Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Teatro

Grupo Teatral Magiluth

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 24.09.2019
Brasil / Pernambuco / Recife
Desde sua criação em 2004, a produção do Magiluth é marcada pela diversidade de propostas estéticas, assentada no trabalho colaborativo dos atores. A pesquisa de linguagem leva o grupo a experimentar de dramaturgias autorais a textos consagrados. Em seu repertório, o grupo mantém espetáculos de rua e para palcos convencionais. As pesquisas de at...

Texto

Abrir módulo

Desde sua criação em 2004, a produção do Magiluth é marcada pela diversidade de propostas estéticas, assentada no trabalho colaborativo dos atores. A pesquisa de linguagem leva o grupo a experimentar de dramaturgias autorais a textos consagrados. Em seu repertório, o grupo mantém espetáculos de rua e para palcos convencionais. As pesquisas de atuação transitam entre o trabalho de clown, o teatro popular (farsesco) e as linguagens da performance e da intervenção urbana.

O nome Magiluth nasce da junção das primeiras sílabas dos nomes de seus quatro fundadores, os então alunos do curso de licenciatura em artes cênicas da Universidade Federal de Pernambuco (Ufpe): Marcelo Oliveira, Giordano Castro, Lucas Torres (1982) e Thiago Liberdade (1983). No ano de 2004, reúnem-se para montar Ato sem palavra I, do irlandês Samuel Beckett (1906-1989), para um exercício de atuação. Com o experimento, o grupo circula em festivais amadores no Recife e interior de Pernambuco.

A estreia profissional vem em 2006, com a peça Corra, escrita e dirigida por Marcelo Oliveira. Em cena estão, além de Marcelo, Lucas Torres, Olga Torres e Julia Fontes. A peça baseia-se na ideia do “efeito-borboleta”, conceito-chave da Teoria do Caos, para compor três cenas independentes, ligadas pela presença de um ator-narrador. Segundo a recepção da crítica, com a peça o grupo “rejeita a autofagia”1  e busca novos públicos para o teatro, característica marcante de sua trajetória. Corra rende ao Magiluth, em 2007, o 3º lugar na Mostra Universitária do Festival Rio Cena Contemporânea, com prêmios de Melhor Iluminação para Pedro Vilela e Melhor Ator para Marcelo Oliveira.

Na sua segunda montagem, o grupo retorna ao experimento original com Ato sem palavra e, estreia, em março de 2008, o espetáculo Ato, com direção de Julia Fontes e Thiago Liberdade. Em cena, os quatro fundadores do grupo interpretam “vagabundos” beckettianos, aprisionados num espaço ermo e árido, onde travam perversas relações de poder à espera de dias melhores – temas recorrentes na obra de Beckett. Originalmente criado para ocupar as ruas, o espetáculo circula, depois de  Recife, em diversos festivais brasileiros, dando ao grupo projeção no cenário nacional. A criação dos atores, pautada no trabalho de clown, rende à peça os prêmios de Melhor Espetáculo e Melhor Maquiagem na 15ª edição do Festival Janeiro de Grandes Espetáculos – Festival Internacional de Artes Cênicas de Pernambuco.

Em 2010, estreia o monólogo 1 Torto, projeto paralelo do ator Giordano Castro (1986), com direção de Pedro Wagner. A peça é escrita com base na dramaturgia do próprio Giordano e dialoga, pela primeira vez na história do Magiluth, com a performance. O espetáculo tem natureza confessional, definido pelo grupo como um reality show, em que se diluem as fronteiras entre ator, performer e personagem. Nele, o público ganha um papel ativo, interagindo e realizando ações com o ator em cena. 1 Torto cumpre longas temporadas em Recife e circula por diversas cidades brasileiras. Para o crítico Magela Lima (1981), “O teatro de Giordano Castro em 1 Torto não se ancora numa pretensão de fantasia. Tudo ali, ao contrário, só faz sentido pela sua realidade”2.

