Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.

Enciclopédia Itaú Cultural
Teatro

LUME

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 15.11.2017
11.03.1985 Brasil / São Paulo / Campinas
Grupo fundado por Luis Otávio Burnier junto à Universidade Estadual de Campinas, dedicado a reverberar e ampliar seu campo de pesquisa, identificado com a chamada antropologia teatral, criada e difundida por Eugênio Barba.

Texto

Abrir módulo

Histórico

Grupo fundado por Luis Otávio Burnier junto à Universidade Estadual de Campinas, dedicado a reverberar e ampliar seu campo de pesquisa, identificado com a chamada antropologia teatral, criada e difundida por Eugênio Barba.

Em 1985 juntam-se Luis Otávio Burnier, Denise Garcia, Carlos Simioni e Ricardo Puccetti no estabelecimento do Laboratório Unicamp de Movimento e Expressão, LUME. O grupo encontra, na Unicamp, condições de infra-estrutura para desenvolver uma pesquisa sobre técnicas do ator.

 

Entre as primeiras criações destacam-se Macário, de Juan Rulfo, de Luis Otávio Burnier e Denise Garcia, direção de Burnier em 1985, assim como Guarani, de Carlos Alberto Soffredini, com a Orquestra Sinfônica de Campinas, em 1986. A primeira realização que efetivamente possui o perfil do projeto dá-se com Kelbilim, o Cão da Divindade, uma edição de textos de Hilda Hilst (1930 - 2004), realização solo de Carlos Simioni dirigida por Burnier, em 1988. Com H2Olos, de J. P. Kaletrianos, em 1988; Duo Para Piano e Mímica, de Luis Otávio Burnier e Denise Garcia, em 1989; Nostos, em 1990, novamente de J. P. Kaletrianos, e Wolzen, uma adaptação de Valsa nº 6, de Nelson Rodrigues, em 1991, prosseguem a linha de investigação do grupo.

 

Num intercâmbio com o Japão, o grupo é dirigido por Natsu Nakaijima, em 1991, um reconhecido mestre de 'butoh', iniciando a reciprocidade e as trocas criativas, tão características da antropologia teatral, com a montagem de Sleep and Reincarnation from the Empty Land. As pesquisas prosseguem, com Valef Ormos, em 1992, e Taucoauaa Panhé Mondo Pé, dois espetáculos de Luis Otávio Burnier. Em 1993 o nome do conjunto é reformulado para LUME - Núcleo Interdisciplinar de Pesquisas Teatrais, ano em que a equipe é aumentada, com os atores Renato Ferracini, Raquel Scotti Hirson, Ana Cristina Colla e Jesser Souza, abrindo os experimentos para outros formatos que não os solos e duetos.

 

Em 1995 a companhia tem seu útimo espetáculo por seu diretor-fundador, Cnossos, de Luis Otávio Burnier, que falece nesse mesmo ano. A criação de Mixórdia em Marcha-Ré Menor utiliza preponderantemente o trabalho de clowns e inclui todos os integrantes do grupo, com direção de Ricardo Puccetti. Seguem-se as produções de Contadores de Histórias, em 1995; Cravo, Lírio e Rosa, em 1996, e uma nova produção internacional - Afastem-se Vacas Que a Vida É Curta - com direção de Anzu Furukawa. Com La Scarpetta o grupo mais uma vez conta com um colaborador, um clown-circense italiano de renome, Nani Colombaioni, realização que une técnicas clownescas e performáticas. Parada de Rua, com direção de Kai Bredholt, leva o grupo a explorar os espaços abertos, em 1998. Café Com Queijo, trabalho baseado na pesquisa antropológica, é criado em 1999, com direção coletiva. Em 2000, é a vez de Um Dia..., agora com direção de Naomi Silman.

 

A ênfase sobre a interpretação faz o grupo privilegiar três abordagens: a dança pessoal (o treinamento de cada um), a utilização cômica do corpo (especialmente o trabalho de clowns) e a mimese corpórea (uso da expressividade não-realista), colocando o grupo na linha de trabalho que possui na performance seu eixo mais notório. Segue, mesmo com a ausência de Burnier, os princípios que ele legou: "Se o corpo não é tão somente o corpo, mas corpo-em-vida, então ele é o canal por meio do qual o ator entra em contato com aspectos distintos de seu ser gravados em sua memória. O corpo não tem memória, ele é memória, como disse Grotowski. Trabalhar um ator é, sobretudo e antes de mais nada, preparar seu corpo não para que ele diga, mas para que ele permita dizer. Não mostrar o que ele é, mas revelar o que, por meio dele, se descobre ser. Ser artista é antes de mais nada se predispor a revelar. A revelação pede generosidade e coragem".1

O LUME visita diversas cidades e Estados do Brasil, países da América do Sul e do Norte e Europa, sempre combinando apresentações de espetáculos, workshops, demonstrações técnicas e palestras sobre seu método de treinamento e representação. Como atividades de reciclagem e intercâmbio, o grupo participa da International School of Theatre Anthropology, ISTA, na França, Itália e Brasil; do Irvine Work Session com Jerzy Grotowski nos Estados Unidos; do International Seminar Research on Actor´s Technique na Dinamarca, Itália e Brasil.

O LUME também orienta o trabalho de vários profissionais (indivíduos ou grupos) pelo Brasil, além de manter em suas dependências estágios periódicos de treinamento técnico para atores e para aperfeiçoamento de clowns. Além de teses acadêmicas e outras atividades ligadas à Unicamp, o LUME edita semestralmente a Revista do LUME.

Notas

1. BURNIER, Luís Otávio. A arte do ator. Revista do LUME, Campinas, n. 2, 1999.  

Espetáculos 31

Abrir módulo

Espetáculos de dança-teatro 2

Abrir módulo

Exposições 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 5

Abrir módulo
  • ALBUQUERQUE, Johana. LUME (ficha curricular) In: ___________. ENCICLOPÉDIA do Teatro Brasileiro Contemporâneo. Material elaborado em projeto de pesquisa para a Fundação VITAE. São Paulo, 2000.
  • LUME - Núcleo Interdisciplinar de Pesquisas Teatrais. Coordenação Ivan Santo Barbosa. Desenvolvido pela Universidade Estadual Campinas. Disponível em: http://www.unicamp.br/lume.
  • LUME, catálogo de divulgação, s/d.
  • REVISTA DO LUME. Campinas: Núcleo Interdisciplinar de Pesquisas Teatrais, n. 2, 1999.
  • SESC BELENZINHO. Shi-Zen, 7 Cuias: 17 abril a 6 jun. 2004, SESC SP, São Paulo, SP, 2004. Programa do Espetáculo.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: