Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.

Enciclopédia Itaú Cultural

Titãs

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 10.11.2022
Titãs é um grupo musical de rock formado na cidade de São Paulo em 1982, composto originalmente por nove integrantes. A trajetória da banda é representativa das transformações do rock brasileiro do final do século XX e início do século XXI. Os Titãs protagonizaram mudanças significativas no estilo musical, marcadas pela originalidade de suas com...

Texto

Abrir módulo

Titãs é um grupo musical de rock formado na cidade de São Paulo em 1982, composto originalmente por nove integrantes. A trajetória da banda é representativa das transformações do rock brasileiro do final do século XX e início do século XXI. Os Titãs protagonizaram mudanças significativas no estilo musical, marcadas pela originalidade de suas composições e pelo rigor de sua produção musical. 

A primeira formação da banda contava com Arnaldo Antunes (1960), Branco Mello (1962), Ciro Pessoa (1957-2020), Marcelo Fromer (1961-2001), Nando Reis (1963), Paulo Miklos (1959), Sérgio Britto (1959), Tony Bellotto (1960) e André Jung (1961), sendo este substituído por Charles Gavin (1960) em 1984. Com exceção de Bellotto e Gavin, todos integrantes dos Titãs estudam e tornam-se amigos no Colégio Equipe, em São Paulo, na década de 1970. O grupo é formado em 1982 a partir dos integrantes de três conjuntos distintos: Mello, Fromer e Bellotto, do Trio Mamão e as Mamonetes; Arnaldo Antunes e Paulo Miklos do grupo Aguilar e a Banda Performática, e Nando Reis do grupo Sossega Leão. Ciro Pessoa não atua em nenhum conjunto anterior aos Titãs. O noneto atua pela primeira vez sob o nome de Titãs do Iê-Iê em agosto de 1982 no teatro Lira Paulistana. Em 1984, Pessoa sai do grupo, que encurta o nome para Titãs e assina contrato com a gravadora WEA. O primeiro disco, Titãs (1984) é bem recebido pela crítica com "humor surpresa, rock amalucado e sem rejeitar gêneros"1, que destaca também a formação excepcional da banda: todos os membros são compositores, e cinco deles, cantores. O álbum seguinte, Televisão (1985), produzido por Lulu Santos (1953), reafirma a ironia e as influências dos integrantes vindos das artes performativas e visuais – exemplificadas nas coreografias e no comportamento de palco e na atuação do grupo em videoclipes, como o da canção "Televisão" –, bem como da poesia concreta, em letras como a de "Babi índio".

A partir da sonoridade punk, a banda promove uma revisão musical no álbum seguinte, Cabeça dinossauro (1986), que se torna o primeiro grande sucesso de vendas dos Titãs. Produzido por Liminha (1951), o disco traz uma unidade sonora calcada nas guitarras de Bellotto e Fromer e expõe uma revisão de valores sociais e políticos em canções como "Polícia", "Igreja" e "Estado violência". A ironia lírica dos compositores, característica da banda, está presente em "Bichos escrotos", "Família" e "Homem primata". Em retrospectiva musical promovida pela imprensa, a crítica garante a Cabeça dinossauro o título de melhor disco de rock da década de 1980. Essa colaboração com Liminha rende uma trilogia com outros dois discos igualmente bem-sucedidos: Jesus não tem dentes no país dos banguelas (1987) e Õ blésq blom (1989), álbum que consolida a carreira do grupo ao apresentar uma "alta sofisticação intelectual e tecnológica aliada à brutalidade"2, presente nos versos sintéticos "antipanfletários" das letras, inspiradas pela poesia concreta, e na produção musical que converge a sonoridade punk aos sintetizadores e baterias eletrônicas.

Em Tudo ao mesmo tempo agora (1991), os oito integrantes decidem pela primeira vez assinar a produção do disco. Com a ascensão midiática de estilos musicais diversos, como o sertanejo, a axé music e o pagode, o rock perde o protagonismo na indústria fonográfica brasileira, e o álbum frustra as expectativas da banda. No ano seguinte, no décimo aniversário do grupo, Arnaldo Antunes deixa os Titãs. Em 1993 é lançado o disco Titanomaquia, primeira colaboração da banda com o produtor norte-americano Jack Endino (1964), que produz todos os discos da banda até 2005, com exceção de Acústico MTV (1997). Produzido por Liminha, este disco gravado ao vivo conta com a participação do músico jamaicano Jimmy Cliff (1944), do argentino Fito Paez (1963) e de Marisa Monte (1967) e se torna o grande recordista de vendas da história dos Titãs, alcançando, em cinco meses, um milhão de cópias vendidas.

Em 2001, Marcelo Fromer morre durante a pré-produção de A melhor banda de todos os tempos da última semana. Mantendo os arranjos esboçados por Fromer, a banda convida o guitarrista Emerson Villani (1972) para a gravação e a turnê do disco. "Epitáfio" se torna a canção dos Titãs com o maior número de execuções públicas no século XXI. No ano seguinte, Nando Reis deixa a banda. O grupo segue como quinteto em mais dois discos de estúdio: Como estão vocês? (2003) e Sacos plásticos (2009). Em 2010 é a vez do baterista Charles Gavin deixar o grupo. A banda lança Nheengatu (2014) e Nheengatu ao vivo (2015) e se torna um trio com a saída de Paulo Miklos em 2016. Os três integrantes remanescentes, Tony Bellotto, Branco Mello e Sérgio Britto, criam a ópera rock Doze flores amarelas (2018) e, em comemoração às duas décadas do Acústico MTV, lançam o EP Titãs trio acústico (2020).

Depois da consolidação como prestigiado grupo musical brasileiro nos anos 1980, a banda decresce em número de integrantes ao longo dos anos, até chegar ao formato de trio em 2016. A mudança estrutural se reflete, a partir da década seguinte, numa produção musical mais heterogênea, com a participação de diferentes músicos e produtores, mas ainda frequente.

Notas
1. "Titãs chegam com humor surpresa e um rock amalucado". SOUZA, Tarik de. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 14 set. 1984. Caderno B.
2.  VELOSO, Caetano. Release do álbum Õ Blésq Blom, 1989.

Obras 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 3

Abrir módulo
  • DAPIEVE, Arthur. BRock: o rock brasileiro dos anos 80. Rio de Janeiro: Editora 34, 1995.
  • RODRIGUES, Apoenan. "Titãs chegam com humor surpresa e um rock amalucado". Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 18 out. 1989. Caderno B.
  • SOUZA, Tarik de. "Titãs chegam com humor surpresa e um rock amalucado". Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 14 set. 1984. Caderno B.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: