Artigo da seção grupos Tupinambá Lambido

Tupinambá Lambido

Artigo da seção grupos
Artes visuais  
Data de criação da obra Tupinambá Lambido: 2016 Local de crição: (Brasil / Rio de Janeiro)

Tupinambá Lambido é um grupo de artistas e pesquisadores da cidade do Rio de Janeiro que busca provocar reflexões sobre as questões políticas e sociais e ampliar o alcance da produção artística por meio de ações com lambe-lambes de rua. Devido à crítica incisiva que produz e ao uso do espaço urbano não autorizado, o grupo assume o anonimato.

Formado em 2016 por artistas de gerações e referências distintas, e sem apoio de organizações formais de arte, como galerias, o grupo “nasce como reação ao golpe que levou ao processo de impeachment da presidenta Dilma Rousseff e ao contexto político que se instaurou desde então no Brasil.”1 O nome é inspirado na etnia indígena brasileira Tupinambá, conhecida por seus guerreiros e pela resistência à dominação colonial portuguesa.
 
Apesar das características diferentes dos integrantes, os trabalhos se aproximam pela apropriação de signos utilizados pelo Estado, pela imprensa, pelo capitalismo, como logotipos de empresas e fotos jornalísticas, de modo a subverter e promover questionamentos sobre a cena política e social. Os cartazes no modelo lambe-lambe, de 1,9 metro de altura por 3 metros de largura, são utilizados como suportes das produções devido à ligação com as mídias de comunicação de massa, ao baixo custo e à proximidade da serigrafia com as artes visuais.
 
A primeira campanha acontece durante uma greve geral em 2017, com 300 cartazes espalhados na região metropolitana do Rio de Janeiro. A crise política é tema das produções, que mostram figuras de políticos ao lado de palavras, como golpe, e de frases retiradas de diálogos sobre as investigações de lavagem de dinheiro no governo federal, divulgados em veículos jornalísticos no ano anterior.
 
Em 2018, ocorre a segunda campanha, também no Rio de Janeiro, com seis cartazes de mesmo padrão de tiragem e dimensão e um curta-metragem sobre a primeira campanha do grupo e a situação política no país. O filme integra a programação de festivais de cinema em vários países ao redor do mundo, totalizando 30 exibições.
 
Durante 2020, em meio à crise acarretada pela pandemia da covid-19, o grupo faz uma nova campanha no estado do Rio de Janeiro, com a participação de dois artistas convidados, apresentando 150 cartazes nas ruas. Próximo ao Theatro Municipal, são colocados cartazes que fazem referência ao vírus e à inclusão das mulheres nas decisões políticas. Outros contêm anagramas com as letras A, O, P, R, S, T, formando as palavras “pastor”, “rapto” e “tropas”. Em outros pontos da cidade, são feitos lambe-lambes com o desenho da bandeira do Brasil, com frases como “passando a boiada”, proferida por um dos ministros do governo de Jair Bolsonaro (1955).
 
Em 2021, com a impossibilidade de utilizar as ruas, o grupo passa a trabalhar com projeções de grande escala no período noturno, iniciando com as imagens dos lambes utilizados em suas campanhas anteriores. 
 
Imerso no mundo político-social brasileiro, Tupinambá Lambido exerce ações que buscam provocar reflexões sobre a situação brasileira, utilizando signos propagados pelos meios de comunicação de massa e subvertendo-os no tecido urbano dentro de uma lógica poética

 

Nota:

1. FERNANDES, Thiago. Atrocidades Maravilhosas e Tupinambá Lambido: 20 anos de arte e mídia tática com lambe-lambes no Rio de Janeiro. Nuvem Arte e Crítica, [Rio de Janeiro], 8 ago. 2019. Disponível em: https://nuvemcritica.com/2019/08/08/atrocidades-maravilhosas-e-tupinamba-lambido-20-anos-de-arte-e-midia-tatica-com-lambe-lambes-no-rio-de-janeiro/. Acesso em: 18 mar. 2021.

Exposições (1)

Fontes de pesquisa (6)

  • FERNANDES, Thiago. Atrocidades Maravilhosas e Tupinambá Lambido: 20 anos de arte e mídia tática com lambe-lambes no Rio de Janeiro. Nuvem Arte e Crítica, [Rio de Janeiro], 8 ago. 2019. Disponível em: https://nuvemcritica.com/2019/08/08/atrocidades-maravilhosas-e-tupinamba-lambido-20-anos-de-arte-e-midia-tatica-com-lambe-lambes-no-rio-de-janeiro/. Acesso em: 18 mar. 2021.
  • FESTIVAL Visões Periféricas. Tupinambá Lambido. Imaginário digital, [s.l., s.d.]. Disponível em: https://imaginariodigital.org.br/visoes-perifericas/2019/filme/tupinamba-lambido. Acesso em: 12 mar. 2021.
  • GOMES, Patrícia. Tupinambá Lambido. Arte contra a atual necropolítica brasileira. Wall Street International, [s.l.], 20 out. 2020. WArte. Disponível em: https://wsimag.com/pt/arte/63750-tupinamba-lambido. Acesso em: 12 mar. 2021.
  • PRIMEIRAMENTE: o Tupinambá Lambido. RIOetc, Rio de Janeiro, 31 maio 2017. Disponível em: https://www.rioetc.com.br/galeria-urbana/primeiramente-o-tupinamba-lambido/.  Acesso em: 12 mar. 2021.
  • TUPINAMBÁ LAMBIDO. Instagram: @tupinambalambido. [S.l., s.d.]. Disponível em: https://www.instagram.com/tupinambalambido/. Acesso em: 12 mar. 2021.
  • TUPINAMBÁ Lambido. [Currículo]. Enviado pelo grupo em: 11 mar. 2021.

Como citar?

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

  • TUPINAMBÁ Lambido. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2021. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/grupo636242/tupinamba-lambido>. Acesso em: 12 de Mai. 2021. Verbete da Enciclopédia.
    ISBN: 978-85-7979-060-7