A estreia de O Canto de Gregório, do paulistano Paulo Santoro (1972), em 2011, recoloca o Magiluth nos rumos de um trabalho de cena coletivo, levando ao palco Giordano Castro, Lucas Torres, Erivaldo Oliveira (1986) e Pedro Wagner. A encenação de Pedro Vilela é rigorosa na abordagem do conteúdo filosófico do texto, que questiona o limite da bondade de um homem.  Cria, no entanto, um clima de descontração e escracho, recursos que marcam as montagens seguintes do grupo. O crítico Astier Basílio (1978) ressalta a autonomia da encenação frente ao texto de Santoro: “por mais que o texto se imponha, pela argúcia filosófica, pela força do seu lirismo, pelo conteúdo, a direção do espetáculo vai estabelecendo sua poética...”3.

Para Maria Eugênia de Menezes, o Magiluth demonstra, desde 1 Torto, uma “preocupação com a autenticidade [que] se dá nas interpretações, pautadas não pela representação de personagens, mas por uma presença de ordem performática”4. De fato, é no sentido da performance e da intervenção urbana que o grupo desenvolve com o Teatro do Concreto (Distrito Federal), em 2011, o projeto “Do Concreto ao Mangue”, um intercâmbio de pesquisa cênica que resulta no espetáculo Aquilo que Meu Olhar Guardou para Você. O Magiluth convida Luiz Fernando Marques, do Grupo XIX (São Paulo) para fazer a direção do espetáculo. A peça é composta por fragmentos de histórias do tema das cidades, especialmente Recife e Brasília, explorando os limites entre realidade e ficção. O público presencia boa parte de Aquilo que Meu Olhar Guardou para Você dentro o palco, lado a lado com Erivaldo Oliveira, Giordano Castro, Lucas Torres, Pedro Vilela e Pedro Wagner.

É com Viúva, Porém Honesta (2012), que o Magiluth atinge a excelência da linguagem teatral, levando ao limite a “farsa irresponsável”5 de Nelson Rodrigues (1912-1980). Cinco atores desenvolvem no palco um jogo veloz e escrachado de troca de personagens, com direção de Pedro Vilela. Cafona e anárquica, a encenação utiliza-se de recursos precários de figurino e cenografia para impulsionar a performance dos atores no palco. A peça é apontada com destaque no Festival de Curitiba, em 2013, e realiza temporadas de sucesso no Rio de Janeiro, em Salvador, São Paulo e Recife. Nesta última, ganha três prêmios no 19º Festival Janeiro de Grandes Espetáculos, entre eles o de Melhor Espetáculo.

Em dezembro de 2012, o Magiluth estreia, também com direção de Pedro Vilela, Luiz Lua Gonzaga, por ocasião do centenário de nascimento de Luiz Gonzaga (1912-1989). O espetáculo, de rua, aproxima o teatro de novos públicos, fazendo uso da música e de elementos da cultura popular nordestina como dispositivos de cena.

Em Recife, o Magiluth ainda realiza, anualmente, o Trema!, festival que congrega grupos teatrais de todo o país.

Notas

1. MORAES, Fabiana. Magiluth rejeita autofagia. Jornal do Commercio. Recife, 27 nov. 2008.

2. LIMA, Magela. A poesia de uma vida torta. O Povo, Fortaleza, 9 dez. 2011.

3. BASÍLIO, Astier. ‘Gregório’ aposta de força de lirismo. Correio da Paraíba, João Pessoa, 27 set. 2012.

4. MENEZES, Maria Eugênia. Verdade ou ilusão? Folha de São Paulo.,São Paulo, 4 abr. 2012.

5. “farsa irresponsável” é o termo criado por Nelson Rodrigues para denominar a peça Dorotéia, chamada por ele mesmo de “farsa irresponsável em três atos”.

Encontros 1

Abrir módulo

Espetáculos 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 4

Abrir módulo
  • BASÍLIO, Astier. ‘Gregório’ aposta de força de lirismo. Correio da Paraíba, João Pessoa, 27 set. 2012.
  • LIMA, Magela. A poesia de uma vida torta. O Povo, Fortaleza, 9 dez. 2011.
  • MENEZES, Maria Eugênia. Verdade ou ilusão? Folha de S.Paulo, São Paulo, 4 abr. 2012.
  • MORAES, Fabiana. Magiluth rejeita autofagia. Jornal do Commercio, Recife, 27 nov. 2008.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: