Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.

Enciclopédia Itaú Cultural
Teatro

Grupo Geração

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Data/Local 1967/1969 - Belo Horizonte MG

Texto

Abrir módulo

Data/Local
1967/1969 - Belo Horizonte MG

Histórico
O Grupo Geração marca a história das artes cênicas de Belo Horizonte por representar a emergência de um teatro de resistência ao golpe militar de 1964. É o primeiro grupo local a incorporar, desde a sua fundação, a tendência que surge no fim da década de 1950 no teatro brasileiro de criar no palco uma linguagem nacional e popular, por meio da busca de uma nova dramaturgia e de formas próprias de encenar e atuar.

A opção política, entretanto, não é panfletária, a preocupação prioritária do Grupo Geração é, como se pode ler no programa de seu primeiro espetáculo, antes de tudo "fazer teatro".1 Inova também em termos de organização, propondo superar a estrutura amadora do teatro local.

Fundado por José Antônio de Souza, Eid Ribeiro e José Ulisses de Oliveira, alunos recém-formados do Teatro Universitário (TU), o Geração, provavelmente o primeiro conjunto teatral de Belo Horizonte a ter no nome a palavra "grupo", estreia, em maio de 1967, no Teatro Marília, com a montagem de A Vida Impressa em Dólar, de Clifford Odets. A peça, com direção José Antônio de Souza, relata o drama de uma família americana de classe média abalada pela crise econômica de 1929. A opção por esse texto, segundo Eid Ribeiro, visa denunciar o "capitalismo selvagem" e mostrar como a manipulação da economia afeta as relações familiares.2

Em 1968, estreia a segunda montagem, Mortos sem Sepultura, de Jean-Paul Sartre, que conta a história da tortura de membros da Resistência Francesa na luta contra a ocupação nazista. Nesse caso o objetivo é explícito: denunciar a ditadura brasileira, que a cada dia se torna mais cruel e repressora.

Ainda nesse ano, tendo como referência o Teatro de Arena de São Paulo, o Grupo Geração constitui um segundo núcleo, para lançar novos diretores e atores. E monta, simultaneamente, O Santo e a Porca, de Ariano Suassuna, dirigida por Marta Martins (uma das primeiras direções femininas do teatro de Belo Horizonte), e Pic-Nic no Front, de Fernando Arrabal, com direção de Alcione Araújo.

No segundo semestre de 1968, encena Se Correr o Bicho Pega, Se Ficar o Bicho Come, de Oduvaldo Vianna Filho e Ferreira Gullar, dirigida por José Antônio de Souza, com o intuito de falar abertamente dos problemas brasileiros. A produção envolve mais de quarenta pessoas. No cartaz do espetáculo há um gorila (animal identificado na época com os militares), que carrega um estandarte imitando os utilizados pela Tradição, Família e Propriedade (TFP), entidade que apoia o golpe de 1964 e marca presença no centro de Belo Horizonte recolhendo assinaturas contra o comunismo. O ano termina com a decretação do Ato Institucional nº 5, que demarca o início da fase mais dura do regime militar brasileiro.

Devido ao endurecimento da ditadura, em 1969, o Grupo Geração chega a uma encruzilhada: largar o palco e entrar para a resistência armada contra o regime ou combater a ditadura com as armas do teatro? José Antônio de Souza deixa o grupo e Eid Ribeiro assume a direção do espetáculo seguinte, Fábula da Hora Final, adaptação de Zoo Story, de Edward Albee. O texto critica os valores da sociedade norte-americana e mostra como eles submetem as pessoas a um inescapável processo de alienação.

Uma das primeiras montagens do teatro de Belo Horizonte no formato arena, Fábula da Hora Final utiliza também a técnica de desdobrar as personagens, representadas por mais de um ator. Quatro arquibancadas cercam um palco redondo onde quatro atores - interpretando uma das personagens, Jerry, o revoltado - contracenam diretamente com o público, que "responde" através da voz gravada da segunda personagem - Peter, o pequeno burguês acomodado. De repente, para espanto do público, Peter, encarnado no quinto ator, levanta-se na plateia e parte para o confronto final com seu antagonista.

Fábula da Hora Final é a última montagem do Grupo Geração. Em busca da profissionalização, José Antônio de Souza e Eid Ribeiro se mudam para São Paulo e Rio de Janeiro, respectivamente.

Ainda em 1970, com produção do Teatro Experimental, José Antônio de Souza dirige a primeira peça de sua autoria, O Fedor. Esse trabalho realiza um dos sonhos do Grupo Geração, de encenar textos de autoria de seus integrantes. Alguns anos depois Eid Ribeiro e Alcione Araújo, que também se muda para o Rio de Janeiro, tornam-se bem-sucedidos dramaturgos. A obra literária de ambos somada à de José Antônio de Souza talvez seja o maior legado do Grupo Geração ao teatro e à cultura brasileira.

Notas
1. A VIDA impressa em dólar, de Clifford Odets, direção de José Antônio de Souza, 1967.

2. Texto escrito em 2005 por Eid Ribeiro para o livro Grupos de Teatro na Belo Horizonte Contemporânea, organizado por Bernardo Novais da Mata Machado, no prelo.

Fontes de pesquisa 2

Abrir módulo
  • A VIDA impressa em dólar, de Clifford Odets, direção de José Antônio de Souza, 1967.
  • Texto escrito em 2005 por Eid Ribeiro para o livro Grupos de Teatro na Belo Horizonte Contemporânea, organizado por Bernardo Novais da Mata Machado, no prelo.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: