Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.



Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Museu Imperial

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 27.06.2018
29.03.1940 Brasil / Rio de Janeiro / Petrópolis
Reprodução Fotográfica Raul Lima

Retrato de Cândida dos Santos Moreira Guimarães, 1881
August Off
Óleo sobre tela
53,50 cm x 64,20 cm
Acervo do Museu Imperial/IPHAN/MinC (Petrópolis, RJ)

O Museu Imperial é criado pelo Decreto-Lei nº 2096, de 29 de março de 1940, e aberto à visitação em 1943. Seu acervo museológico, documental e arquivístico é considerado o mais representativo do período monárquico do Brasil. Atualmente está sob a responsabilidade do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional - Iphan.

Texto

Abrir módulo

Histórico
O Museu Imperial é criado pelo Decreto-Lei nº 2096, de 29 de março de 1940, e aberto à visitação em 1943. Seu acervo museológico, documental e arquivístico é considerado o mais representativo do período monárquico do Brasil. Atualmente está sob a responsabilidade do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional - Iphan.

Em 1830, o imperador dom Pedro I compra a Fazenda do Córrego Seco, em Petrópolis, Rio de Janeiro, com planos de nela construir seu palácio de verão, mas é apenas em 1843 que seu filho dom Pedro II (1825-1891) aprova a construção do palácio. As obras têm início em 1845 e são concluídas em 1862. O edifício em estilo neoclássico é utilizado como palácio de verão da família imperial brasileira.

Seu acervo é formado por coleções transferidas de outros órgãos culturais, como o Museu Histórico Nacional (MHN), a Biblioteca Nacional e o Palácio do Itamaraty, além de compras, legados e doações. São mais de 11 mil peças nacionais e estrangeiras dos séculos XVIII e XIX, entre alfaias, armaria, cristais, esculturas, pinturas, aquarelas, desenho, estampas e gravuras, indumentária, insígnias, instrumentos musicais, mobiliário, ourivesaria, porcelanas, prataria e viaturas. O roteiro de visitação inicia-se pelo vestíbulo. Para preservar os pisos de mármore e de madeira do palácio, os visitantes calçam pantufas de feltro antes de entrar, detalhe característico do museu. As salas expositivas mesclam móveis, objetos e pinturas que de fato integram a decoração original do palácio, com outros advindos de diferentes locais, compondo ambientes recriados, embora em parte sejam mantidos os nomes dos cômodos originais.

No andar térreo situam-se a sala de jantar, as salas de costura e de piano da imperatriz dona Teresa Cristina e a sala de música, esta com teto decorado, representando instrumentos musicais. Na sala dos diplomatas, em que o imperador dom Pedro II recebe representantes do corpo diplomático, painéis de tapeçaria gobelins com motivos da flora brasileira e retratos adornam as paredes. A sala do senado traz o mobiliário da antiga sala de honra do senado do império.

No 1º andar, além dos quartos de suas majestades e da princesa Leopoldina, encontra-se o gabinete de trabalho do imperador. Mas o principal cômodo do circuito é a sala de Estado, para onde foram transferidos o trono e o restante do mobiliário da antiga sala do trono do paço de São Cristóvão.

São também expostos no museu os símbolos da monarquia, como a coroa imperial de dom Pedro I, a coroa e os trajes majestáticos de dom Pedro II, o cetro dos dois imperadores, diversas medalhas das Ordens da Rosa e do Cruzeiro e jóias pertencentes à família imperial ou a outras figuras próximas à monarquia.

Na coleção de pinturas estão artistas estrangeiros que tiveram passagem pelo Brasil e pintores brasileiros formados pela Academia Imperial de Belas Artes (Aiba). Entre as obras de grandes dimensões que representam momentos específicos da monarquia brasileira destacam-se: a tela Embarque na Praia Grande de Tropas Destinadas ao Bloqueio de Montevidéu (1826), de Debret (1768-1848), a recriação da Proclamação da Independência, 1844, e o óleo O Ato da Coroação do Imperador D. Pedro II (1842), ambas de François René Moreaux (1807-1860), e a tela O Casamento por Procuração da Imperatriz D. Teresa Cristina, encomendado ao artista italiano Cicarelli (1811-1879).

Entre as mais célebres pinturas históricas de importantes pintores da Aiba estão a cena de Pedro II na Abertura da Assembléia Geral, 1872, de Pedro Américo (1843-1905), que mostra o imperador com os trajes majestáticos, e o Juramento da Princesa Isabel (1875), de Victor Meirelles (1832-1903), que se refere ao momento em que a regência do império passa a ser exercida pela princesa, em 1871. Em ambas são retratados vários membros do corpo diplomático imperial.

Integram o acervo diversos retratos da família imperial, como o retrato eqüestre de dom João VI e o retrato de dona Carlota Joaquina, ambos realizados pelo pintor português Domingos António de Sequeira, o retrato de dom Pedro I de farda com condecorações, de 1826, de autoria de Simplício de Sá (1785-1839), e os retratos de dom Pedro II em diversos momentos da vida: menino, feito por Arnaud Julien Pallière (1784-1862) por volta de 1830; aos 12 anos, de autoria de Félix Taunay (1795-1881), pintado em 1837, e mais velho, realizado por Edouard Vienot.

A pintura de paisagem também está presente no acervo, que tem obras de artistas formados pela Aiba, como Garcia y Vasquez (ca.1859-1912), ou artistas que estabeleceram ateliês no Rio de Janeiro, como o francês Vinet (1817-1876) e o alemão Hagedorn (1814-1889).

O museu de maior visitação do Brasil mantém um vasto e importante arquivo histórico sobre o período monárquico, a história de Petrópolis e a formação do Estado do Rio de Janeiro, que abrange do século XIX ao início do XX. Entre os cerca de 100 mil itens, destacam-se os documentos pertencentes à família real e imperial, doados pelo príncipe dom Pedro de Orléans e Bragança em 1948.

Integram o arquivo cerca de 13 mil fotografias, aproximadamente 2 mil gravuras e 500 mapas e plantas. A coleção que retrata a família imperial guarda fotografias assinadas por importantes fotógrafos do século XIX, como Otto Hees (1870-1941), Insley Pacheco (ca.1830-1912), George Leuzinger (1813-1892) e Marc Ferrez (1843-1923). Entre as gravuras estão obras de Debret e Rugendas (1802-1858), e outros. Completa o extenso patrimônio do museu uma biblioteca, com cerca de 40 mil volumes.

O museu apresenta um programa de exposições temporárias, que ocorrem na Plataforma Contemporânea. Um atrativo especial do museu atualmente é o Espetáculo de Som e Luz, que, por meio de recursos de iluminação e sonorização, reconta episódios do reinado de dom Pedro II. O teatro de fantoches e o sarau imperial são outras atividades educativo-culturais desenvolvidas, com horários para visitas guiadas aos setores técnicos, incluindo o arquivo, a biblioteca, o setor de museologia, a reserva técnica e o laboratório de conservação e restauração. Os visitantes residentes em Petrópolis podem visitar o museu gratuitamente no último domingo do mês. Desde 1940, é publicado o Anuário do Museu Imperial.

Obras 31

Abrir módulo
Reprodução fotográfica Pedro Lôbo

D. Maria II

Óleo sobre tela

Exposições 9

Abrir módulo

Workshops 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 3

Abrir módulo
  • GUIA do Museu Imperial Petrópolis. Rio de Janeiro: Ministério de Educação e Cultura, 1959.
  • LOURENÇO, Maria Cecília França (org.). Guia de museus brasileiros. São Paulo: Edusp: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2000. 498 p., il. color., 23 x 26 cm. (Uspiana Brasil 500 anos).
  • O MUSEU Imperial. Prefácio Maria de Lourdes Parreiras Horta; edição Maria de Lourdes Parreiras Horta; comentário Claudia Maria Souza Costa; fotografia Romulo Fialdini. São Paulo: Banco Safra, 1992. 337 p., il. p&b. color. (Banco Safra).

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: