Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Teatro

Teatro Universitário

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 11.02.2015
1938 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
1950 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
Dentro do movimento de teatro estudantil e amador que, na década de 1940, renova o panorama carioca, o Teatro Universitário é um dos conjuntos cuja atividade é mais contínua.

Texto

Abrir módulo

Histórico
Dentro do movimento de teatro estudantil e amador que, na década de 1940, renova o panorama carioca, o Teatro Universitário é um dos conjuntos cuja atividade é mais contínua.

O espetáculo de estréia, Filigranas, em 1938, é uma "fantasia musical", nas palavras de Jerusa Camões, uma das criadoras do Teatro Universitário - TU e co-responsável pelos arranjos junto com Hugo Lacorte Vitale. A montagem inclui trechos da Cavalaria Rusticana, La Bohème e Rigoletto intercalados com esquetes, poesias e números independentes. A estrutura do programa faz jus à Escola Nacional de Música, onde nasceu o grupo. Após alguns espetáculos de êxito, o ministro Gustavo Capanema lhes cede salas na sede da União Nacional dos Estudantes - UNE, e uma dotação do orçamento para a produção de peças, o que faz com que o grupo amador passe a ter responsabilidades de companhia profissional. Para cumprir a agenda, os estudantes ensaiam à noite e nas férias.

Constam da temporada de 1943 A Viúva Alegre, opereta de Franz Lehar; As Mulheres Nervosas, de Ernest Blum e Raul Touché, com direção geral de Jerusa Camões e direção artística de Mario Brasini; Dirceu e Marília, de Afonso Arinos de Mello Franco; Irmão das Almas, de Martins Pena; Cabecinha de Vento, de Silvio Zambaldi; O Carnaval, de J. Macedo Soares. Esther Leão incumbe-se freqüentemente da direção, na qual se revezam também Mario Brasini, Adacto Filho, Fernando Pamplona e outros. No elenco figuram atores estreantes como Nathália Timberg, Jaime Barcelos, Sergio Cardoso, Sergio Britto, Paulo Fortes, Fernando Torres - que no futuro farão carreira no teatro.

São realizações do Teatro Universitário - TU: Romeu e Julieta, de William Shakespeare, 1945; Gonzaga ou A Revolução de Minas, de Castro Alves (1847 - 1871), 1947; A Dama da Madrugada, de Alejandro Casona, 1948; O Pai, de Strindberg, 1949; Quebranto, de Coelho Neto,1950, todos sob a direção de Esther Leão.

O TU realiza seus espetáculos nos locais mais diversos. Desloca-se para outras cidades para récitas beneficentes e representa em pátios, hospitais, escolas, quartéis, fábricas, onde quer que seja chamado. O projeto da companhia transcende a produção teatral: para conseguir recursos para as entidades estudantis, o grupo faz sociedade com um homem que possui brinquedos de parque de diversões, e transforma uma praça em parque, com apoio do Presidente da República, que autoriza sua instalação, por tempo indeterminado, em plena Praça do Russel, e do ministro da Guerra, que cede soldados para servirem de cerca. No parque, o TU remonta um antigo sucesso, A Viúva Alegre, de Franz Lehar, criados por eles em 1943.

Jerusa Camões, atriz do grupo, avalia, em depoimento, sua contribuição para a história do teatro: "O TU tinha como proposta definida fazer teatro, qualquer que fosse, como diversão, sem grandes revoluções cênicas. Coisas que nos alegrassem a vida. (...) No sentido de contribuir para essa alteração de mentalidades, acho que o nosso trabalho foi significativo. Por isso, costumo dizer que fomos necessários no nosso tempo. (...) Depois, o apoio ao estudante, naquele tempo, era coisa de se contar prosa. Era apoio mesmo. E confiança. Desde o governo até o crítico mais exigente estavam sempre dando apoio a nosso teatro. Nossos espetáculos faziam o maior sucesso. Nossas casas viviam superlotadas de gente. Pessoas das mais variadas posições sociais".1

Notas

1. CAMÕES, Jerusa. O Teatro Universitário. Dionysos. Rio de Janeiro, n. 23, p. 29-30, 1978.

Espetáculos 14

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 2

Abrir módulo
  • DÓRIA, Gustavo A. Moderno teatro brasileiro: crônica de suas raízes. Rio de Janeiro: Serviço Nacional de Teatro, 1975.
  • Teatro do Estudante do Brasil, Teatro Universitário e Teatro Duse. Dionysos, Rio de Janeiro, n. 23, set. 1978. Edição especial.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: