Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Museu da Casa Brasileira (MCB)

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 20.10.2017
1970 Brasil / São Paulo / São Paulo
O Museu da Casa Brasileira é idealizado em 1970, pelo secretário da Fazenda do Estado de São Paulo, Luis Arrobas Martins, como Museu do Mobiliário Artístico e Histórico Brasileiro, com o objetivo de catalogar, conservar e expor móveis e objetos de decoração. Parte integrante de uma rede de museus estaduais vinculados à Secretaria de Estado da Cu...

Texto

Abrir módulo

Histórico

O Museu da Casa Brasileira é idealizado em 1970, pelo secretário da Fazenda do Estado de São Paulo, Luis Arrobas Martins, como Museu do Mobiliário Artístico e Histórico Brasileiro, com o objetivo de catalogar, conservar e expor móveis e objetos de decoração. Parte integrante de uma rede de museus estaduais vinculados à Secretaria de Estado da Cultura, situa-se, desde 1972, na avenida Brigadeiro Faria Lima, 2.705, no antigo casarão construído na década de 1940, que pertencera ao ex-prefeito de São Paulo Fabio Prado (1887 - 1963) e sua esposa, Renata Crespi Prado (1897 - 1981). O casarão de projeto eclético com influências do neoclassicismo, possui mais de 1.200m2 de área construída, é concebido pelo arquiteto paraense Wladimir Alves de Souza (1908 - s.d.), formado pela Escola Nacional de Belas Artes - Enba, no Rio de Janeiro. Segundo o depoimento do arquiteto o projeto segue o traçado do Palácio Imperial de Petrópolis e é influenciado pela obra do arquiteto italiano Andréa Palladio (1508 - 1580).

As atividades do museu compreendem tanto a exposição permanente de seu acervo, formado por peças de mobiliário do século XVII ao século XX, nacionais e estrangeiros, distribuídas em salas com ordenação cronológica, quanto as exposições temporárias ligadas ao design e à arquitetura.

Inicialmente seu acervo é formado por objetos que representam o mobiliário artístico do Brasil, incluindo os utilizados em conventos ou igrejas. Posteriormente seus fundadores pretendem restringi-lo à reconstituição das residências brasileiras. Em 1971 o então diretor, o historiador Ernani da Silva Bruno, e um conselho, formado por Sérgio Buarque de Hollanda (1902 - 1982), Antonio Candido (1918) e Carlos Lemos (1925), alteram seu nome para Museu da Casa Brasileira, e investem na formação de um centro de pesquisa sobre os equipamentos e os usos e costumes da casa brasileira. Por meio do estudo do mobiliário, que engloba tanto as peças produzidas no Brasil, de caráter mais popular, quanto às importadas da Europa e dos Estados Unidos, é possível o acesso a uma parte da história do cotidiano do brasileiro: sua maneira de viver, de se relacionar com o meio, e de seu desenvolvimento técnico e artístico.

Com base em leituras de romances brasileiros, crônicas de viajantes e testamentos de famílias, uma equipe de pesquisadores coordenados por Silva Bruno, monta um fichário de 28 mil notas com dados sobre equipamentos, usos e costumes da casa brasileira, evidenciando, em quatro séculos de história, seus hábitos alimentares, formas de construir, o comportamento no âmbito doméstico, além de utensílios e equipamentos domésticos. Recentemente atualizado pela historiadora Maria de Lourdes Julião, esse conjunto de informações acha-se disponível no site do museu, publicado numa coleção de cinco volumes e em CD-ROM.

Arquitetura e design são abordados também por meio de seminários e debates, pela criação em 1986 do Prêmio Design MCB e em 1993 do Prêmio Jovens Arquitetos, em parceria com o Instituto dos Arquitetos do Brasil - IAB. O Prêmio Design MCB, criado por Roberto Duailibi, na época diretor do museu, busca mapear o que de mais importante vem sendo elaborado nas categorias: de mobiliário, utensílios, iluminação, têxteis e revestimentos, equipamentos eletro-eletrônicos, equipamentos de construção, trabalhos escritos e novas idéias/conceitos. O objetivo da premiação é sensibilizar o setor industrial para a capacidade criativa dos designers brasileiros.

Na década de 1990 o Museu passa a expor o acervo do casal Fábio Prado e Renata Crespi. Administrado pela Fundação Crespi Prado, constitui-se de pratarias, mobiliário, tapeçaria, ourivesaria, quadros e esculturas. Há entre as peças um busto, de mármore, de Renata Crespi, feito por Victor Brecheret (1894 - 1955), o quadro Floresta e Veados pintado por Candido Portinari (1903 - 1962), os óleos Favela, de Di Cavalcanti (1897 - 1976), e Negrinho, de Almeida Júnior (1850 - 1899).

Desde 1974 o Museu da Casa Brasileira dedica-se à publicação de livros e catálogos com o registro de exposições, debates e seminários realizados pela instituição e os resultados do Prêmio Design MCB.

Exposições 62

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 3

Abrir módulo
  • MUSEU DA CASA BRASILEIRA (SÃO PAULO, SP). O Móvel da casa brasileira. Coordenação Mariah Villas Boas. texto Glória Bayeux. São Paulo: Museu da Casa Brasileira, 1997. 163 p., il. p&b.
  • O Museu da Casa Brasileira. São Paulo: Banco Safra, 2002.
  • PRÊMIO Design. Texto Adélia Borges. São Paulo: Museu da Casa Brasileira, 1996. 1996, il. color.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: