Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.

Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Museu Bispo do Rosário Arte Contemporânea

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 18.05.2022
1982 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
Reprodução fotográfica Rafael Adorjan / Museu Bispo do Rosário Arte Contemporânea

Sem título [Semblantes]
Arthur Bispo do Rosario
Montagem escultórica - caixa de madeira caiada, tampa plástica de vaso sanitário e urinol de ferro tipo ágata
57,00 cm x 72,00 cm
Coleção Museu Bispo do Rosário Arte Contemporânea

O Museu Bispo do Rosário Arte Contemporânea (mBrac), localiza-se no Instituto Municipal de Assistência à Saúde Juliano Moreira, centro de saúde mental conhecido como “Colônia”, em Jacarepaguá, Zona Oeste do Rio de Janeiro. O museu é responsável por preservar, conservar e difundir a memória da Colônia e a obra de Arthur Bispo do Rosário (19...

Texto

Abrir módulo

O Museu Bispo do Rosário Arte Contemporânea (mBrac), localiza-se no Instituto Municipal de Assistência à Saúde Juliano Moreira, centro de saúde mental conhecido como “Colônia”, em Jacarepaguá, Zona Oeste do Rio de Janeiro. O museu é responsável por preservar, conservar e difundir a memória da Colônia e a obra de Arthur Bispo do Rosário (1911-1989), artista internado intermitentemente na instituição por quarenta e nove anos. Além de sua função museal, também opera como equipamento de saúde, desenvolvendo projetos que trabalham em função da abolição dos estigmas em torno de temas relacionados à saúde mental. 

O debate ao longo dos anos 1980 em torno da Reforma Psiquiátrica Brasileira1 estimula a produção artística dentro da Colônia como atividade expressiva. Assim, em 1982, é fundado o Museu Nise da Silveira2 para abrigar as obras produzidas na instituição. Além de Bispo do Rosário, outros pacientes se destacam pela atividade artística, como a poeta e artista Stela do Patrocínio (1941-1992), e o pintor Antônio Pedro Bragança (1904-1967). Com a morte de Bispo, o Museu integra em seu acervo as obras do artista e passa a se chamar, em 2000, Museu Bispo do Rosário. Em 2002, agrega “Arte Contemporânea” à sua denominação.

Com quatro galerias no prédio sede da Colônia, o mBrac atua através de três eixos fundamentais: Acervo, Exposições e o Pólo Experimental. O Pólo Experimental é o eixo que busca através de projetos a integração entre saúde, arte e educação com o objetivo de criar novas perspectivas sobre práticas artísticas e o cuidado em saúde mental. Destacam-se nesse eixo o Atelier Gaia e a Casa B.

O Atelier Gaia oferece espaço, suporte técnico e institucional para artistas que tiveram no seu percurso de vida a passagem pela Colônia, incentivando a sua produção artística. Além dos integrantes participarem de diversas exposições - como Lugares do Delírio3, que apresenta no Museu de Arte do Rio (2017) e no paulista SESC Pompeia (2018) uma reflexão política e estética sobre saúde mental e arte -, alguns artistas possuem obras em outros acervos, como Arlindo Oliveira (1951), que integra as coleções do Museu de Arte do Rio e do Museu Afro em São Paulo.

Já a Casa B oferece um programa de residências artísticas para o desenvolvimento de pesquisas que dialoguem com a comunidade e o mBrac. Alguns dos trabalhos desenvolvidos integram exposições do museu, como a instalação Paredes da Minha Casa (2018), de Daniel Murgel (1981), em que o artista toma como referência a obra Muro no Fundo da Minha Casa (s.d.), de Bispo do Rosário, para refletir sobre as condições de moradia de africanos escravizados no Brasil.

O acervo do mBrac é composto por mais de mil e quinhentos objetos, com diferentes características. Além da coleção de Arthur Bispo do Rosário - de relevância e circulação nacional e internacional, tombada pelo Instituto Estadual do Patrimônio Cultural (INEPAC) na década de 1990 e pelo IPHAN em 2018, possui obras que foram produzidas entre 1950 e 1980 por pacientes nos ateliês de arteterapia, e trabalhos de artistas vinculados ao Atelier Gaia.

As exposições, além de envolverem pesquisas relacionadas à obra de Bispo, exploram a atuação social na Colônia, incorporando como diretriz fundamental das mostras a memória do local, do próprio museu, da cidade, das práticas da psiquiatria, da arte e da loucura e suas relações.

A exposição Um Canto, Dois Sertões: Bispo do Rosário e os 90 Anos da Colônia Juliano Moreira (2015), por exemplo, contextualiza a obra de Bispo dentro de dois universos: a Colônia, onde vive grande parte de sua vida, e Japaratuba, em Sergipe, sua cidade natal. A mostra explora o paralelo entre a urbanização do Rio de Janeiro, a relação da sociedade com a loucura, e as mudanças ocorridas na Colônia, estabelecendo ligações com o contexto de criação de Bispo. Além de importantes obras do artista, como Manto da Apresentação (s.d.), foram expostos objetos do acervo da Colônia, e obras de outros artistas, como as pinturas de murais sobre Japaratuba de Marta Neves (1964).

Já a mostra Quilombo do Rosário (2018) parte de uma obra então inédita de Bispo, A África de Bispo (s.d.), um mapa do continente africano feito a mão, para relacionar, pela primeira vez em uma exposição, a obra do artista com a cultura afro-brasileira, ressaltando sua origem. Destaca-se na mostra a participação do Quilombo do Camorim, que através de uma roda de Jongo, dança de origem africana, apresenta relatos das vivências da região de Jacarepaguá.

A exposição Utopias: A vida para todos os tempos e glória (2021), por sua vez, reflete sobre a arte como materialização da imaginação utópica, tomando como referência a utopia no trabalho de Bispo e na própria atuação do mBrac. Destaca-se a instalação (Não) coma o Microfone (2021), de Veridiana Zurita (1982), uma rádio temporária de discussão sobre saúde mental e capitalismo, e a participação de trinta e duas crianças que integram o projeto Clubinho da Mata, de educação não formal, realizado pela Fiocruz Campus da Mata.

O Museu Bispo do Rosário Arte Contemporânea promove o debate sobre questões referentes à saúde mental e à arte contemporânea, buscando através de ações artísticas e educativas ativar a coleção Arthur Bispo do Rosário e relacionar-se com seu entorno, oferecendo um dispositivo cultural para a Zona Oeste do Rio de Janeiro. A instituição conserva um importante acervo nacional e incentiva o trabalho de artistas que passaram por instituições de assistência à saúde mental, colaborando com a integração psicossocial.

Notas

1. A Reforma Psiquiátrica Brasileira iniciou-se com o Movimento dos Trabalhadores em Saúde Mental (MTSM), em 1978, no período de redemocratização do país. A organização fez críticas ao modelo psiquiátrico clássico e às práticas de violência, abandono e exclusão, adotadas nos manicômios, e começou a discutir a desinstitucionalização como uma forma alternativa ao sistema asilar, buscando formas de criar autonomia e integração social para pessoas em sofrimento psíquico.

2. O nome do museu é uma homenagem à psiquiatra Nise da Silveira (1905-1999), que reformula a maneira de compreender suas visões de mundo dando voz ao universo interior dos pacientes. A primeira organização de natureza museal na Colônia, no entanto, data de 1952, quando é criado um departamento para abrigar a produção artística dos ateliês de arteterapia. O setor é nomeado Egas Moniz, em homenagem ao médico português Egas Moniz (1874-1955), criador da lobotomia, cirurgia irreversível que “acalmava” pacientes agressivos, deixando-os em estado semivegetativo.

Obras 21

Abrir módulo
Reprodução fotográfica: Rafael Adorjan / Museu Bispo do Rosário Arte Contemporânea

Sem título [Canecas]

Montagem, perfuração, pintura e escrita
Reprodução fotográfica Rafael Adorjan / Museu Bispo do Rosário Arte Contemporânea

Sem título [Confetes]

Montagem e carpintaria

Exposições 21

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 9

Abrir módulo

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: