Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.

Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

A Nova Mão Afro-Brasileira

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 07.01.2022
20.11.2013 - 13.01.2014 Brasil / São Paulo / São Paulo – Museu Afro Brasil
A Nova Mão Afro-Brasileira reúne obras de artistas visuais afrodescendentes em torno de diferentes proposições estéticas, destacando a presença negra na produção artística contemporânea brasileira.

Texto

Abrir módulo

A Nova Mão Afro-Brasileira reúne obras de artistas visuais afrodescendentes em torno de diferentes proposições estéticas, destacando a presença negra na produção artística contemporânea brasileira.

Com curadoria do artista e gestor cultural Emanoel Araújo (1940), a exposição A Nova Mão Afro-Brasileira é inaugurada no Museu Afro Brasil, em São Paulo, em 20 de novembro de 2013, dia da consciência negra, que lembra a morte do líder Zumbi dos Palmares (1655-1695). A mostra marca também os 25 anos do livro e da exposição intitulados A Mão Afro-Brasileira: Significado da Contribuição Artística e Histórica, em comemoração aos 100 anos da Abolição da Escravatura no Brasil. Ocorrida em 1988, no Museu de Arte Moderna de São Paulo, também com curadoria de Emanoel Araújo, a exposição reúne e recupera obras de artistas negros atuantes desde o período colonial.

O título da mostra, mais do que evocar a ideia de um fazer artístico ligado ao trabalho das mãos, tem por objetivo dar novo sentido à exposição de 1988, que busca tornar visível a influência do elemento africano na cultura brasileira. O foco da mostra de 2013 recai sobre a apresentação de novos artistas, que vêm propondo algumas das questões mais instigantes da arte moderna e contemporânea.

A mostra homenageia artistas que participam da exposição de 1988, entre elas a pintora, gravadora e professora Yêdamaria (1932-2016), que traz pinturas de naturezas-mortas delicadas e luminosas da última fase de sua carreira, e a pintora Maria Lídia Magliani (1946-2012), que exibe a série Cartas, pinturas que dialogam com a linguagem da colagem.

A escolha dos trabalhos não é norteada pelo diálogo com uma ancestralidade africana, mas esta pode ser notada em abordagens muito distintas, nas obras de artistas basilares como Rubem Valentim (1922-1991) e o escultor Maurino de Araújo (1943-2020), um dos homenageados pela mostra. O primeiro sintetiza geometricamente símbolos religiosos afro-baianos, e o segundo funde figurações cristãs e africanas que remetem à imaginária barroca.

A identidade afro-brasileira é evocada também nas performances/rituais do artista Ayrson Heráclito (1968), registradas na série fotográfica Bori - Oferenda à Cabeça (s/d). Já a questão da autorrepresentação negra marca pinturas como O Estrangeiro (2011), de Sidney Amaral (1973), e a instalação Ama de Leite (2007), de Rosana Paulino (1967). Explorando linguagens abstratas em suportes não convencionais, no limite entre a figuração e o simbólico, estão as estruturas orgânicas quase monocromáticas de Advânio Lessa (1981), em palha e madeira, assim como a série Torções (s/d), de Sônia Gomes (1948), composta de construções abstratas de cores e texturas de pedaços de tecidos, e a série Cambraietas (s/d), em que Izidorio Cavalcanti (1965) constrói tessituras sobre recipientes de vidro retirados do cotidiano. Outros trabalhos voltam-se mais diretamente para a experiência urbana, como a pintura mural Mata (2013), de Pedro Marighella (1979), que se aproxima do graffitti, e Parada Gay (2012), montagem fotográfica com bonecos playmobil, de Heberth Sobral (1984).

A concepção expográfica diminui as distâncias e hierarquias entre trabalhos pertencentes a diferentes períodos, estabelecendo diálogos entre as obras contemporâneas e a seção histórica, composta de obras produzidas desde o século XVIII, passando por importantes pintores oitocentistas como Estevão Silva (1844-1891) e Arthur Timóteo da Costa (1882-1922)1.

O texto curatorial apresenta a exposição como fruto de uma necessidade estética, social e ética de reconhecimento da influência africana na formação da cultura brasileira. Essa preocupação também permeia a escolha dos eventos que marcam a abertura da mostra: debate com os artistas expositores, show do cantor e compositor Riachão (1921-2020), performance do artista multimídia Renato Matos (1952), apresentação do grupo Maracatu Bloco de Pedra, e a exibição do filme Hereros – Angola (2013), de Sérgio Guerra (1961).

A mostra dá continuidade ao debate sobre o emprego do termo afro-brasileiro para designar essa produção nascida num contexto de miscigenação. Ela coloca a questão no âmbito cultural e não no campo biológico, como o termo afrodescendente pode sugerir2. A Mão Afro-Brasileira é a primeira exposição de grande projeção a utilizá-lo para definir sua linha curatorial, e sua contundência acaba reverberando no nome do Museu Afro Brasil, fundado em 2004, e na exposição de longa duração de seu acervo, nomeando o núcleo “Artes plásticas: a mão afro-brasileira”, dedicado à produção visual desde o período colonial.

Ainda que exposições como A Mão Afro-brasileira, Negro de Corpo e Alma (2000), Negras Memórias, Memórias de Negros: O Imaginário Luso-afro-brasileiro e a Herança da Escravidão (2003) reúnam obras representando negros ou produzidas por artistas com essa origem, A Nova Mão Afro-brasileira, e outras exposições que a sucedem, marca um momento de posicionameno sobre a autorrepresentação negra nas artes visuais, apresentando artistas afrodescendentes como produtores de significações e não apenas como tema.

A Mão Afro-brasileira dá visibilidade à produção visual negra e amplia o conceito de arte afro-brasileira, apresentando obras que trazem uma grande diversidade de questões que perpassam os debates da arte no século XXI.

 

Notas

1. Como nota o pesquisador Renato Araújo, a expografia de Emanoel traz muitos pontos de contato com a expografia utilizada por Lina Bo Bardi em exposições como A Mão do Povo Brasileiro (1969), onde Lina “rompia com a hierarquização das obras de arte acadêmicas das obras de arte populares, desagregava a hierarquização dos núcleos expositivos, (...) essa mesma qualidade por assim dizer ‘mestiça’ da expografia, pôde ser observada em muitas exposições de Emanoel Araujo”. SILVA, Renato Araújo da. (1973). Arte Afro-Brasileira: altos e baixos de um conceito. São Paulo: Ferreavox, 2016, p. 330.

2. Idem, p. 195.

Ficha Técnica

Abrir módulo

Exposições 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 8

Abrir módulo

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: