Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Teatro

O Mentiroso

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 26.01.2017
23.11.1949 Brasil / São Paulo / São Paulo – Teatro Brasileiro de Comédia
Registro fotográfico Fredi Kleemann

Carlos Vergueiro (Arlequim), Sérgio Cardoso (Lélio), Célia Biar (Colombina), Cleyde Yáconis (Rosaura) no espetáculo O Mentiroso, 1952
Fredi Kleemann, Carlos Vergueiro, Sergio Cardoso, Célia Biar, Cleyde Yáconis
Acervo Idart/Centro Cultural São Paulo

Primeiro texto clássico encenado no Teatro Brasileiro de Comédia, em 1949, no início da fase profissional da companhia, com direção de Ruggero Jacobbi. O espetáculo evidencia o talento de Sergio Cardoso.

Texto

Abrir módulo

Histórico

Primeiro texto clássico encenado no Teatro Brasileiro de Comédia, em 1949, no início da fase profissional da companhia, com direção de Ruggero Jacobbi. O espetáculo evidencia o talento de Sergio Cardoso.

Tanto o encenador quanto o ator vinham de uma experiência carioca: a montagem de Arlequim, Servidor de Dois Amos, do mesmo Carlo Goldoni, empreendida pelo Teatro dos Doze.

Como em Arlequim, Servidor de Dois AmosO Mentiroso apóia seu enredo sobre as artimanhas perpetradas pelas máscaras da commedia dell'arte, dela aproveitando a comicidade, o espírito buliçoso e a ótima oportunidade para o desempenho que exige do ator vivacidade e brilho. Figurinos e cenários são resolvidos com capricho por Aldo Calvo. Os tecidos especialmente importados, sedas, rendas e veludos italianos, são usados em casacas elegantes e vestidos primorosamente cortados e drapeados. Por meio de dois palcos giratórios - e um terceiro que avança do fundo - Calvo fornece ao elenco e ao encenador um espaço cênico redimensionado e eficiente. Com isso, propicia rapidez, fluência às cenas e contorna as limitações do palco, que tem pouca altura e praticamente não tem caixa. Segundo o ator Sergio Britto, "Calvo soube captar na arquitetura e numa certa cor local imponderável, que só aos artistas cabe a compreensão, toda Veneza romântica em que Lelio dos Bisonhos viveu mentindo. Tanto o cenário da rua com a gôndola que passa ao fundo, como a casa do Doutor ou a casa de Pantaleão, as duas surgindo em golpes de mágica, são de rara beleza".1

Jacobbi imprime à encenação não apenas o toque do bom gosto e da espontaneidade, mas, sobretudo, a eficiência de uma marcação controlada como por um cronômetro. Põe em destaque, desse modo, o conjunto dos intérpretes: Sergio Cardoso, Zilah Maria, Elizabeth Henreid, Renato Consorte, Carlos Vergueiro, Waldemar Wey, Célia Biar, Maurício Barroso, secundados pela figuração.

O destaque do crítico Décio de Almeida Prado para Sergio Cardoso é absoluto: "(...) é um extraordinário comediante não apenas no sentido menor de ator engraçado (estes os possuímos em abundância) mas também no sentido mais alto, de artista capaz de nos falar antes à imaginação e ao espírito do que aos sentidos. A sua graça é essa graça aérea, levíssima, de certas músicas de Mozart, que parecem dirigir-se, principalmente, à inteligência".2

Prossegue, o mesmo crítico, sobre a encenação: "cada um dos aspectos do espetáculo, a música, as máscaras, os cenários, foi analisado inteligentemente, dentro de uma tradição que o encenador recebeu ao nascer para a arte. A prova do sentimento de intimidade que lhe inspiram a peça e o autor, está nas modificações que introduziu confiantemente no texto, sem modificar de forma alguma a qualidade e tonalidade própria da peça: a commedia dell'arte admite tais liberdades".3

Notas

1. BRITTO, Sérgio. Correio da Manhã, Rio de Janeiro, 2 dez.1949 (arquivo Maria Thereza Vargas) apud RAULINO, Berenice. Ruggero Jacobbi: Presença Italiana no Teatro Brasileiro. São Paulo: Perspectiva, 2002. p. 95.

2. PRADO, Décio de Almeida. Apresentação do teatro brasileiro moderno. São Paulo: Perspectiva, 1996. p. 241.

3. PRADO, Décio de Almeida. 'O Mentiroso'. In: ______. Apresentação do teatro brasileiro moderno. São Paulo: Perspectiva, 1996. p. 240.

Ficha Técnica

Abrir módulo
Autoria
Carlo Goldoni

Tradução
Ruggero Jacobbi

Adaptação
Ruggero Jacobbi

Direção
Ruggero Jacobbi

Cenografia
Aldo Calvo

Figurino
Aldo Calvo

Elenco
A. C. Carvalho / O Mentiroso
Carlos Vergueiro / O Mentiroso
Célia Biar / O Mentiroso
Elizabeth Henreid / O Mentiroso
José Expedito de Castro / O Mentiroso
Maurício Barroso / O Mentiroso
Maury Lopes / O Mentiroso
Nelson Ernesto Coelho / O Mentiroso
Renato Consorte / O Mentiroso
Ruy Affonso / O Mentiroso
Sebastião Ribeiro / O Mentiroso
Sergio Cardoso / O Mentiroso
Waldemar Wey / O Mentiroso
Zilah Maria / O Mentiroso
Zilda Hamburger / O Mentiroso

Produção
Franco Zampari

Obras 1

Abrir módulo

Espetáculos 3

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 3

Abrir módulo
  • GUZIK, Alberto. TBC: crônica de um sonho. São Paulo: Perspectiva, 1986.
  • GUZIK, Alberto; PEREIRA, Maria Lúcia (Org.). Teatro Brasileiro de Comédia. Dionysos, Rio de Janeiro, n. 25, set. 1980. Edição especial.
  • PRADO, Décio de Almeida. Apresentação do Teatro Brasileiro Moderno. São Paulo: Perspectiva: 1996.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: