Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Chelpa Ferro

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 03.02.2017
1995 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
Reprodução fotográfica Vicente de Mello

Nadabhrama, 2003
Galhos de árvore, motor e base

O coletivo Chelpa Ferro é criado em 1995 pelo pintor Luiz Zerbini (1959), o escultor Barrão (1959) e o editor de cinema Sergio Mekler (1963). Os integrantes do grupo, residentes no Rio de Janeiro e com renomadas trajetórias profissionais, aliam suas experiências pessoais e exploram possibilidades durante as criações em conjunto. Deixam que o aca...

Texto

Abrir módulo

Histórico
O coletivo Chelpa Ferro é criado em 1995 pelo pintor Luiz Zerbini (1959), o escultor Barrão (1959) e o editor de cinema Sergio Mekler (1963). Os integrantes do grupo, residentes no Rio de Janeiro e com renomadas trajetórias profissionais, aliam suas experiências pessoais e exploram possibilidades durante as criações em conjunto. Deixam que o acaso defina os resultados de suas escolhas. O grupo destaca-se na produção de arte contemporânea brasileira ao utilizar elementos sonoros justapostos aos visuais em suas obras. A abordagem interdisciplinar é revelada pela aparente desorganização meticulosamente orquestrada, criando espaço de fronteira entre os objetos articulados, o público e o som, importante matéria de suas performances, instalações e shows.

A interação sinestésica é característica do grupo, que estimula o estranhamento com objetos de uso cotidiano, reapropriados em instalações. Em Maracanã (2003), por exemplo, obra realizada para exposição no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (MAM/RJ), alto falantes são dispostos de maneira circular na forma de uma arena. A altura das duas fileiras de caixas de som sobrepostas faz com que a instalação ultrapasse a escala do espectador, induzido a entrar através de uma passagem. A sinuosidade dos cabos que conectam os equipamentos à energia elétrica é deixada aparente. O ruído emitido é constante, amplificado e reverberado pelo som que os próprios visitantes emitem ao se aproximarem da obra que, depois de um tempo, modula o áudio de maneira independente, reativando o circuito obra-espectador. Deste modo, a unidade (a caixa acústica), multiplicada na construção do todo (a arena) é estrutura e instrumento. Maracanã replica, pela força do som, a emoção de um jogo de futebol e apropria-se do espaço com a grandeza da arena construída.

O gosto pela música eletrônica, com seus enxertos e remixes, pode ser comparado à incorporação de objetos cotidianos nas apropriações dos artistas dadaístas do começo do século XX, que ressignificam esses objetos mostrando-os em novo contexto. Na obra de Chelpa Ferro, a percepção convencional de música é desconstruída. Cria-se uma nova linguagem sonora que, ao ser equalizada em função escultórica, assinala correspondências ativadas pela disposição e curiosidade do espectador.

Acqua Falsa (2005) é apresentada na 51a Bienal de Veneza. Desenvolvida para o Pavilhão Brasileiro, a obra incorpora traços característicos da cidade para a qual foi criada, como pontes, a água e a captura dos ruídos próprios da cidade. Uma passarela rudimentar de madeira oferece acesso a duas salas ocupadas pela instalação, uma em frente à outra. Na primeira, encontra-se uma robusta caixa de som suspensa por cabos, com a frente inclinada a poucos metros do chão. Este, transformado em espelho d’água, com a aplicação de manta asfáltica prateada. Os cabos da caixa de som atravessam por debaixo da passarela, até a segunda sala. Percorrem o outro espelho d’água, que também ocupa todo chão, até se conectarem a luzes de led, fixadas na parede oposta. O som grave faz vibrar a água embaixo da caixa de som enquanto aciona as luzes da sala da frente. O espectador, ainda que em posição central, usa outros sentidos para perceber a obra, pois não pode ver as duas salas ao mesmo tempo.

Ao se apresentarem ao vivo, o improviso manifesta-se na interação com o público. Na noite de abertura da 27a Bienal de São Paulo (2002), a performance Autobang acontece no vão central do edifício. Um automóvel modelo Maverick dos anos 1970, amarelo, identificado com adesivos com o símbolo do Chelpa Ferro, é fixado em uma plataforma mecânica e circundado por equipamentos sonoros. Um ataque catártico ao veículo é feito com porretes e a destruição do carro é concluída com a ajuda da audiência. O batuque gerado pelos porretes em ação é amplificado pelas caixas de som, produzindo distorções.

A construção de fronteiras entre ruído e música, processo e resultados, espaço e escultura orienta a poética deste coletivo, a reflexão sobre o improviso, o reprocessamento e a criatividade da cultura brasileira.

Além de exposições individuais no Brasil e exterior, o grupo participa das Bienais de São Paulo (2002 e 2004), de Havana (2003), em Cuba, e do Mercosul (2009), em Porto Alegre, Rio Grande do Sul. Com 4 álbuns lançados (em 1997, 2011, 2012 e 2013), a discografia do coletivo registra experimentações sonoras em shows ao vivo e, em 2008, é publicado um livro com um panorama das criações do grupo. 

Obras 1

Abrir módulo
Reprodução fotográfica Vicente de Mello

Nadabhrama

Galhos de árvore, motor e base

Eventos multiculturais 1

Abrir módulo

Exposições 43

Abrir módulo

Feiras de arte 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 5

Abrir módulo

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: