Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Teatro

Vau da Sarapalha

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 14.08.2019
30.11.1992 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro – Teatro Glaucio Gill
Baseado no conto Sarapalha, de Guimarães Rosa, com adaptação, cenário e direção de Luiz Carlos Vasconcelos, o espetáculo conta com os atores do Grupo Piollin, que se dedica ao trabalho pedagógico e social com crianças de João Pessoa, Paraíba.

Texto

Abrir módulo

Baseado no conto Sarapalha, de Guimarães Rosa, com adaptação, cenário e direção de Luiz Carlos Vasconcelos, o espetáculo conta com os atores do Grupo Piollin, que se dedica ao trabalho pedagógico e social com crianças de João Pessoa, Paraíba.

A ação se concentra entre dois primos que, vítimas de malária, esperam a morte sentados lado a lado. No trabalho físico cuidadosamente elaborado, cada parte do corpo dos atores cumpre um papel expressivo, tanto na postura global da personagem quanto em movimentos sutis ligados à ação, de forma a compor uma coreografia de gestos da qual participam os pés, o pescoço, a máscara facial. Um simples ficar de pé tem o peso da entrada do naipe de metais em uma sinfonia e é realizado em um tempo próprio ao contexto dramático, ao subtexto da personagem e à musicalidade da cena. Todo o espetáculo está construído sobre uma partitura musical, da qual fazem parte não só as palavras mas também os grunhidos e os sons do ambiente em que se encontram as personagens e que são executados pelos próprios atores.

Além das duas personagens que se encarregam da parte verbal do espetáculo, há a mística Negra Ceição que murmura sons e ladainhas incompreensíveis, rondando a conversa dos dois homens. A mulher procura evitar que a conversa tome um rumo trágico: um dos primos nutre uma paixão secreta pela mulher do outro, que fugiu de casa com outro homem. Esta revelação será feita ao final, quando o marido abandonado começa a agonizar. A cena é precedida de um ritual em que Negra Ceição, levando na mão uma cabaça de água, circunda os dois homens com a urgência de quem deve realizar um salvamento. Ao contrário dos homens, que permanecem sentados, a atriz trabalha sempre em deslocamento e, como personagem que comenta a ação central, sua composição tem humor, sem que ele seja sua finalidade. Ao lado dos dois homens está o Perdigueiro Jiló, cuja interpretação dá lugar, segundo a crítica Barbara Heliodora, a "um dos mais extraordinários exemplos de criação corporal que temos visto em nossos palcos".1 É o cão que inicia o espetáculo, deitado no palco, dormindo um sono atormentado que se agrava pela angustiante coceira. Separado dos atores, mas dentro da cena, está o Capeta, que sonoriza o espetáculo com objetos, além de fazer o fogo e emergir dele. 

Se a história não chega a todos os espectadores pelas sobrecargas visuais e sonoras que se sobrepõem ao texto, chegam as imagens que, segundo a crítica de O Globo, recriam a literatura: "... por um ato de amor, de carinho com cada mínimo detalhe da obra do escritor, Vasconcelos conseguiu essa coisa rara que é a recriação, em outro veículo, de uma obra bem-sucedida no original (...)".2

Em 1993, o espetáculo recebe o Prêmio Shell na categoria especial. O espetáculo é apresentado em todo o Brasil e, mesmo sem fazer longas e contínuas temporadas, permanece em apresentação por dez anos.

Notas

1. HELIODORA, Barbara. Todo impacto de uma fábula universal. O Globo, Rio de Janeiro, 15  dez. 1992.
2. HELIODORA, Barbara. Um Brasil angustiante se ilumina. O Globo, Rio de Janeiro, 1 abr. 1993.

Ficha Técnica

Abrir módulo
Autoria
Guimarães Rosa

Adaptação
Luiz Carlos Vasconcelos

Direção
Luiz Carlos Vasconcelos

Cenografia
Luiz Carlos Vasconcelos

Iluminação
Luiz Carlos Vasconcelos

Trilha sonora
Escurinho
Luiz Carlos Vasconcelos

Elenco
Escurinho
Everaldo Pontes / Primo Ribeiro
Nanego Lira / Primo Argemiro
Servilio Gomes / Perdigueiro Jiló
Soia Lira / Negra Ceição

Fontes de pesquisa 3

Abrir módulo
  • HELIODORA, Barbara. Todo impacto de uma fábula universal. O Globo, Rio de Janeiro, 15 dez. 1992.
  • VAU DA SARAPALHA. Direção Luiz Carlos Vasconcelos. Rio de Janeiro, 1992. 1 folder. Programa do espetáculo, apresentado no Teatro Gláucio Gill em novembro de 1992.
  • VAU da Sarapalha. Rio de Janeiro: Funarte / Cedoc. Dossiê Espetáculos Teatro Adulto.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: