Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Museu de Arte Brasileira (MAB-FAAP)

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 28.08.2018
10.08.1961 Brasil / São Paulo / São Paulo

Vermelho, Verde e Azul em Mutações Cromáticas, 1978
Israel Pedrosa
Acrílica sobre tela
130,00 cm x 195,00 cm

Aberto ao público em 10 de agosto de 1961, o Museu de Arte Brasileira da Fundação Armando Álvares Penteado (MAB-FAAP), no bairro do Pacaembu, em São Paulo, vem somar-se aos museus de arte existentes na cidade, com a particularidade de voltar-se para a produção artística nacional. Da proposta inicial fazem parte a organização e a conservação de u...

Texto

Abrir módulo

Histórico

Aberto ao público em 10 de agosto de 1961, o Museu de Arte Brasileira da Fundação Armando Álvares Penteado (MAB-FAAP), no bairro do Pacaembu, em São Paulo, vem somar-se aos museus de arte existentes na cidade, com a particularidade de voltar-se para a produção artística nacional. Da proposta inicial fazem parte a organização e a conservação de um acervo dedicado a obras de artistas brasileiros ou estrangeiros radicados no Brasil, além da preparação de exposições consagradas à arte nacional e internacional.

A origem da instituição liga-se à família Álvares Penteado, há muito envolvida com as artes e a educação em São Paulo. É Armando Álvares Penteado (1884-1947) que, em testamento redigido em 23 abril de 1938, deixa clara a intenção de organizar um museu de arte, tarefa que sua esposa, D. Annie, inicia em janeiro de 1947, com a criação da Fundação Armando Álvares Penteado (FAAP). Isso ocorre no contexto do pós-guerra, em que se assiste ao nascimento de vários museus e instituições de arte no Rio de Janeiro e em São Paulo – Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (MAM/RJ), Museu de Arte Moderna de São Paulo (MAM/SP), Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand (Masp), Fundação Bienal de São Paulo – no bojo de um processo de atualização cultural das elites ilustradas.

Em São Paulo, sobretudo, a existência de um mecenato é papel decisivo para a criação de diversas instituições culturais na época. Ciccillo Matarazzo (1898-1977) e Assis Chateaubriand (1892-1968) estão à frente de diversas iniciativas no campo das artes e da cultura, e sinalizam, cada qual a seu modo, tentativas de aproximação às linguagens artísticas modernas, que têm lugar na Europa e nos Estados Unidos após a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

Em julho de 1960, uma sessão solene dá início às atividades do MAB, dirigido por Lúcia Pinto de Souza e coordenado por Wolfgang Pfeiffer (1912-2003). O conselho reúne nomes célebres no panorama artístico e intelectual nacional, como Rodrigo Melo Franco de Andrade (1898-1969), Sérgio Buarque de Holanda (1902-1982), Sérgio Milliet (1898-1966), Yan de Almeida Prado (1898-1991) e outros. A exposição de abertura – O Barroco no Brasil –, com mais de 300 obras e cursos paralelos (como o de Antonio Candido (1918-2017) e Sérgio Buarque sobre o barroco literário), conhece grande sucesso. As moldagens de gesso dos profetas do Aleijadinho e de obras barrocas de Minas Gerais e Bahia, feitas pelo Departamento do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (DPHAN) e expostas na ocasião, se incorporam ao edifício do MAB e decoram o saguão de entrada.

Nos primeiros anos de existência, o museu dá destaque aos artistas ligados ao movimento moderno na arte brasileira, como Bonadei (1906-1974), em 1963; Oswaldo Goeldi (1895-1961), em 1964 e 1966; Di Cavalcanti (1897-1976), em 1965; Flávio de Carvalho (1899-1973), em 1968 e Victor Brecheret (1894-1955), em 1969. Além disso, o espaço para jovens artistas se amplia a partir de 1965, em função no novo perfil universitário assumido pela FAAP – sob a presidência de Lúcia Pinto de Souza – com a criação do curso de artes plásticas e, em seguida, de engenharia, comunicações, economia e administração. Nesse ano, passa a fazer parte da programação fixa do museu a Anual de Artes – que se mantém até hoje –, organizada em conjunto com a Faculdade de Artes Plásticas e aberta aos estudantes.

Data de 1965 a coletiva Propostas 65 – exposição e debates sobre aspectos do realismo atual do Brasil –, que reúne Flávio Império (1935-1985), Carlos Vergara (1941), Geraldo de Barros (1923-1998), Mira Schendel (1919-1988), Nelson Leirner (1932), Wesley Duke Lee (1931-2010), entre muitos outros. O impacto da mostra resulta em duas outras edições, Propostas 66 e 67. Em 1966, o museu inaugura dois outros setores: o Instituto Battioli de Restauro (a cargo dos artistas italianos Luciana, Enrico e Elisabeta Battioli) e o I Museu do Traje Brasileiro, coordenado por Lourdes Milliet e Darcy Penteado (1926-1987). Em 1977, é criado um setor especializado em pesquisa e documentação de arte brasileira, anexo ao museu e à faculdade, dirigido por Daisy Peccinini. Dois projetos realizados por esse setor dão origem às exposições O Grupo Seibi e o Grupo Santa Helena: décadas de 1935/1945, em 1977, e O Objeto na Arte: Brasil Anos 60, em 1978.

Ao lado de retrospectivas nacionais – além das mencionadas, sem esquecer de citar as de Carlos Scliar (1920-2001), em 1983; Arcangelo Ianelli (1922-2009); em 1995; Ismael Nery (1900-1934), em 2000 e José Pancetti (1902-1958), em 2001 –, o museu realiza mostras internacionais de artes plásticas (Jean Cocteau, 1997, de arte russa, 1999, e Vlaminck, 2001, entre outras) e coletivas dedicadas ao vídeo, à fotografia, à moda e à arquitetura. Grandes exposições históricas têm lugar no MAB, por exemplo, A Arte no Egito no Tempo dos Faraós, 2001, e A Herança dos Czares, 2005. Outras, dedicadas à cultura popular e às questões nacionais, conhecem grande popularidade, por exemplo, Brasileiros que nem Eu, que nem Quem?, organizada por Bia Lessa (1958), em 1999.

O acervo do museu inicia-se com a coleção de D. Annie, à qual são acrescentadas aquisições por meio de doações e compras, e hoje mantém em torno de 2.500 obras de artistas brasileiros. A coleção tem caráter variado, com obras de artistas acadêmicos como Pedro Alexandrino (1856-1942) e Eliseu Visconti (1866-1944); acervos importantes de artistas modernistas como Anita Malfatti (1889-1964), Oswaldo Goeldi, Victor Brecheret, Flávio de Carvalho e Lívio Abramo (1903-1992); obras representativas de artistas como Cicero Dias (1907-2003), Alfredo Volpi (1896-1988), Francisco Rebolo (1902-1980), Antonio Gomide (1895-1967), entre outros; representantes da abstração lírica dos anos 1950 – Flavio-Shiró (1928) e Arcangelo Ianelli – e das tendências construtivas – Geraldo de Barros, Mary Vieira (1927-2001) e Franz Weissmann (1911-2005) –; artistas que têm destaque na década de 1960 – Wesley Duke Lee, José Roberto Aguilar (1941) e Newton Mesquita (1949) –, além de contemporâneos: Fábio Miguez (1962), Paulo Whitaker (1958) e Marco Paulo Rolla (1967).

Obras 40

Abrir módulo
Reprodução fotográfica Fernando Silveira

Abstrato

Óleo sobre compensado

Afgan

Eletrografia com fio de cabelo do modelo costurado no original
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Auto-retrato

Óleo sobre tela

Exposições 127

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 2

Abrir módulo
  • LOURENÇO, Maria Cecília França. Museus acolhem moderno. São Paulo: Edusp, 1999. 293 p., il. p&b. (Acadêmica, 26).
  • MUSEU de Arte Brasileira: 40 anos. São Paulo: MAB, 2001.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: