Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Dança

Balé Teatro Guaíra

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 03.02.2017
12.05.1969 Brasil / Paraná / Curitiba
O Balé Teatro Guaíra (BTG), inicialmente chamado Corpo de Baile, é criado pela Secretaria de Educação e Cultura do Governo do Estado do Paraná em 12 de maio de 1969. Sediado em Curitiba, é o segundo corpo estável que pertence ao Teatro Guaíra e o terceiro grupo de dança oficial brasileiro. Na formação do elenco, dez bailarinos são selecionados p...

Texto

Abrir módulo

Histórico
O Balé Teatro Guaíra (BTG), inicialmente chamado Corpo de Baile, é criado pela Secretaria de Educação e Cultura do Governo do Estado do Paraná em 12 de maio de 1969. Sediado em Curitiba, é o segundo corpo estável que pertence ao Teatro Guaíra e o terceiro grupo de dança oficial brasileiro. Na formação do elenco, dez bailarinos são selecionados por concurso público por uma banca de profissionais da dança clássica do Rio de Janeiro. O elenco é contratado pelo regime da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) e vinculado à Fundação Teatro Guaíra (FTG), que em 1991 passa a se chamar Centro Cultural Teatro Guaíra. Grande parte do elenco é composta de estudantes da escola do Curso de Danças Clássicas do próprio teatro, criado em 1956, que muda o nome para Escola de Dança Teatro Guaíra (EDTG), em 1990.

A professora e diretora da EDTG Yara de Cunto (1939) é quem lidera os primeiros movimentos do BTG. O bailarino e professor paranaense Ceme Jambay (1934) assume a direção do Corpo de Baile no mesmo ano de sua criação. Cunto e Jambay delineiam o perfil artístico da companhia, que monta balés clássicos e modernos. Impacto (1969), coreografia de Cunto, abre a temporada oficial do BGT. O número de bailarinos aumenta em 1970 e Jambay passa a dirigir a companhia, além de coreografar todas as obras.

Em 1971, polonês Yurek Shabelewski (1910-1993) assume a direção e mantém a linha artística da gestão anterior, priorizando os clássicos e as obras autorais. Luz, coreografia inaugural é de Yurek, tem música de J. S. Bach (1685-1850), além de todas as funções – incluindo criação, figurinos e cenário - exercidas pelo diretor. Shabelewski permanece à frente do grupo até 1975, deixando uma lista de oito obras.

O bailarino e coreógrafo argentino Hugo Delavalle guia os rumos do BTG de 1976 a 1977. Sua diretriz encaminha os 24 bailarinos à releitura dos grandes clássicos. Das dez produções realizadas na sua gestão, nove são assinadas por ele. A remontagem integral do balé Giselle abre as portas para a companhia em novos estados, como São Paulo e Rio de Janeiro, obtendo apreciação do público e da crítica. O coreógrafo, professor e bailarino Eric Valdo assume o posto em 1978, voltando-se para a música brasileira. Cria Valse, com música de Paulo Jobim (1950), e Choros Chromados, de Barbosa Araújo (1778-1856), entre outras, totalizando seis obras.

Em 1979, a companhia muda o nome para Ballet Guaíra e o coreógrafo português Carlos Trincheiras (1937-1993) se torna diretor artístico por 13 anos. Cria ações como o Atelier Coreográfico, fundado em 1980 para estimular o elenco do BTG à criação; o Curso Acelerado para Rapazes, dando oportunidade de bailarinos ingressarem na profissão; a abertura para outros coreógrafos nacionais e estrangeiros; o início da carreira internacional; e a projeção nacional com O Grande Circo Místico (1983), do diretor. Inspirada no poema de Jorge de Lima (1895-1953), com roteiro de Naum Alves de Souza (1942) e música de Edu Lobo (1943) e Chico Buarque (1944), a coreografia é apresentada no Coliseu dos Recreios, em Lisboa, Portugal.

A portuguesa Isabel Santa Rosa (1931-2001), esposa de Trincheiras e maîtrise de ballet1 do BGT, dá continuidade ao trabalho, permanecendo na direção por seis meses. Nessa fase, são criados três balés, assinados pelos bailarinos Jair Moraes e Eduardo Laranjeiras e pelo coreógrafo Milko Sparembleck. Jair Moraes, primeiro bailarino da companhia, que, em 1979, torna-se maître de ballet e assistente de coreografia, deixa sua marca na sua direção por dois anos (1994-1996).

Nos próximos dois anos, o cargo de direção é dividido entre a bailarina e a maîtrise de ballet da companhia Marta Nejm e a bailarina e assistente de coreografia Cristina Purri. Nesse período, entram para o conjunto de obras do BTG cinco coreografias: Almas Gêmeas (1997), de Renato Vieira, e quatro criações de Rodrigo Pederneiras (1955), entre elas Prelúdios e Caminhada, ambas de 1998.

Sob a batuta da crítica de dança Suzana Braga desde 1999, a companhia se divide em duas. Uma segue com a linha estética adotada na gestão de Trincheiras e outra agrega um grupo de bailarinos veteranos, o G2 Cia. de Dança. Para dirigi-lo, é convidada a bailarina e professora Carla Reinecke e para direção artística é chamado o bailarino Grazianni Cannalli. A meta dos artistas desse grupo é aliar suas carreiras de intérpretes à pesquisa de linguagem. Até 2012, o G2 possui 21 obras no repertório, quase todas assinadas por artistas brasileiros, como Adriana Grechi (Instável Sonata, 2000), Tuca Pinheiro (Solilóquio, 2004), Júlio Mota (Leggo, 2007) e outros que criam contando com a participação do intérprete como criador.

Nesse ano o nome do BTG é modificado, tornando-se Balé Teatro Guaíra. Nessa gestão são estreadas oito coreografias, mas é a remontagem de O Grande Circo Místico, em 2002, de Luis Arrieta, que promove mais visibilidade nacional. Braga deixa o cargo em 2002 e Carla Reinecke assume a função de 2003 até 2011. Liderando as duas companhias, além de incluir novas peças no repertório do BTG e do G2, retoma clássicos. Para comemorar os 35 anos do BGT, Pastorale, de Milko Sparembleck, e Exultate Jubilate, de Vasco Wellenkamp, são remontados. Em 2007, é recuperado o projeto firmado na direção de Trincheiras, o Atelier Coreográfico, iniciativa promovida pela Associação de Bailarinos e Apoiadores do Balé Teatro Guaíra (ABABTG), criada no mesmo ano.

O BTG completa 40 anos em 2009. É um ano de crise devido a desacordos internos, falta de verba e burocracia. Por isso, a comemoração Dança, Arte e Talento – 40 anos, é discreta. Andréa Bertoldi assume a direção artística da companhia em fevereiro de 2011 e apresenta propostas de formação de novas plateias. Para tanto, é criado o Programa Corpo Público, que engloba diversos projetos. São eles: Perfume, que apresenta obras em locais de grande circulação de público e conta com acompanhamento de um mediador; Perfume Formando Plateias, que leva coreografias a escolas; Perfume Humanizando Ambientes, que veicula trabalhos em hospitais e centros de recuperação; Perfume Onde Você Está, que leva coreografias a lugares públicos, além de disponibilizar oficinas e mostras por todo o estado; e aulas e ensaios abertos para quem quer saber como são os bastidores de um espetáculo. Em 2012, Cíntia Napoli assume a direção artística do BGT dando continuidade ao Programa Corpo Público. Quatorze diretores estiveram à frente da companhia que, em 2012, conta com 43 bailarinos, incluindo estagiários, contratados e comissionados dos elencos BTG e G2.

Nota
1 É responsável pela rotina de ensaios de uma companhia. Às vezes também atua como diretor, coreógrafo e professor.

 

Fontes de pesquisa 11

Abrir módulo

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: