Artigo da seção grupos Othon Bastos Produções Artísticas

Othon Bastos Produções Artísticas

Artigo da seção grupos
Teatro  

Data/Local

1971/1984 - São Paulo SP

Histórico

Companhia com características de grupo teatral, formada pelo casal Martha Overbeck e Othon Bastos na década de 1970, típica representante do teatro de resistência e empenhada na representação de temas nacionais de interesse político.

Os atores Othon Bastos e Martha Overbeck são originários da Bahia e, nos anos 1960, trabalham com o Teatro Oficina. Em 1971, associam-se a Gianfrancesco Guarnieri para montar Castro Alves Pede Passagem, musical em que o autor paulista enfoca, por meio de um tratamento metalinguístico, a vida do poeta romântico. Guarnieri define sua obra, ambientada num programa de TV, como "teatro de ocasião".

A montagem seguinte, Um Grito Parado no Ar, do mesmo autor e com direção de Fernando Peixoto, marca o início das atividades da companhia, em 1973. Recursos de metalinguagem são utilizados para abordar as dificuldades de um grupo teatral que tenta estruturar um espetáculo, em explícita alusão à desencorajadora situação que a atividade atravessa no período, quando a Censura age soberana.

Em 1974, o conjunto encena Caminho de Volta, texto de Consuelo de Castro e direção de Fernando Peixoto. O papel e a função da propaganda manifestam-se nos conflitos entre as personagens, empregados numa agência de publicidade, evidenciando-se também o dos bastidores da sociedade de consumo. A realização recebe vários prêmios, consolidando o prestígio da companhia.

Novamente com texto de Gianfrancesco Guarnieri e direção de Fernando Peixoto, em 1976, sobe ao palco Ponto de Partida. Texto que alude a problemas políticos, recorrendo a uma linguagem metafórica: numa época incerta e num local sem nome, um poeta aparece enforcado, motivando conjecturas dispares sobre o ocorrido. A morte do jornalista Wladimir Herzog, assassinado no ano anterior em dependências do 2º Exército, aparece de modo bastante evidente como ponto de partida do texto.

Um olhar sobre a difícil sobrevivência dos exilados políticos, em contínuas mudanças de país e de regime, surge em 1978, com a encenação de Paulo José para Murro em Ponta de Faca, texto de Augusto Boal que ganha ampla repercussão, no horizonte propiciado pelos questionamentos, em todo o Brasil, da continuidade do regime militar.

Em 1980, a companhia, em associação com o Teatro Vivo, de Renato Borghi, decide encenar Calabar, o Elogio da Traição, texto de Chico Buarque (1944)e Ruy Guerra, proibido desde 1973. O espetáculo de Fernando Peixoto carece, todavia, de recursos para realizar todo o aparato exigido pela proposta dramática e a montagem fica aquém das expectativas.

Ao longo de uma década a companhia enfrenta com decisão e empenho a missão de manter vivo um teatro com preocupações culturais e políticas, multiplicando esforços para superar dificuldades de todo tipo. Talvez desejando escapar ao âmbito do teatro abertamente político, o casal de atores-produtores opta por produzir, em 1984, um texto cujo assunto volta-se para a própria arte, a história de uma musicista que sofre de esclerose, em Dueto Para Um Só, de Tom Kempinski, com a encenação de Antônio Mercado.

Essa montagem se torna o canto de cisne da companhia, num período em que o público começa a se desinteressar dos temas ligados ao período do regime militar. Com a abertura política, a Othon Bastos Produções Artísticas perde seu papel como grupo de resistência e desaparece.

Espetáculos (7)

Fontes de pesquisa (4)

  • ALBUQUERQUE, Johana. Othon Bastos  In: ______. Enciclopédia do teatro brasileiro contemporâneo. São Paulo, 2000. Material elaborado em projeto de pesquisa para a Fundação Vitae. Ficha curricular.
  • CRONOLOGIA das Artes Cênicas em São Paulo 1975 - 1995. São Paulo: Centro Cultural São Paulo, 1996. v. 3.
  • OVERBECK, Martha. Dueto com o real. O Estado de S. Paulo, p. 30, 25 mar. 1984.
  • PEIXOTO, Fernando. Teatro em pedaços. São Paulo: Hucitec, 1980.

Como citar?

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

  • OTHON Bastos Produções Artísticas. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2019. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/grupo399353/othon-bastos-producoes-artisticas>. Acesso em: 17 de Set. 2019. Verbete da Enciclopédia.
    ISBN: 978-85-7979-060-7