Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Música

Os Mutantes

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 23.10.2019
1966
1978
Grupo musical formado em São Paulo, em 1966, originalmente composto por Rita Lee (1947) e pelos irmãos Arnaldo Baptista (1948) e Sérgio Dias (1951). Antes, Arnaldo atua como baixista da banda Wooden Faces, e Rita divide-se entre o conjunto Teenage Singers e o trio Danny, Chester & Ginny. 

Texto

Abrir módulo

Grupo musical formado em São Paulo, em 1966, originalmente composto por Rita Lee (1947) e pelos irmãos Arnaldo Baptista (1948) e Sérgio Dias (1951). Antes, Arnaldo atua como baixista da banda Wooden Faces, e Rita divide-se entre o conjunto Teenage Singers e o trio Danny, Chester & Ginny. 

Em 1965, com ex-integrantes dos Wooden Faces e das Teenage Singers, Arnaldo, Rita e Sérgio formam o Six Sided Rockers, rebatizado como O’Seis. Especializado em blues e covers, o grupo faz experiências sonoras, apresentando peças de compositores eruditos em versões roqueiras. A carreira de O’Seis dura pouco mais de um ano, período em que frequentam programas de televisão, como o Jovem Guarda (TV Record), e gravam um compacto simples.

Com o fim do conjunto, Arnaldo, Rita e Sérgio criam os Mutantes. Em 1966, o trio participa da estreia de O Pequeno Mundo de Ronnie Von (TV Record) e torna-se atração fixa do programa, interpretando sucessos internacionais e temas eruditos. O trio passa a tocar em outras atrações da emissora e, em 1967, recebe o convite para se apresentar no 3º Festival de Música Popular Brasileira da TV Record, ao lado do compositor Gilberto Gil (1942), que classifica duas canções na disputa, “Bom Dia” e “Domingo no Parque”. Com arranjo do maestro Rogério Duprat (1932-2006), “Domingo no Parque” dá a Gil o segundo lugar na competição e projeta os Mutantes nacionalmente.

O figurino dos jovens é chamativo, e a performance investe no bom humor, sem receio de causar polêmica. Musicalmente, Arnaldo (baixo, teclados e vocal), Sérgio (guitarra e vocal) e Rita (vocal, flauta e percussões eventuais) mostram um rock moderno e elaborado, sem a ingenuidade do iê-iê-iê1

Cosmopolita e com apelo comercial, o trio torna-se expoente da tropicália, movimento musical encabeçado por Caetano Veloso (1942) e Gilberto Gil que agita a cultura brasileira entre 1967 e 1968. No disco-manifesto Tropicália ou Panis et Circensis (1968), os Mutantes participam de cinco faixas: “Panis et Circenses” (Caetano Veloso, Gilberto Gil), “Miserere Nóbis” (Gilberto Gil, Capinan [1941]), “Parque Industrial” (Tom Zé [1936]) , “Bat Macumba” (Gil, Caetano) e “Hino ao Senhor do Bonfim da Bahia” (João Antonio Wanderley [1879-1927]). 

Destacam-se como uma das principais atrações do Divino Maravilhoso (TV Tupi, 1968), programa no qual os tropicalistas divulgam ideias e canções. No mesmo ano, o trio lança seu primeiro LP, Os Mutantes, e grava, com Caetano Veloso, o compacto Ao Vivo.

Nos trabalhos iniciais, a presença de Rogério Duprat é marcante. Experiente em música contemporânea e empolgado com a atitude irreverente do grupo, o maestro contribui para organizar e realizar as ideias dos jovens artistas.  

Em 1969, os Mutantes transformam-se em quinteto com o baterista Ronaldo Poliseli Leme (1949), o Dinho, e o baixista Arnolpho Lima Filho (1951), o Liminha. No mesmo ano, lançam Mutantes, com maior repertório autoral.

As apresentações do grupo são verdadeiros happenings: para cantar “Caminhante Noturno” (Arnaldo Baptista, Rita Lee, Sérgio Dias) no 3º Festival Internacional da Canção, Arnaldo sobe ao palco vestido de arlequim; Sérgio, com a indumentária de toureiro, e Rita, com vestido de noiva, véu e grinalda. 

Rapidamente, os Mutantes conquistam outros espaços. No cinema, participam de As Amorosas (1968), filme de Walter Hugo Khouri (1929-2003). Na publicidade, estrelam campanha da marca Shell em comerciais televisivos e anúncios na forma de histórias em quadrinhos e são atração dos desfiles promovidos pela empresa Rhodia, em 1969. No mesmo ano, escrevem e produzem o musical Planeta dos Mutantes, encenado no Teatro Casa Grande, no Rio de Janeiro. 

Fundamental na trajetória dos Mutantes é o luthier Claudio César Baptista (1945), irmão mais velho de Arnaldo e Sérgio. Ele é o responsável pelos instrumentos musicais e equipamentos de som do grupo. Sua criação mais famosa é a Guitarra de Ouro usada por Sérgio Dias, inspirada no design dos violinos Stradivarius. 

Certas inovações são idealizadas pelos integrantes do conjunto. Na gravação de “Le Premier Bonheur du Jour” [Jean Renard (1933), Franck Gérald (1928-2015)], o som do chimbal da bateria é substituído por uma bomba de Flit (vaporizador antigo) levada ao estúdio por Rita Lee.

Em 1972, lançam Mutantes e Seus Cometas no País dos Baurets, último disco com Rita Lee no grupo, dando início a uma nova fase na linha do rock progressivo. As músicas tornam-se mais longas, instrumentais e com muita improvisação.

Em 1973, após desentendimentos, Arnaldo Baptista sai do grupo, seguido de Dinho e Liminha. Sérgio tenta dar sobrevida aos Mutantes, e vários tecladistas passam pelo grupo. Em 6 de junho de 1978, a banda faz a última apresentação, em Ribeirão Preto, São Paulo.

Em 2006, motivados por uma homenagem prestada à banda na mostra Tropicália – A Revolution in Brazilian Culture, promovida pelo centro cultural inglês Barbican Hall, em Londres, Arnaldo, Sérgio e Dinho voltam a se reunir – Rita e Liminha declinam do convite. Com a cantora Zélia Duncan (1964) completa a formação, e o grupo apresenta-se na Inglaterra, nos Estados Unidos e no Brasil. O registro dos concertos londrinos sai em CD e DVD, sob o título Mutantes ao Vivo Barbican Theatre. Um ano depois, Arnaldo e Zélia deixam o conjunto.   

Após 35 anos, a banda lança um álbum inédito em 2009, Haih... Or Amortecedor. Em 2013, lança o CD Fool Metal Jack, cujo título parodia o nome do filme Full Metal Jacket (Nascido para matar), do diretor estadunidense Stanley Kubrick (1928-1999). Compõem a nova formação do grupo: Sérgio Dias, Esmeria Bulgari (voz e percussão), Vinicius Junqueira (baixo), Vítor Trida (guitarra e voz), Amy Crawford (teclado e voz) e Ani Cordero (bateria, percussão e voz).

Notas

1. Rótulo dado à música do programa Jovem Guarda, inspirado no refrão de “She loves you” (1964) dos grupo britânico The Beatles.

Fontes de pesquisa 5

Abrir módulo
  • CALADO, Carlos. A divina comédia dos Mutantes. São Paulo: Ed. 34, 1995.
  • CALADO, Carlos. Tropicália: a história de uma revolução musical. São Paulo: Ed. 34, 1997. 336 p. (Coleção Todos os Cantos).
  • FAVARETTO, Celso. Tropicália: alegoria alegria. 2 ed. São Paulo: Ateliê Editorial, 1996.
  • INSTITUTO Memória Musical Brasileira. Disponível em: http://www.memoriamusical.com.br. Acesso em: 15 maio 2014
  • VELOSO, Caetano. Verdade Tropical. Companhia das Letras, 1997.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: