Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Teatro

Teatro Maria Della Costa (TMDC)

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 25.01.2015
1948 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
1974 Brasil / São Paulo / São Paulo
Fundado pela atriz Maria Della Costa (1926-2015) e pelo empresário Sandro Polloni (1921-1995) - com a participação da veterana Itália Fausta (1859-1951) - o Teatro Popular de Arte (TPA) desenha sua trajetória de 26 anos com espetáculos bem-acabados, que em vários momentos apontam para a concepção moderna de teatro.

Texto

Abrir módulo

Histórico
Fundado pela atriz Maria Della Costa (1926-2015) e pelo empresário Sandro Polloni (1921-1995) - com a participação da veterana Itália Fausta (1859-1951) - o Teatro Popular de Arte (TPA) desenha sua trajetória de 26 anos com espetáculos bem-acabados, que em vários momentos apontam para a concepção moderna de teatro.

O espetáculo de estréia, Anjo Negro, de Nelson Rodrigues (1912-1980), em 1948, anuncia uma companhia que prioriza a linguagem cênica e os espetáculos inquietantes em detrimento do teatro de estrelas que caracteriza seu tempo. Em grandiosa encenação de Ziembinski (1908-1978), o texto de Nelson Rodrigues provoca polêmicas e exacerbada rejeição. No mesmo ano, em seu segundo espetáculo, Estrada do Tabaco, a companhia procura - e consegue - o sucesso de público por meio de um texto naturalista que coloca em cena as relações familiares no contexto da miséria; é a primeira encenação de Ruggero Jacobbi (1920-1981) para o conjunto. Em ambos os espetáculos, a atriz Itália Fausta merece elogios pela firmeza de suas composições.

Ainda em 1948, o TPA, monta Woyzeck, de Georg Büchner (1813-1837), mudando o título para Lua de Sangue. Para concretizar no palco a ousadia do texto (considerado por muitos precursor do expressionismo), Ziembinski se lança a uma série de experiências cênicas para a criação do espetáculo. A impossibilidade de dar continuidade, no Rio de Janeiro, às propostas artísticas defendidas pela equipe faz a companhia abandonar a cidade e sair em excursão. A partir de 1949, seus espetáculos passam a estrear em São Paulo. Em 1950, a companhia inaugura o Teatro de Cultura Artística, com a estreia de O Fundo do Poço, de Helena Silveira (1912-1984), texto-reportagem baseado em um fato verídico, com direção de Graça Mello (1914-1979).

O primeiro grande êxito vem com O Canto da Cotovia, de Jean Anouilh (1910-1987), em 1954, quando a companhia inaugura, em São Paulo, o Teatro Maria Della Costa, que passa a sediar suas atividades. Depois da estreia, o crítico Décio de Almeida Prado (1917-2000) faz uma análise do papel da nova empresa no panorama da cidade, dominado até então pelo Teatro Brasileiro de Comédia (TBC), dizendo que "Sandro Polloni é o primeiro empresário a aceitar o desafio do TBC" e que o Teatro Maria Della Costa "não fica nada a dever a nenhum outro, como edifício e como organização artística"; elogia tanto o palco, a visibilidade e a acústica da sala de 420 lugares, quanto a produção rica e cuidadosa, que lança mão de cenários e roupas históricas em profusão e de quase duas dezenas de atores, o que considera um milagre para uma empresa particular sem subvenção. E a respeito do espetáculo, aponta "uma unidade perfeita, englobando tudo, desde a disposição da cena até os movimentos dos atores", e considera que "cada personagem define-se pela roupa, pela maneira de gesticular e pelo lugar que ocupa no palco, formando, em conjunto, um desenho único".1 Na concepção cenográfica de Gianni Ratto (1916-2005), também diretor do espetáculo, várias plataformas se ligam por escadas, dando à peça mobilidade plástica e cênica.

Em 1955, o Teatro Maria Della Costa (TMDC), nome que substitui o TPA após o estabelecimento da sede própria, lança A Moratória, de Jorge Andrade (1922-1984), que, embora sem Maria Della Costa no elenco, dá a Sérgio Brito (1923-2011) e Fernanda Montenegro (1929) ocasião para desempenhos notáveis, sob a direção de Gianni Ratto.

Em 1958, o TMDC realiza um outro marco do teatro brasileiro, ao encenar profissionalmente, pela primeira vez no Brasil, o autor Bertolt Brecht (1898-1956) em A Alma Boa de Set-Suan. Embora recebendo críticas a algumas de suas opções - como a de recitar as músicas ao invés de cantá-las - a direção de Flaminio Bollini (1924-1978) revela ao público um novo teatro. Maria Della Costa é vivamente aplaudida pela interpretação da dupla Chen-Tê e Chuí-Tá. O espetáculo, a direção e a cenografia de Tulio Costa são premiados duas vezes - com o Saci e com o Prêmio Governador do Estado de São Paulo. Eugênio Kusnet (1898-1975) e Sadi Cabral (1906-1986) são laureados como coadjuvantes. Oswaldo Louzada (1912-2008) é notado pela poesia e pela nobre humildade que imprime ao aguadeiro.

Acompanhando as novas tendências do teatro brasileiro a partir de Eles Não Usam Black-Tie, encenado pelo Teatro de Arena, em 1958, o TMDC lança no ano seguinte, Gimba, o segundo texto de Gianfrancesco Guarnieri (1934-2006), montagem que projeta o jovem Flávio Rangel (1934-1988) para o primeiro time de encenadores do período.

Outra montagem histórica vem com Depois da Queda, 1964, de Arthur Miller (1915-2005). Flávio Rangel concebe um desenho de movimentação dos atores em diversos patamares geométricos, estabelecidos pela cenografia moderna e arrojada de Flávio Império (1935-1985) e com 360 movimentos de luz que decupam a ação. O espetáculo surpreende pela força da concepção visual e da plasticidade, que esclarecem as idéias da peça e lhe confere dinamismo dramático.

Em 1968, o TMDC acompanha as renovações da nova geração de dramaturgos, produzindo Abre a Janela e Deixa Entrar o Ar Puro e o Sol da Manhã, de Antônio Bivar (1939), com direção de Fauzi Arap (1938-2013).

A pesquisadora Tania Brandão (1952) considera que o TPA é a primeira companhia teatral moderna estável do Brasil, uma vez que estréia antes do início da carreira profissional do TBC. Segundo ela, a companhia é o conjunto que "galvanizou a fórmula, o modelo básico para a profissionalização do teatro brasileiro moderno, através do recurso ao diretor estrangeiro, à alternância de peças 'de bilheteria' e 'culturais' - este mesmo procedimento que tem sido atribuído ao TBC sob o nome de oscilação pendular de repertório".2

Notas

1. PRADO, Décio de Almeida. O Canto da Cotovia. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 7 nov. 1954.

2. SILVA, Tania Brandão da. Peripécias modernas: companhia Maria Della Costa. 1998. 204 p. Tese (Doutorado em História da Arte)-Instituto de Filosofia e Ciências Sociais. Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1998.

Espetáculos 60

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 3

Abrir módulo
  • PRADO, Décio de Almeida. O Canto da Cotovia. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 7 nov. 1954.
  • PRADO, Décio de Almeida. O teatro brasileiro moderno: 1930-1988. São Paulo: Perspectiva, 1988. (Debates, 211).
  • SILVA, Tânia Brandão da. Peripécias modernas: companhia Maria Della Costa. 1998. 204 p. Tese (Doutorado em História da Arte) - Instituto de Filosofia e Ciências Sociais. Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1998.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: