Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.



Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Estúdio Branco & Preto

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 19.11.2015
1952 Brasil / São Paulo / São Paulo
1970 Brasil / São Paulo / São Paulo
O Estúdio Branco & Preto, uma loja de arquitetura e design, é inaugurado no fim de 1952, em São Paulo. Existente até 1970, é um dos precursores da arquitetura de interiores e da mobília de inspiração moderna no Brasil. O estúdio é gerido pelos arquitetos Miguel Forte (1915-2002), Jacob Ruchti (1917-1974), Plínio Croce (1921-1984), Roberto Aflalo...

Texto

Abrir módulo

Histórico
O Estúdio Branco & Preto, uma loja de arquitetura e design, é inaugurado no fim de 1952, em São Paulo. Existente até 1970, é um dos precursores da arquitetura de interiores e da mobília de inspiração moderna no Brasil. O estúdio é gerido pelos arquitetos Miguel Forte (1915-2002), Jacob Ruchti (1917-1974), Plínio Croce (1921-1984), Roberto Aflalo (1926-1992), Carlos Millan (1927-1964) e pelo arquiteto chinês Chen Y Hwa. Com exceção deste último, que chega ao Brasil em 1952 e se emprega no escritório de Croce e Aflalo, todo o grupo se forma na faculdade de arquitetura e urbanismo do Mackenzie. O interesse pela arquitetura moderna é denominador comum dos jovens arquitetos que, ao perceberem a lacuna que há no mercado de mobília moderna em São Paulo no início dos anos 1950, criam uma loja que oferece uma alternativa de gosto moderno à elite paulistana.

O curso de arquitetura do Mackenzie ainda é muito conservador nos anos 1930 e 1940. O arquiteto Christiano Stockler das Neves (1889-1982), então professor e diretor, mantém uma visão crítica do modernismo. Com um ideal de estética neoclassicista, o curso forma "arquitetos de fachada",1 como afirma a pesquisadora Marlene Acayaba. O grupo de jovens que funda o Estúdio Branco & Preto, todavia, nutre seu interesse pela arquitetura moderna. Graduados na década de 1930, Jacob Ruchti e Miguel Forte se aproximam, durante o curso, de dois arquitetos da primeira geração modernista no Brasil: o italiano Rino Levi (1901-1965) e o ucraniano Gregori Warchavchik (1896-1972). A convivência na casa de Mina Klabin, esposa de Warchavchik, lhes permite conhecer o arquiteto norte-americano Philip Johnson (1906-2005) e o arquiteto alemão Mies Van der Rohe (1886-1969). Plínio Croce e Roberto Aflalo, que se graduam no final dos anos 1940, e Carlos Millan, formado no início dos anos 1950, também se distanciam da arquitetura ensinada na faculdade, admirando o vienense Richard Neutra (1892-1970) e Marcel Breuer (1902-1981).

O ambiente da São Paulo dos anos 1940 e 1950 traz renovações não só na cidade, que se expande, mas nos campos da arte e da arquitetura. Em 1947, é fundado o Museu de Arte de São Paulo Assis Chateubriand (Masp), seguido da fundação do Museu de Arte Moderna de São Paulo (MAM/SP), em 1948. Em 1951, é inaugurada a 1ª Bienal de São Paulo. Mais tarde, o Masp cria o Instituto de Arte Contemporânea (IAC). Essas transformações abrem espaço para a arquitetura moderna e para a ideia de um modernismo brasileiro. Participando desse processo, os jovens passam a trabalhar em escritórios e a projetar residências e edifícios, entre outros. Diante da tarefa de mobiliar uma casa moderna, deparam-se com cópias de desenhos estrangeiros. São poltronas e sofás grandes, com espumas e estofados, que destoam do novo estilo das residências. Além da loja do designer Joaquim Tenreiro (1906-1992), no Rio de Janeiro, que em 1950 abre filial em São Paulo, e da Móveis Z, do designer Zanine Caldas (1919-2001), aberta em 1947 na capital paulista, as opções de mobília moderna ainda são limitadas.

Proposta por Roberto Aflalo aos outros amigos, a loja é inaugurada em dezembro de 1952, no centro da cidade. Para sua abertura, o grupo prepara não apenas móveis, como também cortinas, luminárias, tapetes e afins. Seguindo a ideia de Frank Lloyd Wright (1867-1959), que pensa a casa de dentro para fora, a mobília é entendida como “complemento da arquitetura”. Com preços altos e voltada para a elite paulistana, a loja atende muitas vezes a clientes que têm suas casas assinadas por um dos arquitetos do grupo. O projeto de mobiliário é pensado, frequentemente, com adaptações para cada residência. Madeiras brasileiras, como o jacarandá-da-bahia, a cabreúva e o pau-marfim, são combinadas com vidro, ferro, fórmica e mármore calacata na manufatura dos móveis. Feitos de forma racional e geométrica, eles apresentam leveza e simplicidade. Uma de suas características são os pés palito, uma das marcas do móvel moderno. Dentre os móveis produzidos estão a poltrona MF5, a mesa de ripas e a escrivaninha Millan.

O Estúdio Branco & Preto faz parte, então, do movimento dos anos 1950 no qual arquitetos brasileiros passam a fabricar mobília moderna. Dois anos depois de sua inauguração, é inaugurada a fábrica Unilabor. Um ano mais tarde, o designer francês Michel Arnoult (1922-2005) inaugura a Mobília Contemporânea. Ambas localizadas em São Paulo e que também visam o público com gosto alternativo, mas divergem do Branco & Preto na maneira de produzir suas peças. Enquanto suas poltronas e mesas são fabricadas de forma industrial, os móveis do Branco & Preto são executados artesanalmente e em pequena quantidade. Sem compensados de madeira ou parafusos e tarraxas aparentes, são produtos da alta marcenaria.

O nome Branco & Preto remete aos tecidos, feitos especialmente para a loja pela fábrica Lanifício Fileppo. Cores como o bege e o cinza, de estofamentos e cortinas, são combinadas com listras brancas ou pretas. A sobriedade dos tons e as listras dialogam com o concretismo nas artes e revelam o distanciamento em relação a brilhos, estampas figurativas e excessos de ornamentos presentes em lojas de decoração da época. Ao se lembrar do Branco & Preto, o arquiteto Roberto Carvalho Franco (1926-2001) afirma que a loja causou “um grande impacto” e permitiu “que uma parcela da sociedade percebesse o sentido do design de móveis”.2

Notas
1 ACAYABA, Marlene Milan. Branco & preto: uma história do design brasileiro dos anos 50. São Paulo: Instituto Lina Bo e P.M. Bardi, 1994. p. 27.
2 Idem p. 69.

 

Fontes de pesquisa 1

Abrir módulo
  • ACAYABA, Marlene Milan. Branco & Preto: uma história de design brasileiro nos anos 50. Sao Paulo: Instituto Lina Bo e P. M. Bardi, 1994. 120 p.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: