Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Teatro

Companhia do Latão

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 17.08.2016
1997 Brasil / São Paulo / São Paulo
Grupo teatral criado em São Paulo, em 1997, cujo núcleo é formado por Sérgio de Carvalho (1967), Márcio Marciano (1962), Ney Piacentini (1960) e Maria Tendlau (1972). Desenvolve pesquisas sobre teatro épico, sobretudo com base na obra do dramaturgo alemão Bertolt Brecht (1898-1956), com o objetivo de criar uma dramaturgia própria, voltada para a...

Texto

Abrir módulo

Histórico
Grupo teatral criado em São Paulo, em 1997, cujo núcleo é formado por Sérgio de Carvalho (1967), Márcio Marciano (1962), Ney Piacentini (1960) e Maria Tendlau (1972). Desenvolve pesquisas sobre teatro épico, sobretudo com base na obra do dramaturgo alemão Bertolt Brecht (1898-1956), com o objetivo de criar uma dramaturgia própria, voltada para a representação dos problemas da sociedade brasileira. Questionando os modos de trabalho dominantes na produção teatral, a Companhia do Latão investe numa experiência coletiva de criação artística. Sua prática passa pela desconstrução da hierarquia entre os membros do grupo e pela busca de uma forma igualitária de trabalho na sala de ensaios, ponto de partida para a politização do teatro.

Valendo-se de recursos cênicos anti-ilusionistas, seus espetáculos procuram revelar os mecanismos de construção da cena – tanto do ponto de vista dramatúrgico quanto cenográfico. Na contramão do emocionalismo e do hermetismo, as criações da Companhia do Latão buscam a inteligibilidade. Com base nas técnicas de distanciamento próprias do teatro de Brecht, o trabalho dos atores no grupo busca estimular uma postura crítica do espectador, para a qual contribui a música, elemento relevante nas produções da trupe. 

Interesse social, político e pesquisa formal são as bases de seu projeto artístico. No decorrer de sua trajetória, a Companhia do Latão realiza inúmeros experimentos cênicos, monta textos de autoria própria e adapta clássicos da dramaturgia de Brecht, como Santa Joana dos Matadouros e O Círculo de Giz Caucasiano. O processo de criação do grupo pressupõe um conjunto de atividades que passam por oficinas, pesquisa sobre os temas pertinentes a cada espetáculo, debates e exercícios de improvisação. A Companhia do Latão lança a revista Vintém, dedicada à discussão entre arte e sociedade, e outras publicações nas quais relata sua experiência. Dedica-se a levar suas peças para fora do circuito tradicional das salas e mantém ainda um núcleo de pesquisas audiovisuais.

Em 1996, o diretor Sérgio de Carvalho e um grupo de atores reúnem-se para encenar uma adaptação de A Morte de Danton, texto do escritor alemão Georg Büchner (1813-1837). E o surgimento da companhia está ligado à montagem do espetáculo Ensaio para Danton, que encerra alguns dos principais elementos que orientam as futuras pesquisas da trupe – a busca por um teatro anti-ilusionista, em diálogo crítico com a tradição do teatro épico.

A experiência teórica e prática adquirida com a montagem de Ensaio para Danton fornece o material para que o diretor Sérgio de Carvalho organize o projeto Pesquisa em Teatro Dialético, com o qual, em abril de 1997, vence um edital da Fundação Nacional de Artes (Funarte) que prevê a ocupação do Teatro de Arena Eugênio Kusnet. Para iniciar os trabalhos, Carvalho convida uma série de artistas, incluindo Márcio Marciano, que, a partir desse momento, se torna o principal companheiro do diretor na dramaturgia e na direção do grupo. O projeto de ocupação do Arena propõe o estudo aprofundado da obra de Brecht como um modelo possível para a representação das contradições da sociedade brasileira. É com essa ocupação que o grupo se constitui efetivamente. Desse trabalho de pesquisa surge o Ensaio sobre o Latão

A residência no Teatro de Arena dá origem a dois outros espetáculos: Santa Joana dos Matadouros, adaptação do texto de Brecht, e O Nome do Sujeito. A montagem de Santa Joana assinala um momento importante na história do grupo – o contato com o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) e o incentivo para a elaboração de uma dramaturgia própria. O Nome do Sujeito nasce do estudo da obra de Gilberto Freyre (1900-1987) e da leitura do poema dramático Fausto, de Goethe (1749-1832), e é escrito com base no material gerado pelos atores durante os ensaios.

A Comédia do Trabalho radicaliza a experiência de criação coletiva. Para levantar a peça, o grupo ocupa, em março de 2000, a Oficina Cultural Oswald de Andrade, em São Paulo. Concebida como uma peça de intervenção, o espetáculo rompe os limites do palco, valendo-se de uma estrutura cênica passível de ser montada em todo tipo de espaço, até mesmo ao ar livre. Expõe de maneira didática, e em tom de farsa, o estado do sistema produtivo capitalista e amplia o intercâmbio da trupe com os movimentos sociais do Brasil.

O grupo segue com o projeto de construir uma dramaturgia própria e, depois de Auto dos Bons Tratos, de 2002, criada com base em episódio da história colonial brasileira, leva aos palcos, em 2003, O Mercado do Gozo, com a história de um rapaz que pertence à burguesia industrial paulista do início do século XX, e relega sua condição de classe e mergulha no submundo da prostituição. Este projeto é contemplado com o Programa Municipal de Fomento ao Teatro. Parte do jogo da peça é levar o espectador a desconfiar da narrativa sempre que ela utiliza os recursos encantatórios da indústria cultural. No ano seguinte, o grupo se debruça sobre a obra de Machado de Assis (1839-1908). Com uma série de oficinas voltadas para integrantes de movimentos sociais, como o MST, a companhia se dedica à pesquisa do método narrativo do escritor carioca. Dessa experiência, surge Visões Siamesas, livre adaptação do conto As Academias de Sião.

Por ocasião das celebrações do cinquentenário da morte de Brecht, o Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), no Rio de Janeiro, convida, em 2006, o diretor Sérgio de Carvalho a encenar uma nova peça do dramaturgo. No ano em que faz os preparativos para comemorar os dez anos de existência, a companhia retorna à obra de Brecht com a montagem de O Círculo de Giz Caucasiano, com a participação de atores convidados e de crianças e adolescentes do grupo Filhos da Mãe Terra, do MST. A peça retoma o diálogo crítico com o legado do dramaturgo alemão a fim de, nas palavras de Carvalho, “modificá-lo a partir de suas premissas, em atrito com a nossa versão local do capitalismo mundial e com a nossa história de cultura periférica”.1 

Com a abertura do Estúdio do Latão, em 2007, no bairro da Vila Madalena, o grupo obtém condições para o desenvolvimento de suas pesquisas cênicas e disponibiliza para consulta pública o material produzido, desde 2006, pelo Projeto Companhia do Latão 10 Anos: Memória, Estúdio, Pesquisa. 

Após dois anos de pesquisa, estreia, em 2010, no Rio de Janeiro, Ópera dos Vivos – Estudo Teatral em 4 Atos. O espetáculo, que integra cinema, teatro e música, discute a produção cultural brasileira, e é o resultado de uma série de experimentos audiovisuais e estudos desenvolvidos no Núcleo de Cinema do Latão.

Nota
1 CARVALHO, Sérgio de. A contribuição do teatro para a luta de classes: a experiência da Companhia do Latão. Entrevista realizada por Iná Camargo Costa para a Revista Crítica Marxista, n. 26, 2008.

Espetáculos 18

Abrir módulo

Exposições 1

Abrir módulo

Performances 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 4

Abrir módulo
  • A COMÉDIA DO TRABALHO. Direção Sérgio de Carvalho e Márcio Marciano. São Paulo, 2000. 1 folder. Programa do espetáculo, apresentado em 2000.
  • COELHO, Marcelo. Companhia do Latão ilumina a razão no Centro Cultural. Folha de S.Paulo, São Paulo, p. 4-8, 15 set. 1999.
  • COSTA, Iná Camargo. Por um teatro épico. Vintém, São Paulo, ano 2, n. 3, p. 12-17.
  • LIMA, Mariângela Alves de. 'O Nome do Sujeito' une dilemas míticos e temas sociais. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 23 out. 1998. Caderno 2, p. D4.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: