Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Teatro

Odeon Companhia Teatral

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Data/Local1998 -  Belo Horizonte MG

Texto

Abrir módulo

Data/Local
1998 -  Belo Horizonte MG

Histórico
A Odeon Companhia Teatral é fundada pelo diretor Carlos Gradim e pela atriz Yara de Novaes, com o objetivo de desenvolver uma linguagem artística própria com foco na pesquisa sobre o espaço cênico e na sua relação com a dramaturgia e o ator. O principal tema de pesquisa são as angústias e aspirações do homem diante de sua existência, com base em um repertório de clássicos da dramaturgia e textos de autores contemporâneos.

O primeiro encontro entre os futuros integrantes da Odeon se dá na montagem do espetáculo infantil The Addams, em 1996, que revela para a cena mineira o dramaturgo Edmundo de Novaes, o ator Jorge Emil e a atriz Débora Falabella. The Addams recebe os prêmios Sesc/Sated de melhor espetáculo, melhor atriz, melhor atriz coadjuvante, melhor ator, melhor ator coadjuvante, ator revelação e melhor cenário.

Finda a temporada da montagem para o público infantil, a Odeon se organiza. Seu primeiro trabalho, a adaptação de Ricardo III, de William Shakespeare, com direção de Yara de Novaes, estreia em 1999. O espetáculo chama atenção pela força do trabalho de Emil, como protagonista, pela cenografia expressiva de Daniela Thomas e André Cortez. O crítico mineiro Marcelo Castilho Avelar escreve: "Ricardo III é daqueles espetáculos em que tudo parece estar no lugar certo sem que se torne cerebral, em que o sentimento brota da construção consciente de cada cena e não apenas de algum imprevisível e irregular rasgo de devaneio ou criatividade".1 A montagem ganha o prêmio Sesc/Sated em diversas categorias e é considerada pelo crítico João Paulo Cunha como "[...] uma das montagens mais bem-sucedidas dos últimos anos, abrindo um flanco novo para as artes cênicas do Estado".

A segunda montagem do grupo, em 2001, é o monólogo Mata Hari - Sentença para uma Aurora, do dramaturgo costa-riquenho Jorge Arroyo. A atriz paulista Thania Castello vive a legendária espiã holandesa, com direção de Carlos Gradim, que mantém a parceria com o cenógrafo e figurinista André Cortez e a iluminadora Telma Fernandes. O espetáculo recebe o prêmio Bonsucesso/Amparc na categoria melhor iluminação.

No mesmo ano, a companhia estreia Amor e Restos Humanos, texto do dramaturgo canadense Brad Fraser, que trata de temas da contemporaneidade, como drogas, aids, a busca do prazer, a violência e a solidão nos grandes centros urbanos. Nessa montagem, a Odeon abandona os textos e espaços convencionais e propõe como espaço cênico uma gaiola de ferro. O público se acomoda em arquibancadas que variam de 2 a 5 metros de altura, e observa as cenas, às vezes simultâneas, de diferentes ângulos. O cenário transforma a relação tradicional entre palco e plateia e tira proveito da estrutura cinematográfica do texto. O crítico Paulo Campos ressalta a proposta cenográfica, um dos pontos fortes do espetáculo e tema de pesquisa da companhia: "[...] André Cortez elabora um cenário instigante, uma gaiola por onde sobem e descem os personagens, obrigando o espectador, como um voyeur, a se esgueirar para ver toda a cena, e Telma Fernandes faz uma iluminação das mais perfeitas do teatro mineiro".3 Amor e Restos Humanos recebe o prêmio Sesc/Sated 2002 em diversas categorias.

Em 2003, a Odeon assina a coprodução do espetáculo Noites Brancas, adaptado do clássico de Fiodor Dostoievski, com direção de Yara de Novaes. No texto, um Dostoievski romântico conta uma história de amor e solidão com base no encontro entre a jovem Nástenka, entediada pela vida ao lado da avó cega e da criada surda, e um homem solitário e sonhador, que procura, com dificuldade, se relacionar com alguém. A cenografia recria, com passarelas, a ponte sobre a qual os personagens se encontram, propondo uma movimentação que multiplica os planos de atuação.

Ainda em 2003, a  companhia aprofunda a pesquisa sobre o espaço cênico em sua relação com a interpretação e a dramaturgia, na montagem de O Coordenador, do dramaturgo chileno Benjamin Galemiri. O texto aborda a questão do poder por meio da relação de manipulação e dominação que se estabelece entre quatro pessoas confinadas em um elevador. A violência cresce ao longo da peça e culmina na agressão física contra a mulher. A cenografia de Cortez propõe um espaço limitado que faz alusão ao elevador e traduz para o público a sensação do confinamento e utiliza grandes molas que, acionadas pelos atores, movem o quadrado cênico, criando uma sensação de desequilíbrio e insegurança. Sobre o espetáculo, a crítica Clara Arreguy afirma: "O resultado é um espetáculo tão forte que chega a ser pesado, mas nem por isso menos importante no panorama teatral, carente de trabalhos com tal poder de reflexão".4 O espetáculo tem uma bem-sucedida temporada em São Paulo.

O sexto espetáculo da companhia é A Falecida, de Nelson Rodrigues, que conta a história da tuberculosa Zulmira, moradora do subúrbio carioca e cuja única ambição é ter um enterro de luxo. A direção procura encontrar um tom que traduza as dimensões de tragédia e de cotidianidade presentes no texto. Sobre a leitura que o diretor Carlos Gradim faz da peça, Clara Arreguy escreve: "[...] explora com vigor os paroxismos de crueldade e desencanto no ser humano que o maior dramaturgo do moderno teatro brasileiro preconizava".5

A Odeon Companhia Teatral inaugura a sede própria em 2005, estruturada como Centro de Diversidade Artística, onde passa a desenvolver suas criações e outros projetos culturais, voltados para a formação e o compartilhamento de experiências entre técnicos, artistas e outros profissionais. E são promovidos eventos regulares como a Sexta Trash e o Odeon Café e Companhia, espaço para debates sobre temas como dramaturgia contemporânea, direito autoral, entre outros.

A montagem seguinte, Quando Você Não Está no Céu, texto de Edmundo de Novaes, criado ao longo do processo de ensaios, e inspirado em Dante Alighieri e Guimarães Rosa, aborda medos, loucuras, a relação com o corpo, as frustrações e angústias humanas. E pretende ser uma viagem pelos infernos contemporâneos, que, na leitura da companhia, são lugares onde convivem o sagrado e o profano, habitados por prostitutas, santas nuas, criaturas que devoram bebês, paralíticas que cantam Domenic Modugno e um homem que acumula lixo. Participa dessa montagem, a convite do grupo, a atriz Wilma Henriques, um dos ícones do teatro mineiro, com mais de 40 anos de atividade artística.

Em 2007, a companhia cria um espetáculo baseado no romance Servidão Humana, de Somerset Maugham, publicado pela primeira vez em 1915. Conta a história do órfão Philip, deficiente físico e aspirante a pintor que se sujeita a toda sorte de humilhações ao apaixonar-se por uma garçonete, perdendo a fortuna e a dignidade. A adaptação de Novaes, intitulada apenas Servidão, coloca quatro personagens em cena. Nesse espetáculo a Odeon traz para o público uma história densa que apresenta nuances da alma e a complexidade dos conflitos humanos.

A produção de dois curtas-metragens, Every Day - Todos os Dias São Iguais, de 2001, e Bárbara, de 2006, marca a incursão da Odeon no campo do audiovisual.
Desde sua criação, em 1998, a Odeon Companhia Teatral tem se destacado particularmente no cenário teatral de Minas Gerais, mas também no cenário nacional, acumulando prêmios por todas as suas montagens e revelando atores, diretores e dramaturgos.

Notas
1. AVELAR, Marcelo Castilho. Um Shakespeare Vigoroso. Estado de Minas, Belo Horizonte.

2. CUNHA, João Paulo. Nos bastidores do mal. Estado de Minas, Belo Horizonte, 6 de jan. 2001.

3. CAMPOS, Paulo. Diretor focaliza desejos urbanos. O Tempo, Belo Horizonte, 17 de jan. 2002. Magazine.

4. ARREGUY, Clara. Poder que leva à violência. Estado de Minas, Belo Horizonte, 2 de out. 2003. Cultura.

5. ARREGUY, Clara. O inferno é aqui. Estado de Minas, Belo Horizonte, p. 13, 21 de mai. 2004.

Espetáculos 9

Abrir módulo

Mostras 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 7

Abrir módulo
  • ARREGUY, Clara. O inferno é aqui. Estado de Minas, Belo Horizonte, p. 13, 21 de mai. 2004.
  • ARREGUY, Clara. Poder que leva à violência. Estado de Minas, Belo Horizonte, 2 de out. 2003. Cultura.
  • AVELAR, Marcelo Castilho. Um Shakespeare Vigoroso. Estado de Minas, Belo Horizonte.
  • CAMPOS, Paulo. Diretor focaliza desejos urbanos. O Tempo, Belo Horizonte, 17 de jan. 2002. Magazine.
  • CUNHA, João Paulo. Nos bastidores do mal. Estado de Minas, Belo Horizonte, 6 de jan. 2001.
  • FESTIVAL Internacional de Teatro Palco & Rua de Belo Horizonte - FIT-BH. Site oficial do festival. Releases. Disponível em: [http://www.pbh.gov.br/cultura/fitbh/materiais/releases]. Acesso em: dez. 2008.
  • ODEON Companhia Teatral. Site oficial do grupo. Disponível em: [http://www.odeoncompanhiateatral.com.br]. Acesso em: dez. 2008.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: