Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.

Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Liceu de Artes e Ofícios de São Paulo (Laosp)

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 06.02.2018
1873 Brasil / São Paulo / São Paulo

Fonte no Liceu de Artes e Ofícios, 1994
Ed Viggiani
,

O Liceu de Artes e Ofícios de São Paulo (Laosp) é criado em 1873, com a denominação de Sociedade Propagadora da Instrução Popular, por iniciativa de Carlos Leôncio da Silva Carvalho (1847-1912) e um grupo de sócios ligados às elites cafeicultoras locais. Trata-se de uma associação educacional privada, fundada com apoio da maçonaria, destinada às...

Texto

Abrir módulo

Histórico

O Liceu de Artes e Ofícios de São Paulo (Laosp) é criado em 1873, com a denominação de Sociedade Propagadora da Instrução Popular, por iniciativa de Carlos Leôncio da Silva Carvalho (1847-1912) e um grupo de sócios ligados às elites cafeicultoras locais. Trata-se de uma associação educacional privada, fundada com apoio da maçonaria, destinada às classes trabalhadoras, do campo e da cidade, que se propõe a "ministrar gratuitamente ao povo os conhecimentos necessários às artes e ofícios, ao comércio, à lavoura, às indústrias". O objetivo explícito da instituição é a formação de mão-de-obra especializada para a indústria, do ponto de vista técnico e moral. Procura-se formar "bons cidadãos", indica Carvalho, "que, sabendo trabalhar e podendo viver do trabalho, não se deixam corromper por empregos ou favores oferecidos a troco de sacrifícios de caráter, pois o proletariado que sabe trabalhar foge dos vícios, que roubam tempo e saúde, seus únicos, mas produtivos capitais". Num período em que poucas são as escolas primárias e em menor número as secundárias e de ensino superior, a instituição oferece cursos noturnos gratuitos de caligrafia, gramática e aritmética para a população de baixa renda, destinados a adultos e crianças. Fornece ainda material didático, assistência médica e uma biblioteca pública. As aulas têm início em 1874 e são dadas em prédio adaptado na rua São José.

Progressivamente a Sociedade vai adquirindo o perfil de uma escola profissionalizante, e passa a denominar-se, após ampla reforma curricular, Liceu de Artes e Ofícios, em 1882. O modelo da nova escola, ao que tudo indica, é a experiência do Arts and Crafts, liderado por William Morris (1834-1896), na Inglaterra, que valoriza o trabalho do artesão na indústria capitalista. Mas é, em 1895, dirigida pelo engenheiro Ramos de Azevedo (1851-1928), que a escola conhece uma reforma mais ampla, com a inclusão das "artes e ofícios", de acordo com o plano do engenheiro de criar as bases de uma "futura Escola de Belas Artes de São Paulo". No interior dessa rubrica abrigam-se cursos de desenho com aplicação às artes e à indústria, de modelagem em gesso e barro, além de aulas de pintura e de "instrução profissional" (carpintaria, marcenaria, ebanisteria, serralheria etc.). São incluídas classes de álgebra, geometria e contabilidade, comércio e agricultura. Com essa reforma, o Liceu aprimora e amplia a produção de artigos de artes decorativas e industriais, visando atender a um mercado em expansão no Brasil. E, os alunos, vistos como aprendizes, passam a receber pagamento pelas obras produzidas, vendidas com o selo da escola.

A ênfase no ensino de desenho, pintura e escultura se articula ao plano de Ramos de Azevedo de transformar o Liceu em um centro de belas-artes, com organização de exposições, ateliês de artistas e formação de uma pinacoteca. Vários trabalhos de alunos são expostos na sede da instituição e alguns deles são premiados nas Exposições Gerais de Belas Artes, no Rio de Janeiro. As premiações e o prestígio do corpo docente conferem visibilidade ao Liceu do ponto de vista artístico. Lecionam na instituição, entre outros, Domiciano Rossi, desenho geométrico; Pedro Alexandrino (1856-1942), desenho de figura e paisagem; Umberto Vigiani; Mugnaini (1895-1975), Otelo Borioni e Adolpho Borioni, desenho; Oscar Pereira da Silva (1867-1939), pintura; Amadeu Zani (1869-1944), escultura. A despeito do reconhecimento do Liceu, sem sede própria até esse momento, ele tem-se instalado, desde a sua fundação, em diferentes locais. Entre 1882 e 1889, passa por dois edifícios: um na rua da Boa Morte, n.17 e outro na Rua Imperador, n. 5. Em 1896, muda-se para a rua Santa Tereza, n.22. Negociações com o governo provincial valem a doação de um terreno à escola, ao lado do Jardim Público da Luz (1896), além da concessão de recursos para a edificação da sede, cujas obras se iniciam em 1897.

O prédio, projetado por Ramos de Azevedo e Domiciano Rossi, seu principal colaborador, tem estilo monumental em forte consonância com os princípios do ecletismo italiano, formado por três pavimentos, com dois pátios internos de modo a garantir ventilação e iluminação. No centro, primeiro piso, localiza-se o saguão central, com altíssimo pé-direito e janelas voltadas para o interior, que prevê uma cúpula, nunca concluída. Na construção são empregados materiais importados como pinho-de-riga e cerâmica francesa. No projeto, os engenheiros idealizam a integração entre o edifício e o Jardim da Luz, pelo recurso às varandas laterais e às janelas que dão para o parque. O prédio é parcialmente concluído em 1900, quando começam a funcionar alguns cursos de instrução primária e artística. Por razões técnicas e sanitárias, as oficinas industriais, previstas para o piso térreo, não podem funcionar. Ficam no edifício somente as de fundição, escultura e marcenaria. O plano frustrado leva a uma barganha com o governo estadual: a concessão de terreno para a instalação das oficinas industriais em troca de espaço para o ginásio do Estado, que funciona no prédio do Liceu de 1901 a 1910.

A criação de um museu, a Pinacoteca do Estado de São Paulo (Pina), no interior do Liceu de Artes e Ofícios, em 1905, altera completamente as feições iniciais da escola, articulando a partir de então a história das duas instituições. Concebida a princípio para ser uma galeria, a Pinacoteca é fundada pelo poeta e mecenas Freitas Valle (1870-1958), pelo político Sampaio Vianna, pelo engenheiro Adolpho Pinto e por Ramos de Azevedo, que dirige simultaneamente o Liceu e a Pinacoteca,  de 1905 a 1921. O acervo inicial do museu conta com 59 obras de artistas consagrados do Rio e de São Paulo, parte delas pertencentes ao acervo do Museu Paulista, e transferidas à Pinacoteca. Um incêndio e as revoltas políticas de 1930 - a Revolução de 1930 e a Revolução Constitucionalista de 1932 - obrigam o prédio a fazer as vezes de "quartel" improvisado e levam a Pinacoteca e o Liceu a funcionar precariamente. A Pinacoteca e seu acervo ficam abrigados na antiga sede da Imprensa Oficial, na rua Onze de Agosto, entre 1932 e 1947. Nas décadas de 1930 e 1950, o Liceu de Artes e Ofícios funciona no prédio da avenida Tiradentes (cursos e exposição permanente) e suas oficinas na rua João Teodoro, 11. É o local onde se encontra atualmente, com entrada pela rua Cantareira, 1351.

Nos cinco primeiros anos do século XX, a produção do Liceu adquire importância e visibilidade. Ornamentos para fachadas, obras de serralheria e mobiliário aí executados se fazem presentes em construções e interiores de diversas residências de São Paulo (Hotel de La Plage, Guarujá, 1911, projetado por Ramos de Azevedo, cujos acabamentos das fachadas, estruturas metálicas e mobiliário são realizados nas oficinas do Liceu). Peças de cerâmica - faiança, azulejos e vasos -, bem como ornamentos em bronze fundido produzidos na escola podem ser encontrados em inúmeras construções paulistanas. Residências como a de Mário da Cunha Bueno (rua Guadalupe), Olívia Guedes Penteado (rua Conselheiro Nébias), Martinho Prado (avenida Higienópolis) e Ricardo Severo (Casa Lusa, rua Taguá), entre outras, têm elementos da decoração externa e interna, alguns ornamentos e parte do mobiliário executados pelo Liceu. Edifícios públicos de São Paulo se beneficiam da produção da escola, como o lustre monumental do saguão e o mobiliário do Theatro Municipal; as grades da escada do Teatro D. Pedro II, instalado no Clube Comercial, no vale do Anhangabaú; os frisos decorativos da fachada do edifício do Banco de São Paulo, na rua 15 de Novembro; o mobiliário e a decoração interna da Faculdade de Direito do Largo de São Francisco. Monumentos também são executados na escola, por exemplo, o monumento em homenagem a Ramos de Azevedo, 1934, diante do edifício da Luz - projetado por Galileo Emendabili (1898-1974) e fundido em bronze nas oficinas do Liceu - e o Monumento ao Duque de Caxias, de autoria de Victor Brecheret (1894-1955), fundido no Liceu e montado na praça Princesa Isabel, centro de São Paulo.

A marcenaria do Liceu é responsável ainda pelo mobiliário de diversos hotéis, como o Rio Sheraton, o Hotel Tropical de Manaus e o Transamérica em São Paulo, e do Aeroporto Internacional de Cumbica. Com o modelo de desenvolvimento industrial implantado no país pelo presidente Juscelino Kubitschek (1902-1976), o projeto do Liceu - que previa a indissociabilidade entre arte, indústria e educação - parece inadequado aos novos tempos e as obras artesanais aí produzidas tornam-se obsoletas. Tentativas de adequação à nova fase industrial transparecem no feitio da produção: execução de esquadrias e revestimentos de aço inoxidável para o Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand (Masp); para o Banco Central, em Brasília; para a sede da Petrobras, no Rio de Janeiro; e Federação da Indústrias de São Paulo - Fiesp, em São Paulo, além de caixas-automáticos 24 horas. Atualmente, o Liceu de Artes e Ofícios de São Paulo é constituído pelo Laosp-Indústria, especializado na fabricação de bens e materiais para a construção civil, cujo principal produto é o hidrômetro; pela Escola Técnica, com cursos técnicos de nível médio e livres, ligados à tecnologia; e pelo Centro Cultural, responsável pela memória da instituição e pela promoção artística em geral.

Obras 2

Abrir módulo

Espetáculos 2

Abrir módulo

Exposições 13

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 4

Abrir módulo
  • A PINACOTECA do Estado. Texto Carlos Alberto Cerqueira Lemos, Paulo Mendes da Rocha, Maria Cecília França Lourenço. São Paulo: Banco Safra, 1994. 319 p., il. color.
  • BELLUZO, Ana Maria de M. Artesanato, Arte e Indústria. 1988. 523p. Tese (Doutorado) - Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, da Universidade de São Paulo - FAU/USP, São Paulo, 1988.
  • CRONOLOGIA. São Paulo: Pinacoteca do Estado de São Paulo, 1994. 4p. Documento produzido pela Biblioteca da Pinacoteca do Estado de São Paulo, a partir de pesquisa de Maria Luiza Morais, mimeo, (revista em 2002).
  • FILUS, Cláudio (coord.). Acervo permanente e novas doações. Texto Aracy Amaral, José Roberto Teixeira Leite, Maria Cecília França Lourenço, Ruth Sprung Tarasantchi, Marta Rossetti Batista, Peter Burke, Maria Luiza Moraes. São Paulo: Pinacoteca do Estado, 1999. 30 p., il. color.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: