Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Música

As Galvão

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 27.09.2017
Dupla sertaneja, cantoras, instrumentistas. Protagonistas do mais duradouro duo brasileiro, as irmãs Mary [(Mary Zuil Galvão (Ourinhos, São, Paulo 1940)] e Marilene [(Marilene Galvão (Palmital, São Paulo, 1942)] são uma das poucas duplas femininas a sobreviver por décadas num ambiente dominado por homens, quando o papel de mãe e dona de casa ger...

Texto

Abrir módulo

Histórico

Dupla sertaneja, cantoras, instrumentistas. Protagonistas do mais duradouro duo brasileiro, as irmãs Mary [(Mary Zuil Galvão (Ourinhos, São, Paulo 1940)] e Marilene [(Marilene Galvão (Palmital, São Paulo, 1942)] são uma das poucas duplas femininas a sobreviver por décadas num ambiente dominado por homens, quando o papel de mãe e dona de casa geralmente colocava fim à carreira das mulheres. Tendo a escuta marcada pelos grandes sucessos da Rádio Nacional, como Francisco Alves (1898-1952), Orlando Silva (1915-1978) e Linda Batista (1919-1988), iniciam em 1947 na Rádio Marconi de Paraguaçu Paulista, onde vivem parte da infância.

Participam de uma geração já adaptada à duração do disco de 78 rotações, mas ainda próxima às manifestações culturais do interior e das bordas da cidade. Contribuem para a ampliação do campo da música caipira através da inclusão de gêneros como o recortado, a guarânia e a polca paraguaia, casando sonoridades que têm como pano de fundo a cultura ibero-indígena. Nos anos 1950, soma-se a influência da música mexicana, com os corridos e rancheiras. Outro aspecto do período é que se tornam cada vez mais comuns as duplas formadas por irmãos, por dar coesão aos timbres. A partir dessa geração, cantar em dupla se torna quase sinônimo de fazer música sertaneja.

Em 1950, a família muda-se para Assis, onde elas cantam na Rádio Difusora, e depois vão para Maringá, trabalhando na Rádio Cultura. Incentivadas pelo pai, aprendem a tocar sanfona (Mary) e violão (Marilene). Passam a atuar também em circos. Por influência das Irmãs Castro – intérpretes do corrido “Beijinho Doce” (Nhô Pai), que depois se torna uma das músicas centrais do repertório das Galvão – tentam a carreira em São Paulo. Cantam no programa Torre de Babel, na Rádio Piratininga, em 1952. No ano seguinte vão para a Rádio Nacional de São Paulo, integrando o elenco da Ronda dos Bairros, ao lado de Emilinha Borba (1923-2005), Marlene (1922-2017) e Cauby Peixoto (1931-2016). Ao assumir um estilo mais relacionado ao sertanejo, aos poucos perdem espaço na programação da emissora. Em 1953 fazem breve temporada no Domingo Alegre (Rádio Cultura), passando depois a ter seu próprio programa na Rádio Bandeirantes.

Convidadas por Palmeira, compositor e diretor artístico da RCA, gravam “Rincão Guarani”, versão dele para uma polca paraguaia, além de composições de Teddy Vieira ( 1922-1965) e Lourival dos Santos (1917-1997). Excursionam pelo interior do estado ao lado do humorista Comendador Biguá. Em 1956 gravam outros três 78 RPM, agregando ao repertório composições de Anacleto Rosas Jr. e Elpídio dos Santos. Em 1960 lançam o primeiro LP, Apaixonada. Ainda na Rádio Bandeirantes, lançam seu último 78 RPM num programa de MPB, contrariando a orientação da emissora de não executar uma moda de viola em horário nobre. Deixam a estação no final de 1963 e são contratadas pela Rádio Nove de Julho. Em 1964 a família Galvão adquire o circo de Nhô Pai, mas encerrariam as atividades depois de um semestre.

Após uma pausa em que ambas decidem se dedicar à maternidade, em 1972 voltam a gravar e a fazer turnês. Defendem a canção “Riozinho” (José Fortuna e Carlos César) no II Festival Record da Música Sertaneja (1979), conquistando o primeiro lugar. A partir de sua participação na Festa do Peão de Barretos nos anos 70, incorporam em suas performances a catira, dança eminentemente masculina.

Em 1980 lançam o LP Cantigas da Minha Terra, cujo repertório traz toadas, pagodes, cururu e catira, e compositores ligados à MPB. No mesmo ano, participam da estreia do programa Viola Minha Viola, apresentado por Moraes Sarmento (1922-1998) e Inezita Barroso (1925-2015). Com o fim das contratações para o rádio nos anos 80, sua última participação no cast de uma emissora é para o programa Linha Sertaneja Classe A, na Rádio Record. Participam do Projeto Musical Funarte com o espetáculo Emoção-Amor, dividido com Nora Ney (1922-2003). Em 1981 gravam o LP Para todo o Sempre, com releituras de clássicos caipiras, além de uma homenagem às Irmãs Castro, Mário Zan (1920-2006), Cascatinha & Inhana e Duo Brasil Moreno, com arranjos de Robertinho do Acordeom (1939-2006) e Seu Regional. No mesmo ano participam do projeto Canto da Terra, ao lado do maestro Mário Campanha, que se torna o produtor, arranjador, diretor artístico da dupla e marido de Mary. A partir de Campanha, a instrumentação – até então centrada praticamente no violão e sanfona – passa a contar com bateria, contrabaixo e guitarra em seus arranjos, tendência já aderida a partir dos anos 60 por duplas como Léo Canhoto & Robertinho, Milionário & José Rico e pelo cantor Sérgio Reis (1940).

Em 1985, sob a influência da lambada, gravam “No Calor dos Teus Abraços” (Niceas Drumont e Cecílio Nena), com a qual obtêm o primeiro disco de ouro. Em 1992 lançam o CD Lembranças, no qual fazem releituras de sucessos da MPB. Vencedor do Prêmio Sharp e trabalho que as populariza em Portugal, o álbum fica, porém, fora de catálogo por conta de uma questão de direitos autorais entre a Warner e o compositor Baden Powell (1937-2000), parceiro de Vinícius de Moraes (1913-1980) na faixa “Apelo” – somente em 2002 as cantoras conseguem na Justiça o direito ao máster.

Por sugestão da numerologia, suprimem “Irmãs” do nome da dupla, e passam a se chamar apenas “As Galvão”, a partir do CD Nóis e a Viola. Indicado ao Grammy de 2002, traz a participação do ator Jackson Antunes declamando os versos de “Cabocla Tereza” e solos de Marilene nas faixas “Triste Berrante” (Adauto Santos) e “Aquela Flor” [Alvarenga (1912-1978)]. Quando relançado, inclui a faixa “Habanera da Esperança” (M. Panella, versão de Wanderlei Pereira), trilha da novela Canavial de Paixões (2003) do SBT. Participam dos projetos O Dom de Ser Caipira (2003), O Brasil Caboclo de Cornélio Pires (2007) e Brasil Clássico Caipira (2009).

Apesar da longevidade e da produção extensa, a trajetória da dupla é representativa da cisão entre a “Música Popular Brasileira” e a música caipira ou sertaneja. Conforme aponta Vilela (2016: 132), talvez pela “depreciação sócio-histórica a que foi submetido o caipira migrante na cidade grande durante o êxodo rural (...) sua música passou a ser tratada como menor”, de modo que “ela sequer foi entendida como um braço da MPB”.

Notas

VILELA, Ivan. Canonizações e esquecimentos na música popular brasileira. Revista USP. São Paulo, n. 111, p. 125-134, out./nov./dez. 2016.

 

 

Fontes de pesquisa 7

Abrir módulo
  • ALBIN, Ricardo Cravo. MPB mulher. Apresentação Eduardo Karrer et al.; fotografia Mario Luiz Thompson. Rio de Janeiro: Instituto Cultural Cravo Albin, 2006. 194 p., il.
  • AS GALVÃO. Site oficial da dupla. Disponível em: http://www.asgalvao.com.br. Acesso em: 23 set. 2017.
  • IRMÃS GALVÃO. Entrevista da dupla para o site Gafieiras. Disponível em: http://gafieiras.com.br/entrevistas/irmas-galvao/1/. Acesso em: 23 set. 2017.
  • MONTEIRO, Maikel. Dossiê As Galvão: as soberanas – 70 anos de estrada. Curitiba: Editora Inverso, 2017. 210 p.
  • NEPOMUCENO, Rosa. Música Caipira: da roça ao rodeio. São Paulo: Editora 34, 1999.
  • VILELA, Ivan. Canonizações e esquecimentos na música popular brasileira. Revista USP. São Paulo, n. 111, p. 125-134, out./nov./dez. 2016.
  • VILELA, Ivan. Cantando a própria história: música caipira e enraizamento. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2013. 328 p.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: