Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Teatro

Um Grito Parado no Ar

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 15.08.2019
05.07.1973 Brasil / São Paulo / São Paulo – Casa da Cultura Francesa
Texto de Gianfrancesco Guarnieri, vinculado ao teatro de resistência, produzido por Martha Overbeck e Othon Bastos, em encenação de Fernando Peixoto. Um dos primeiros espetáculos que conseguem furar o cerco da Censura em plena ditadura, por meio de uma linguagem metafórica, que revela o inconformismo e a rebeldia característicos do período.

Texto

Abrir módulo

Texto de Gianfrancesco Guarnieri, vinculado ao teatro de resistência, produzido por Martha Overbeck e Othon Bastos, em encenação de Fernando Peixoto. Um dos primeiros espetáculos que conseguem furar o cerco da Censura em plena ditadura, por meio de uma linguagem metafórica, que revela o inconformismo e a rebeldia característicos do período.

O espetáculo estreia quase simultaneamente a Botequim, outro texto de Guarnieri, configurando as primeiras incursões do autor por um estilo figurado no qual se fazem referências indiretas à situação social e política do Brasil.

Um Grito Parado no Ar reflete o momento difícil que a dramaturgia atravessa, desejosa de discutir problemas sociais, mas obrigada a evitar alusões explícitas que pudessem levar ao veto da Censura. Num depoimento prestado na ocasião, Guarnieri admite que "são minhas primeiras incursões no reino das metáforas e dos símbolos. Eu penso que esta ginástica possa ser útil, no sentido de que nos obriga a mexer com a gente mesmo. [...] Ter de modificar a própria maneira de falar pode ser bom, no sentido em que a modificação traz a conquista de novos instrumentos".1

A peça gira em torno de um grupo de teatro em seu processo de trabalho e ressalta as dificuldades que enfrentam dentro e fora dos palcos.

Enfocando três planos de realidade, o diretor Fernando Peixoto descreve a estrutura do espetáculo: as articulações existentes na encenação: "Um diretor e cinco atores procuram realizar um trabalho, enfrentando toda sorte de pressões externas; o trabalho está sendo minado por uma infra-estrutura repressiva, que provoca uma crise de conseqüências insuspeitas; a peça que este grupo está procurando encenar é mostrada através de cenas isoladas, mas nunca totalmente definida. [...] noutro plano estão os poucos momentos em que o diretor e atores conseguem vencer; são mostrados exercícios de interpretação, laboratórios e improvisações, discussões sobre os personagens. O espectador assiste ao processo de criação do ator. A mística do teatro é desnudada. [...] No terceiro plano estão as entrevistas com o povo, todas autênticas, gravadas nas ruas de São Paulo. Na peça dentro da peça seriam entrevistas realizadas para servirem de material de estudo para a criação de suas personagens".2

A ação de Um Grito utiliza-se da alegoria, mostrar o teatro como um local onde se trabalha e se fabrica uma aparência da realidade. Quando despojado de tudo, resta ao grupo de artistas somente um uníssono grito final, símbolo da luta e também da sobrevivência em meio à opressão reinante.

Notas

1. GUARNIERI, Gianfrancesco. Um Grito Parado no Ar. Revista Argumento, Rio de Janeiro, n. 1, 1973. Entrevista concedida a Geraldo Mayrinki.

2. PEIXOTO, Fernando. Notas sobre Um Grito Parado no Ar. In: Teatro em pedaços. São Paulo: Hucitec: 1980. p. 163-164.

Ficha Técnica

Abrir módulo
Autoria
Gianfrancesco Guarnieri (Prêmios Associação Paulista de Críticos de Artes - APCA e Governador do Estado)

Direção
Fernando Peixoto (Prêmios Molière e Associação Paulista de Críticos de Artes - APCA)

Direção (assistente)
Mário Masetti

Cenografia
Joel de Carvalho

Figurino
Joel de Carvalho

Iluminação
José Cornachini

Trilha sonora
Mário Masetti

Música
Toquinho

Elenco
Assunta Perez / Flora
Ênio Carvalho / Fernando
Liana Duval / Flora
Lorival Pariz / Fernando
Martha Overbeck / Amanda
Oswaldo Campozano / Euzébio
Othon Bastos / Augusto (Prêmios Molière e Associação Brasileira de Críticos Teatrais - ABCT)
Sônia Loureiro / Nara

Fontes de pesquisa 5

Abrir módulo
  • GUARNIERI, Gianfrancesco. Um Grito Parado no Ar. Revista Argumento, Rio de Janeiro, n. 1, 1973. Entrevista concedida a Geraldo Mayrinki.
  • MOSTAÇO, Edelcio. Teatro e política: Arena, Oficina e Opinião. São Paulo: Proposta, 1982.
  • PEIXOTO, Fernando. Enquanto há Um Grito Parado no Ar. In: ______. Teatro em pedaços. São Paulo: Hucitec, 1983.
  • PEIXOTO, Fernando. Notas sobre Um Grito Parado no Ar. In: ______. Teatro em pedaços. São Paulo: Hucitec, 1983.
  • UM GRITO PARADO NO AR. Direção Fernando Peixoto. São Paulo, 1973. 1 folder. Programa do espetáculo, apresentado no Teatro Aliança Francesa em julho de 1973.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: