Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.

Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Irmãos Campana

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 13.10.2020
Os irmãos Humberto Campana (Rio Claro, São Paulo, 1953) e Fernando Campana (Brotas, São Paulo, 1961) são designers e professores. Humberto forma-se em direito pela Universidade de São Paulo (USP), em 1977, mas não exerce a profissão. Na década de 1980, frequenta cursos livres de escultura em metal e argila, na Fundação Armando Alvares Penteado (...

Texto

Abrir módulo

Biografia

Os irmãos Humberto Campana (Rio Claro, São Paulo, 1953) e Fernando Campana (Brotas, São Paulo, 1961) são designers e professores. Humberto forma-se em direito pela Universidade de São Paulo (USP), em 1977, mas não exerce a profissão. Na década de 1980, frequenta cursos livres de escultura em metal e argila, na Fundação Armando Alvares Penteado (Faap), e de joalheria, com o joalheiro Renato Camargo. Fernando gradua-se em arquitetura pela Faculdade de Belas Artes de São Paulo, em 1984.

A formação de ambos tangencia as artes visuais e isso se refete seus projetos de design. Apresentam a primeira coleção de móveis, em 1989, organizada pela empresa A Arquitetura da Luz, em São Paulo. Com o título Desconfortáveis, essa coleção destaca-se em um período em que o funcionalismo é uma constante no design de mobiliário. 

Na segunda metade da década de 1990, a carreira dos irmãos adquire projeção internacional. Em 1996, realizam exposição individual no Palazzo Reale, em Milão, e participam da exposição coletiva Brasil Faz Design, no Museu da Casa Brasileira, em São Paulo. Em 1997, têm peças incluídas nas publicações Design Year Book e nas edições organizadas pelo historiador americano de design Mel Byars (1938), 50 Chairs e 50 Tables[1]. No mesmo ano, são selecionados pelo designer francês Philippe Starck (1949) para a mostra Design Der Zukunft, no Folk Museum, em Bremen, Alemanha. Nesse ano também lançam no Salão do Móvel de Milão a luminária Estela, produzida para a Oluce, empresa italiana de iluminação.

Em 1998, são convidados pela curadora de design e arquitetura do Museum of Modern Art de Nova York (MoMA/NY), Paola Antonelli (1963), para uma retrospectiva. Lecionam no curso de desenho industrial na Faap, em 1998, e no Museu Brasileiro de Escultura (Mube), de 1999 a 2000. Recebem diversos prêmios, com destaque para o Prêmio George Nelson Design Award, da revista Interiors, Estados Unidos, em 1999; o Le Prix du Nombre d’Or, Salon du Meuble, de Paris; e o Dim Award, da Feira Internacional de Móveis de Valência, Espanha, pela cadeira Corallo, em 2005. Suas criações fazem parte de acervos de museus como MoMA, o Centre Georges Pompidou, Paris, e Vitra Design Museum, Alemanha.

O trabalho de Humberto e Fernando Campana é caracterizado pela ousadia das formas e pelo arrojo dos materiais, que refletem ironia e humor. Dada a dificuldade de produção de mobiliário no Brasil, eles privilegiam, nos primeiros projetos, o uso de matérias-primas em que é possível tirar proveito do erro e da falta de acabamento. Elegem materiais que fazem parte do cotidiano. Seus projetos incorporaram ferro, alumínio, materiais naturais e reciclados, arames de alumínio, barbante, ripa, sintéticos, plásticos, pvc, forma de pizza, mangueiras de jardim etc. Os irmãos Campana buscam leveza, ironia e originalidade e, por essas características, destacam-se no cenário internacional.

A partir de 1999, o trabalho é reconhecido em todo o mundo e passam a dar mais atenção às discussões formais do próprio design. Preocupam-se com a funcionalidade, com o conforto do usuário e a produção em escala industrial para baratear os produtos. Todavia não perdem o que eles mesmos chamam de “poesia de projeto”. Pensando na relação entre produto e artesanato, Paola Antonelli destaca na obra dos Campana a preservação, com produtos reciclados e artesanais, da cultura brasileira. 

Ampliando essa discussão, o crítico de arte Tadeu Chiarelli (1956) considera que os objetos criados pelos designers “tendem a resistir, como obras de arte, ao processo de ‘desaparecimento’ que sofre grande parte dos objetos dos quais nos utilizamos no cotidiano”[2]. Para ele, as peças resistem pela forma, pelo material e, principalmente, pelo estímulo à nossa memória histórica e afetiva. Um exemplo é a mesa Tatoo, que branca, em metal, com recortes vazados, faz referência às toalhas de crochê. Diferente das primeiras cadeiras Desconfortáveis, esse é um objeto de design preocupado com o conforto.

 

Notas

1.  A Mesa Inflável (1995), de autoria dos Campana, é escolhida para a capa de 50 Tables. O organizador da coleção, Mel Byars, elegeu-a por se tratar de uma mesa barata, divertida e surpreendentemente funcional, como ele mesmo declara. Ver texto de Adélia Borges no catálogo Retrospectiva Campana. Rio de Janeiro: Casa França Brasil, 1999.

2. Ver Entre o design e arte: irmãos Campana; Entre a arte e o design: acervo do MAM. São Paulo: MAM, 2000, p. 49.

Exposições 7

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 9

Abrir módulo
  • ANTONELLI, Paola; BYRARS, Mel & ESTRADA, Maria Helena. Tropical Modern: the designs of Fernando and Humberto Campana. New York: Acanthus Press. 1998.
  • ASSEF, Rafael et al. Campanas. versão em inglês Joana Cañedo, Christopher Betenson; versão em italiano Elena Lovisolo, Roberto Pellegrino, Christian Purpura. São Paulo: Bookmark, 2003.
  • BORGES, Adélia. Retrospectica Campana: móveis e objetos 1898-1999. Rio de Janeiro: Casa França Brasil, 1999.
  • CASTANHO, Eduardo et al. Excesso. direção Ricardo Ribenboim; curadoria Vitória Daniela Bousso, Christine Mello; apresentação Marcos Mendonça, Ricardo Ribenboim; texto Vitória Daniela Bousso; tradução Renata Spinelli. São Paulo: Paço das Artes, 1996.
  • ENTRE objetos. São Paulo: Galeria Nara Roesler, 1995.
  • IRMÃOS Campana: inventividade. curadoria Fernando Campana, Humberto Campana; projeto gráfico Juliano de Moraes; texto Adélia Borges; fotografia Andrés Otero; tradução Rubens Santos. Goiás: MAC, 2001.
  • MOSTRA Brasil Faz Design 98. curadoria Marili Brandão, Vanni Pasca, Fábio Magalhães; coordenação editorial Marili Brandão; tradução Carlotta Zoni; apresentação Marcos Mendonça, Guilherme Leite Ribeiro; introdução Marili Brandão, Vanni Pasca, Fábio Magalhães; texto Rodrigo Rodriguez, Erika Palomino, Agnaldo Farias. São Paulo, SP: Brasil Faz Design, 1998.
  • OTERO, Andrés et al. Entre o design e a arte: irmãos Campana; Entre a arte e o design: acervo do mam. curadoria Tadeu Chiarelli; coordenação editorial Rejane Cintrão; tradução Izabel Murat Burbridge; projeto gráfico José Roberto Freire; texto Milú Villela, Tadeu Chiarelli. São Paulo: MAM, 2000.
  • RETROSPECTIVA Campana: móveis e objetos 1989-1999. apresentação Ana Lúcia Magalhães Pinto; texto Maria Helena Estrada, Cláudia Fares, Adélia Borges. Rio de Janeiro: Fundação Casa França Brasil, 1999.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: