Artigo da seção eventos O Testamento do Cangaceiro

O Testamento do Cangaceiro

Artigo da seção eventos
Teatro  
Data de inícioO Testamento do Cangaceiro: 07-07-1961
Local de realização: (Brasil / São Paulo / São Paulo) | Instituição de realização: Teatro de Arena
Tipo do evento: espetaculo | Classificação do evento: a classificar

O Testamento do Cangaceiro (1961) é uma peça escrita pelo dramaturgo Chico de Assis (1933-2015) entre 1954 e 1955. Após montagens parciais, estreia no Teatro de Arena (1953-1972), em São Paulo, no dia 7 de julho de 1961, sob a direção de Augusto Boal (1931-2009). Baseada em raízes populares da cultura brasileira, a obra é encenada num contexto de valorização do nacionalismo e de conscientização social e política.

Como primeira parte da Trilogia do Cordel, seguida por As Aventuras de Ripió Lacraia (1958) e Farsa com Cangaceiro, Truco e Padre (1964), o texto é construído como folheto de cordel, de estrutura narrativa clássica. É uma farsa popular revista sob princípios e recursos do teatro épico, como a presença de música e coro, e é abertamente inspirada em A Boa Alma de Setsuan (1941), do dramaturgo alemão Bertolt Brecht (1898-1956). Divide-se em duas partes episódicas (“Os Perigos da Bondade” e “Os Perigos da Maldade”), entrecortadas por cenas, como “causos” contados por um narrador e povoados por seres fantásticos, tratados com familiaridade.

A primeira parte da peça, escrita em 1954, é encenada na TV Excelsior por Leonardo Villar (1923-2020) e Cleyde Yáconis (1923-2013), dirigidos por Ademar Guerra (1933-1993). No Rio Grande do Sul, outra montagem traz a atriz Lilian Lemmertz (1937-1986). Apesar dessas versões prévias, é a encenação do Teatro de Arena que consagra a obra de Chico de Assis.

Desde 1958, em um cenário criado pela construção da nova capital em Brasília, pela valorização da produção industrial nacional e pelo surgimento de expressões culturais como a Bossa Nova e o Cinema Novo, o Arena inicia uma fase dedicada à encenação de textos originais de autores brasileiros, escritos durante o Seminário de Dramaturgia, voltado para a discussão sobre o país e a politização do público. A obra mais emblemática desse período é Eles Não Usam Black-tie (1958), de Gianfrancesco Guarnieri (1934-2006). O Testamento do Cangaceiro, embora escrito antes, integra-se a esse movimento por ser a última peça encenada em decorrência das discussões do seminário.

A perspectiva crítica brechtiana e a valorização da cultura popular se manifestam em uma intriga que acompanha uma espécie de herói do povo, astuto, em sua trajetória de superação dos ardis da vida. Cearim, o protagonista, é um sertanejo órfão de pai e mãe, mortos pela seca, que cumpre um percurso assemelhado a um auto religioso com ares medievais. Com sua paisagem de vila, igreja e prostíbulo, o cenário evidencia contradições do processo de modernização brasileiro.

Típico do cordel, o maniqueísmo se refaz sob uma perspectiva dialética, que substitui a discussão moral pelo debate ético à medida que Cearim se defronta com tipos brasileiros consagrados na comédia popular, como o golpista, a prostituta, o vigário, o sacristão, o cangaceiro, a madrinha (Nossa Senhora) e o capeta, em situações que demandam escolhas éticas para além da polarização entre bondade e maldade. Em síntese, chega-se à constatação da solidão humana e do livre arbítrio, mas também ao despertar de uma consciência de classe, individual e coletiva, com a compreensão de que a terra deve ser de quem trabalha nela.

O crítico Décio de Almeida Prado (1917-2000) questiona essa solução, tendo como base de comparação a estruturação marxista de A Boa Alma de Setsuan, em que há uma crítica à propriedade dos meios de produção. Segundo ele, O Testamento do Cangaceiro mantém a reflexão no plano individual, da injustiça e do engano, para subitamente inserir camponeses como agentes de crítica política na conclusão.

Por falta de recursos financeiros para um período prolongado de laboratório, a montagem entra em cartaz no Teatro de Arena após duas semanas de ensaio, nas quais o elenco se concentra em decorar e marcar as cenas de um espetáculo caracterizado como mais falado do que escrito, em que há mais representação do que texto.

O modo de produção ligeiro deixa Augusto Boal perplexo com o sucesso constatado na estreia da peça. A reação entusiasmada do público é, em grande parte, atribuída ao carisma e à verve cômica de Lima Duarte (1930), em sua primeira experiência no teatro, mas já reconhecido pelo trabalho na televisão. Segundo Boal, no primeiro dia, Lima interpreta Cearim bem preparado. Entende o personagem e sabe tudo sobre ele.

Com cenografia e figurino de Flávio Império (1935-1985), O Testamento do Cangaceiro marca também a estreia de Paulo José (1937) no teatro, ao lado de atores como Milton Gonçalves (1934), nos papéis de Cangaceiro e Irmão; Nelson Xavier (1941-2017), narrador; Vera Gertel (1937), madrinha; e Solano Ribeiro (1939), sacristão. Parte da recepção crítica observa o descompasso entre as atuações de novatos e veteranos. Em contraponto, Décio de Almeida Prado encerra suas observações afirmando que "o Teatro de Arena é nossa única companhia a aproveitar, com inteligência e modernidade, a velha tradição cômica do teatro popular brasileiro"1. A montagem sofre veto da Comissão Municipal de Cultura de Santos (SP) durante apresentação no II Festival Brasileiro de Teatro, presumidamente pelo teor de sátira religiosa. 

Apesar das forças contrárias, O Testamento do Cangaceiro torna-se um exemplo da busca por uma dramaturgia nacional crítica às relações de poder na sociedade, o que define a pesquisa de diversos grupos de teatro brasileiros entre as décadas de 1950 e 1960.

Notas

1. Acervo Augusto Boal. Disponível em: http://acervoaugustoboal.com.br/o-testamento-do-cangaceiro-3#gallery-3.  Acesso em: 22 abr. 2020.

Ficha Técnica do evento O Testamento do Cangaceiro:

Fontes de pesquisa (8)

  • ASSIS, Francisco de. Teatro de cordel de Chico de Assis. São Paulo: Imprensa Oficial, 2009.
  • AUTRAN, Paula. Teoria e prática do seminário de dramaturgia do Teatro de Arena. São Paulo: Dobra Editorial, 2015. 
  • BOAL, Augusto. Hamlet e o filho do padeiro: memórias imaginadas. [S.l.]: Cosac Naify, 2014. 
  • CARVALHO, Marcelo Braga de. O teatro de arena e sua vocação de retratar o Brasil. n. 6.  [S.l.]: Arte Revista, 2015.
  • CARVALHO, Tania. Paulo José: memórias substantivas. São Paulo: Imprensa Oficial, 2004. 
  • KATZ, Renina; HAMBURGER, Amélia Império. Flávio Império. São Paulo: Edusp, 1999. 
  • LEITE, Rodrigo M. Imagens do sertão na moderna dramaturgia brasileira: alguns apontamentos necessários para uma antologia inexistente. In: REBENTO. Revista de Artes do Espetáculo. n. 5. São Paulo, jul. 2015. 
  • PRADO, Décio de Almeida. O testamento do cangaceiro, In: ______. Teatro em progresso. São Paulo: Perspectiva, 2002. 

Como citar?

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

  • O Testamento do Cangaceiro. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2020. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/evento400088/o-testamento-do-cangaceiro>. Acesso em: 26 de Out. 2020. Verbete da Enciclopédia.
    ISBN: 978-85-7979-060-7