Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Teatro

Othon Bastos Produções Artísticas

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Data/Local

Texto

Abrir módulo

Data/Local

1971/1984 - São Paulo SP

Histórico

Companhia com características de grupo teatral, formada pelo casal Martha Overbeck e Othon Bastos na década de 1970, típica representante do teatro de resistência e empenhada na representação de temas nacionais de interesse político.

Os atores Othon Bastos e Martha Overbeck são originários da Bahia e, nos anos 1960, trabalham com o Teatro Oficina. Em 1971, associam-se a Gianfrancesco Guarnieri para montar Castro Alves Pede Passagem, musical em que o autor paulista enfoca, por meio de um tratamento metalinguístico, a vida do poeta romântico. Guarnieri define sua obra, ambientada num programa de TV, como "teatro de ocasião".

A montagem seguinte, Um Grito Parado no Ar, do mesmo autor e com direção de Fernando Peixoto, marca o início das atividades da companhia, em 1973. Recursos de metalinguagem são utilizados para abordar as dificuldades de um grupo teatral que tenta estruturar um espetáculo, em explícita alusão à desencorajadora situação que a atividade atravessa no período, quando a Censura age soberana.

Em 1974, o conjunto encena Caminho de Volta, texto de Consuelo de Castro e direção de Fernando Peixoto. O papel e a função da propaganda manifestam-se nos conflitos entre as personagens, empregados numa agência de publicidade, evidenciando-se também o dos bastidores da sociedade de consumo. A realização recebe vários prêmios, consolidando o prestígio da companhia.

Novamente com texto de Gianfrancesco Guarnieri e direção de Fernando Peixoto, em 1976, sobe ao palco Ponto de Partida. Texto que alude a problemas políticos, recorrendo a uma linguagem metafórica: numa época incerta e num local sem nome, um poeta aparece enforcado, motivando conjecturas dispares sobre o ocorrido. A morte do jornalista Wladimir Herzog, assassinado no ano anterior em dependências do 2º Exército, aparece de modo bastante evidente como ponto de partida do texto.

Um olhar sobre a difícil sobrevivência dos exilados políticos, em contínuas mudanças de país e de regime, surge em 1978, com a encenação de Paulo José para Murro em Ponta de Faca, texto de Augusto Boal que ganha ampla repercussão, no horizonte propiciado pelos questionamentos, em todo o Brasil, da continuidade do regime militar.

Em 1980, a companhia, em associação com o Teatro Vivo, de Renato Borghi, decide encenar Calabar, o Elogio da Traição, texto de Chico Buarque (1944)e Ruy Guerra, proibido desde 1973. O espetáculo de Fernando Peixoto carece, todavia, de recursos para realizar todo o aparato exigido pela proposta dramática e a montagem fica aquém das expectativas.

Ao longo de uma década a companhia enfrenta com decisão e empenho a missão de manter vivo um teatro com preocupações culturais e políticas, multiplicando esforços para superar dificuldades de todo tipo. Talvez desejando escapar ao âmbito do teatro abertamente político, o casal de atores-produtores opta por produzir, em 1984, um texto cujo assunto volta-se para a própria arte, a história de uma musicista que sofre de esclerose, em Dueto Para Um Só, de Tom Kempinski, com a encenação de Antônio Mercado.

Essa montagem se torna o canto de cisne da companhia, num período em que o público começa a se desinteressar dos temas ligados ao período do regime militar. Com a abertura política, a Othon Bastos Produções Artísticas perde seu papel como grupo de resistência e desaparece.

Eventos relacionados 9

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 4

Abrir módulo
  • ALBUQUERQUE, Johana. Othon Bastos In: ______. Enciclopédia do teatro brasileiro contemporâneo. São Paulo, 2000. Material elaborado em projeto de pesquisa para a Fundação Vitae. Ficha curricular.
  • CENTRO CULTURAL SÃO PAULO. Divisão de Pesquisas. Cronologia das artes em São Paulo 1975-1995: Artes cênicas - Teatro. São Paulo: Centro Cultural São Paulo, 1996. (Cronologia das artes em São Paulo, 3).
  • OVERBECK, Martha. Dueto com o real. O Estado de S. Paulo, p. 30, 25 mar. 1984.
  • PEIXOTO, Fernando. Teatro em pedaços. São Paulo: Hucitec, 1980. (Teatro, 5).

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: