Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

3NÓS3

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 10.01.2019
1979 Brasil / São Paulo / São Paulo
1982 Brasil / São Paulo / São Paulo
Formado pelos artistas plásticos Hudinilson Jr. (1957-2013), Mario Ramiro (1957) e Rafael França (1957-1991) o grupo 3NÓS3 realiza ações que questionam os espaços da cidade de São Paulo de 1979, ano em que é fundado, até 1982. Graduados em artes plásticas pela Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo (ECA/USP), Mario Ramiro e R...

Texto

Abrir módulo

Histórico
Formado pelos artistas plásticos Hudinilson Jr. (1957-2013), Mario Ramiro (1957) e Rafael França (1957-1991) o grupo 3NÓS3 realiza ações que questionam os espaços da cidade de São Paulo de 1979, ano em que é fundado, até 1982. Graduados em artes plásticas pela Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo (ECA/USP), Mario Ramiro e Rafael França já se conhecem antes de 1979, ano em que planejam, junto com a artista plástica Marilia Gruenwaldt, uma exposição na estação São Bento de metrô. Hudinilson Jr., formado em artes plásticas pela Fundação Armando Álvares Penteado (Faap) integra o grupo a convite de Ramiro, com quem trabalha na prefeitura de São Paulo. A exposição, composta por carimbos feitos por Marilia e xilogravuras dos outros artistas, inclui oficinas oferecidas ao público. Na ocasião, França, Ramiro e Hudinilson Jr. se aproximam dos punks que, ao fugirem da repressão policial, escondem-se no metrô e participam das oficinas. Interessados neste contato direto com o público, os três artistas passam a se encontrar e estudar textos sobre arte conceitual e earth art. Desses encontros, surge a ideia de fazer intervenções artísticas nos espaços públicos da cidade.

O grupo 3NÓS3 participa de um movimento mais amplo nos anos 1960 e 1970, quando artistas brasileiros propõem novas linguagens, como os happenings e as instalações. Com influência europeia e estadunidense, esta geração, composta por artistas como Wesley Duke Lee (1931-2010) e Nelson Leirner (1932), pensa obras com a participação do público. Rompendo os limites entre arte e vida, os artistas ocupam ruas, parques e outros espaços públicos e fazem uso de materiais não convencionais, como plástico e terra.

Com a ditadura militar instaurada no país no ano de 1964, parte das propostas desta geração tematiza a repressão, a tortura e a violência por parte do estado. Em 1970, o artista Cildo Meireles (1948) carimba cédulas de cruzeiros com a frase “Quem Matou Herzog?”,1 na série Inserção em Circuitos Ideológicos - 3. Projeto Cédula (1970),  fazendo essas notas circularem sem que sua autoria seja exposta. No mesmo ano, o artista português Artur Barrio (1945) espalha trouxas ensanguentadas pela cidade de Belo Horizonte. Os dois trabalhos fazem alusão a violência praticada pelos militares, durante perseguições políticas e interrogatórios.

Nesse contexto, o 3NÓS3 propõe suas Interversões, trocadilho com a palavra “intervenções”, com ações realizadas em espaços públicos durante a madrugada. Com expressivo tom questionador e político, por vezes associadas ao vandalismo, os integrantes avaliam a localização dos policiais pela cidade e fotografam as obras antes de serem retiradas pelas autoridades no dia seguinte.

Intitulada Ensacamento, a primeira interversão é realizada em 1979, em São Paulo. Segundo registro do grupo, 68 estátuas públicas da cidade têm as cabeças ensacadas durante a madrugada, como O Monumento às Bandeiras (1953), do escultor ítalo-brasileiro Victor Brecheret (1894-1955). No dia seguinte, os artistas se revezam em ligações para a imprensa e simulam vizinhos indignados com a intervenção de vândalos e questionam os jornais sobre as ações. A intervenção do grupo faz alusão à prática comum durante os interrogatórios, em que as cabeças de presos políticos são cobertas com sacos, induzindo ao sufocamento, e garantindo o anonimato dos envolvidos.

Ainda no ano de 1979, o grupo escolhe algumas galerias de arte para fazer a interversão X-Galeria, que consiste em marcar com fita crepe um “X” em suas portas e colar ou colocar por debaixo das portas a frase “o que está dentro fica, o que está fora expande”. As palavras são gravadas por um mimeógrafo, máquina usada durante a ditadura pela imprensa clandestina. O conteúdo da mensagem expressa a crítica feita pelo 3NÓS3 – e por outros coletivos de artistas, como o Viajou sem Passaporte – à limitação das obras de arte no espaço das galerias em contraponto ao uso da cidade para sua realização. 

Em Interdição (1979) o grupo estende, durante duas horas, grandes faixas azuis de papel celofane entre postes da avenida Paulista. O material transparente e a luz do sol modificam as cores das ruas, e as faixas, ainda que frágeis e fáceis de serem rompidas, interrompem o fluxo dos automóveis. 

O manifesto do grupo é publicado no jornal Folha de S. Paulo, em 1979, intitulado  “A Categoria Básica da Comunicação”, um compilado de palavras retiradas de livros acadêmicos sem a preocupação de transmitir um sentido lógico. A proposta do grupo alcança também a imprensa, subvertendo a lógica de comunicação com o público.

Mais tarde, em 1980, no cruzamento das avenidas Paulista e Consolação, utilizam uma grande faixa de polietileno para cobrir a entrada de um túnel. O material colorido espalhado pela cidade gera efeitos curiosos, pois lugares de passagem rápida e desatenta por motoristas e pedestres são modificados gerando estranhamento e uma nova percepção do espaço urbano. 

O grupo realiza 18 intervenções no total e só uma delas, Arte, feita fora de São Paulo, na cidade de Porto Alegre. Quando termina, o coletivo realiza a exposição O 3NÓS3 acabou (1982), no Sesc Pompéia, uma interversão que dura 14 dias. Os integrantes do grupo continuam as atividades artísticas de forma independente. Em 2012, é realizada a exposição Arte/Ação e 3NOS3 no Centro Cultural São Paulo (CCSP), com fotos e documentos das ações do grupo.

Nota
1 Vladimir Herzog foi um jornalista, morto em 25 de outubro de 1975, nas dependências do DOI/CODI, no bairro do Paraíso, em São Paulo. Sua morte, divulgada como suicídio, gerou debates e protestos sobre o uso da tortura nos interrogatórios durante a ditadura militar e tornou-se um símbolo nas manifestações pela redemocratização do país.

Espetáculos 1

Abrir módulo

Exposições 3

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 1

Abrir módulo

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: