Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Teatro

Grupo de Teatro Experimental (GTE)

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 07.11.2017
1942 Brasil / São Paulo / São Paulo
1948 Brasil / São Paulo / São Paulo
Grupo amador paulistano, fundado por Alfredo Mesquita, pauta-se por preocupações artísticas modernas, inéditas até então no teatro da cidade, tornando-se uma das raízes do Teatro Brasileiro de Comédia e da Escola de Arte Dramática.

Texto

Abrir módulo

Histórico

Grupo amador paulistano, fundado por Alfredo Mesquita, pauta-se por preocupações artísticas modernas, inéditas até então no teatro da cidade, tornando-se uma das raízes do Teatro Brasileiro de Comédia e da Escola de Arte Dramática.

Após algumas bem-sucedidas encenações beneficentes ao longo da década de 1930, Alfredo Mesquita abre a Livraria Jaraguá, ponto de reunião de artistas e intelectuais. Servirá ela, num primeiro momento, como fator de aglutinação e local de ensaio para o grupo amador de teatro, que inicia suas atividades com a montagem de À Quoi Rêvent les Jeunes Filles, de Alfred de Musset, no original. A apresentação divide o palco do Teatro Cultura Artística com outra realização, em inglês, levada a efeito pelo grupo English Players, em 1942.

Vindo ao encontro do entusiasmo natural daqueles jovens, a estada da companhia de Louis Jouvet no Theatro Municipal, em 1941, torna-se decisiva para estimular os amadores a tentar repetir - especialmente no tocante ao acabamento artístico e na proposta da encenação moderna - os rumos do conjunto francês.

O primeiro presidente do Grupo de Teatro Experimental - GTE, é Almeida Salles, cabendo a Alfredo Mesquita a direção artística. O repertório organiza-se a partir de três eixos artísticos básicos: os clássicos, a vanguarda e o autor nacional.

Na primeira linha são apresentados, sempre com direção de Alfredo Mesquita: Os Pássaros, de Aristófanes, O Avarento, de Molière, ambos em 1945; As Alegres Comadres de Windsor, de William Shakespeare, 1946. O repertório moderno inclui: À Sombra do Mal, de Lenormand, 1943; Fora da Barra, de Sutton Vane, 1944; e À Margem da Vida, de Tennessee Williams, 1948. Entre os autores nacionais escolhidos, estão o próprio Alfredo Mesquita, com Heffemann, 1944; Carlos Lacerda, com A Bailarina Solta no Mundo, 1945; e Abílio Pereira de Almeida, que contribui com Pif-Paf, 1947, e A Mulher do Próximo, 1948.

Integram o GTE, entre outros, Maurício Barroso, Abílio Pereira de Almeida, Caio Cayubi, Marina Freire, Nydia Licia, Irene Bojano, Ruy Affonso, Carlos Vergueiro, Paulo Magalhães, Lygia Fagundes Telles e Jean Meyer, nas várias fases do grupo.

Certa ocasião, diante dos problemas financeiros e de salas para as apresentações, Alfredo Mesquita escreve um Improviso do Grupo de Teatro Experimental, espécie de performance que coloca em cena as dificuldades vividas e faz um apelo, ao final, para que a platéia assine uma lista de contribuições. O único a aderir é Franco Zampari, empresário ligado às indústrias Matarazzo, e esse gesto é o motivo primeiro da fundação do Teatro Brasileiro de Comédia - TBC.

A existência do GTE, além de criar um repertório de melhor qualidade frente ao teatro comercial do período, solidificou a necessidade de uma renovação modernista nos domínios cênicos. Deve-se igualmente a Alfredo Mesquita a iniciativa de criar, em 1948, a Escola de Arte Dramática - EAD, visando formar novos atores para um mercado que se anuncia promissor.

Em 1948, com a fundação do TBC e da EAD, marca-se o início da solidificação do modernismo no teatro e, o GTE extingue-se. A partir de 1949, a maior parte dos seus integrantes passa a fazer parte do elenco do TBC, iniciativa já profissional, comandada por Franco Zampari.

Sobre a dedicação integral do diretor artístico ao GTE, recorda o ator Carlos Vergueiro: "É impressionante como, trabalhando com um grupo bastante indisciplinado, sem conhecimento algum da arte teatral, Alfredo conseguia transmitir estilo de representação, ritmo de falas e de espetáculo, sempre à testa de tudo, desde a escolha das peças, 'leituras de mesa', marcações, tudo. Ia pessoalmente verificar a execução das roupas, ensinava os rapazes e moças a andar, a sentar, a gesticular à antiga ou à moderna, enfim, era o 'faz-tudo' do GTE. Com Alfredo Mesquita, embora trabalhando com amadores, o teatro brasileiro ganhou dignidade. Em 1946 conseguiu montar nada mais nada menos do que Shakespeare! As Alegres Comadres de Windsor - mais uma tradução de Esther Mesquita, foi levada à cena no Teatro Municipal, sempre, não se pode dizer 'direção geral' mas 'direção total' de Alfredo Mesquita".1

Notas

1. VERGUEIRO, Carlos. Depoimento de um ator do GTE. EAD 1948-68: catálogo comemorativo dos 20 anos da Escola de Arte Dramática. São Paulo: Governo do Estado de São Paulo: Fundação Anchieta, 1985. p. 19.

Espetáculos 18

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 4

Abrir módulo
  • GUZIK, Alberto. TBC: crônica de um sonho. São Paulo: Perspectiva, 1986.
  • GUZIK, Alberto; PEREIRA, Maria Lúcia (Org.). Teatro Brasileiro de Comédia. Dionysos, Rio de Janeiro, n. 25, set. 1980. Edição especial.
  • MESQUITA, Alfredo. Origens do teatro paulista. Revista da Escola de Comunicações e Artes, São Paulo, n. 1, 1967.
  • ______. Depoimento. In: DEPOIMENTOS II. Rio de Janeiro: Serviço Nacional de Teatro, 1977.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: