Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.



Enciclopédia Itaú Cultural
Teatro

Grupo Decisão

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Data/Local

Texto

Abrir módulo

Data/Local

1963/1964 - São Paulo SP

1964/1966 - Rio de Janeiro RJ

Histórico

Conjunto relevante em meados da década de 1960, inicialmente em São Paulo e posteriormente no Rio de Janeiro, comandado pelo diretor Antônio Abujamra.

O grupo, nasce em 1963, da associação entre Antônio Abujamra, Antônio Ghigonetto e Emílio Di Biasi com o propósito de efetivar um teatro socialmente engajado. Tendo estagiado na França, acompanhando o Théâtre National Populaire e na Alemanha, o Berliner Ensemble, Abujamra está imbuído das idéias de popularizar um teatro artístico e culturalmente relevante.

A primeira produção é Sorocaba, Senhor, uma adaptação de Fuenteovejuna, de Lope de Vega, estreada no interior do Estado de São Paulo e contando com alunos de um curso de teatro nos numerosos desempenhos secundários.

No mesmo ano estréiam Terror e Miséria do III Reich e Os Fuzis da Senhora Carrar, dois textos de Bertolt Brecht claramente alinhados à luta antinazista, e levados aos bairros periféricos de São Paulo como parte de um repertório voltado para a mobilização política e a discussão da realidade nacional, no mesmo espírito de combatividade demonstrado por outros grupos ideológicos da época. Essas encenações contam com Bertha Zemmel, Emílio Di Biasi e Sérgio Mamberti entre seus principais intérpretes.

Em 1964, realizam a montagem de Saravá, comédia de Sérgio Jockyman, com direção de Nelson Xavier. Ainda no mesmo ano, o grupo cria O Inoportuno, de Harold Pinter, seu primeiro efetivo sucesso, destacando Fauzi Arap, Emílio Di Biasi e Sérgio Mamberti como o trio masculino ligeiramente absurdo que habita esse típico texto da geração dos angry-men ingleses. Deslocado para o Rio de Janeiro, o espetáculo chama a atenção sobre seus realizadores e abre portas ao grupo. Seguem-se as criações de O Patinho Torto, de Coelho Neto, divertida comédia de costumes em que um homossexual é o centro das atenções, e um malogrado espetáculo de poesias, denominado Preversão, com base em canções e poemas de Jacques Prévert.

No ano de 1965 os esforços concentram-se sobre Electra, de Sófocles, com destaque para Glauce Rocha e Margarida Rey nos papéis centrais, montagem que amplia o prestígio do grupo e agrada a crítica e o público. Um episódio ligado à Censura encarrega-se de atrair ainda mais a atenção sobre o espetáculo: certa tarde o teatro é invadido pela polícia, que vem prender o autor por incitação contra o regime, cumprindo ordens dos militares. O ridículo do episódio complica-se semanas após, quando Isolda Cresta, uma das atrizes, é detida pela polícia após uma apresentação.

A última produção do grupo, ocorre em 1966: Tartufo, de Molière, com Jardel Filho no papel central e novamente Glauce Rocha em contagiante criação. As pressões da Censura, a crise econômica e as múltiplas atividades de seus integrantes levam à dispersão da iniciativa.

Espetáculos 9

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 4

Abrir módulo
  • MARSCHNER, João. Introdução a Pinter. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 18 jan. 1964.
  • MICHALSKI, Yan. Tartufo. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 23 jan. 1966.
  • O INOPORTUNO. Direção Antônio Abujamra. São Paulo, 1964. 1 folder. Programa do espetáculo, apresentado em 1964.
  • VAN JAFA. Lançamento: Tartufo. Correio da Manhã, Rio de Janeiro, 18 jan. 1966.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: