Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Museu de Arte da Pampulha (MAP)

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 07.09.2021
1957 Brasil / Minas Gerais / Belo Horizonte
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Fantasia, 1960
Guignard
Óleo sobre madeira
122,00 cm x 30,00 cm
Coleção do Museu de Arte da Pampulha

Localizado no conjunto arquitetônico da Pampulha, projetado por Oscar Niemeyer (1907-2012) entre 1942 e 1944, o Museu de Arte da Pampulha (MAP) é inaugurado em 1957 no edifício onde funciona um cassino, que, com a proibição do jogo no país em 1946, fecha suas portas. O projeto de criação de um museu de arte moderna e contemporânea em Belo Horizo...

Texto

Abrir módulo

Histórico
Localizado no conjunto arquitetônico da Pampulha, projetado por Oscar Niemeyer (1907-2012) entre 1942 e 1944, o Museu de Arte da Pampulha (MAP) é inaugurado em 1957 no edifício onde funciona um cassino, que, com a proibição do jogo no país em 1946, fecha suas portas. O projeto de criação de um museu de arte moderna e contemporânea em Belo Horizonte visa atualizar culturalmente a capital mineira, que nos anos 1940 e 1950 assiste à significativa expansão física e populacional. Além de novos bairros - por exemplo, a Pampulha e Cidade Jardim, zonas residenciais de elite - o período conhece a instituição da Cidade Universitária (1944/1951) e de um distrito industrial, batizado de Cidade Industrial. Do ponto de vista artístico, a experiência da Escola Guignard, dirigida por Guignard (1896-1962), funciona como um espaço catalisador da produção local e formador de gerações de artistas plásticos de renome, como Amilcar de Castro (1920-2002), Farnese de Andrade (1926-1996), Franz Weissmann (1911-2005), Mary Vieira (1927-2001), Maria Helena Andrés (1922), Mário Silésio (1913-1990), entre muitos outros. A renovação cultural na época pode ser também aferida pelos projetos arquitetônicos de Eduardo Mendes Gusmão e Sylvio Vasconcellos e pelas revistas Edifício e Arquitetura e Engenharia, que dinamizam os debates sobre urbanismo, arte e arquitetura. A modernização do teatro com João Ceschiatti, João Etienne Filho e Pontes de Paula Lima, e a criação do Centro de Estudos Cinematográficos e da Revista de Cinema são outras iniciativas que permitem aferir a temperatura artística na cidade. Em relação às artes plásticas, destaca-se a 1ª Exposição de Arte Moderna, em 1944, com a participação de artistas de várias regiões do Brasil.

Fruto de uma encomenda do então prefeito de Belo Horizonte, Juscelino Kubitscheck (1902-1976),  para a construção de uma série de edifícios em torno de um lago artificial, o complexo da Pampulha prevê cinco edifícios: um cassino, um clube de elite, um salão de danças popular, uma igreja e um hotel, que não foi construído. A obra é projetada como um conjunto em que cada elemento é visto de forma independente e autônoma. Além disso, os edifícios são pensados em estreita relação com o entorno, que fornece a moldura natural e a inspiração para os desenhos e plantas. O centro do projeto, de acordo com a encomenda, deve ser o cassino. Não é à toa que ele tenha sido o primeiro edifício a ser construído. Do alto da península que domina o lago, o prédio do cassino é concebido a partir da alternância de volumes planos e curvos, de jogos de luz e sombra. O bloco posterior em semicírculo estabelece um contraponto em relação à ortogonalidade do salão de jogos. O rigor das retas é quebrado pela parede curva do térreo e pela marquise irregular. O sentido vertical em que estão dispostos os caixilhos, por sua vez, se opõe à horizontalidade da construção. As superfícies envidraçadas e as finas colunas que sustentam a marquise são outros elementos a dotar de leveza o conjunto. O uso do vidro - também na escadaria que liga o restaurante ao terraço - é mobilizado em função da luz e da comunicação entre interior e exterior. Nos jardins projetados por Burle Marx (1909-1994), esculturas de August Zamoyski (1893-1970), José Pedrosa(1915-2002) e Alfredo Ceschiatti (1918-1989).

O MAP - que passa a ser administrado pela Secretaria Municipal de Cultura - se destaca, sobretudo, pela organização de exposições dedicadas à arte contemporânea, nem tanto por seu acervo, formado por doações e pela atuação da Associação dos Amigos do MAP. O que não quer dizer que o museu não possua obras de artistas importantes, como Candido Portinari (1903-1962), Di Cavalcanti (1897-1976), Guignard, Alfredo Volpi (1896-1988), Oswaldo Goeldi (1895-1961), Antonio Dias (1944), Ivan Serpa (1923-1973), Tomie Ohtake (1913-2015), entre outros. Os sérios obstáculos à ampliação e conservação do acervo e as necessidades de modernização do espaço do museu levam à grande reforma de 1996, viabilizada pelo patrocínio do Banco Real e da Fundação Roberto Marinho. A partir desse momento, o museu conta com salas multimídia, biblioteca, café, bar, lojas etc., e tem sua infra-estrutura técnica e organização museológica renovadas. Exposições periódicas com obras do acervo, além da divulgação da produção contemporânea, fazem parte da agenda do museu, que ajuda a promover ainda o Salão Nacional de Arte de Belo Horizonte, do qual faz parte a Bolsa Pampulha para jovens artistas. Desde 1994 o museu está protegido por tombamento federal.

Obras 10

Abrir módulo
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Fantasia

Óleo sobre madeira
Reprodução Fotográfica Cleber Piovesana da Silva

Jovem

Desenho a lápis duro - 2h e hb
Reprodução Fotográfica Cleber Piovesana da Silva

Jovens

Desenho a lápis duro - 2h e hb

Exposições 195

Abrir módulo

Intervenções 1

Abrir módulo

Mostras audiovisuais 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 4

Abrir módulo
  • BRUAND, Yves. Arquitetura Contemporânea no Brasil. Tradução Ana M. Goldberger. 3. ed. São Paulo: Perspectiva, 1999.
  • FROTA, Lélia Coelho. Guignard: arte, vida. Rio de Janeiro: Campos Gerais, 1997.
  • SEGAWA, Hugo. Arquiteturas no Brasil, 1900-1990. 2.ed. São Paulo: Edusp, 1999.
  • UNDERWOOD, David Kendrick. Oscar Niemeyer e o modernismo de formas livres no Brasil. Tradução Betina Bischof. São Paulo: Cosac & Naify, 2002. 160 p., il. p&b.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: