o Prêmio Rodrigo de Melo Franco de Andrade, concedido pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional - Iphan, que elogia o museu pela iniciativa "em prol da preservação histórica e artística de bens móveis e imóveis".

Em 2002 a Casa do Pontal publica o livro O Mundo da Arte Popular Brasileira, de Angela Mascelani, que analisa a coleção do museu, e em 2004 lança a publicação Arte Popular Arte de Ponta, com texto da mesma autora.

Exposições 5

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 5

Abrir módulo
  • ARTE popular arte de ponta. Curadoria Angela Mascelani. Rio de Janeiro: Museu Casa do Pontal, 2004.
  • ARTE popular brasileira. Rio de Janeiro : Fundação Casa França Brasil, 1998.
  • BEUQUE, Jacques Van de. Arte Popular Brasileira. São Paulo, Câmara Brasileira do Livro, 1994.
  • FROTA, Lélia Coelho. Mitopoética de 9 artistas brasileiros: vida, verdade e obra. Rio de Janeiro: Funarte, 1978.
  • MASCELANI, Angela. O Mundo da arte popular brasileira: Museu da Casa do Pontal. Rio de Janeiro: Mauad, 2002.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: